Black Label Society: público empolgado na noite fria do RS

Resenha - Black Label Society (Opinião, Porto Alegre, 14/08/2011)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Débora Reoly, Fonte: Rota do Rock
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

A previsão meteorológica para Porto Alegre no dia do show era de chuva. Mas nem a chuva e muito menos o frio diminuiram a empolgação do público que esperava desde cedo o show do BLACK LABEL SOCIETY pela primeira vez em Porto Alegre.

Blend Guitar: em vídeo, as dez maiores bandas de Heavy MetalIron Maiden: Nicko McBrain fala sobre conversão ao cristianismo

Para mim e as vinte e duas pessoas que eu levava na excursão que organizei a diversão começou mais cedo. Eram 07:20 da manhã de domingo, 14 de agosto quando nossa excursão saiu de Ijuí, distante 355 km da capital gaúcha. Foram 7 horas de viagem, com muita chuva e neblina na serra. Cada hora que passava se tornava mais visível o nervosismo dos mais fanáticos pela banda, alguns não queriam nem mais uma parada e assim chegar mais cedo em POA. As 14 horas enfim chegávamos em frente ao Opinião e já havia cerca de cinquenta metros de fila, vendedores de camisetas e acessórios da banda, como broches, adesivos e bandanas já estavam em plena atividade.

Em Porto Alegre o clima ainda estava seco, porém as nuvens anunciavam que a chuva estava chegando. Eu e algumas pessoas resolvemos ir em frente ao local onde haveria o Meeting and Greeting, para ver a banda entrando no local. Pouco depois que chegamos em frente ao estúdio Eclipse a van parou e a banda desceu rapidamente e entrou, sem precisar de seguranças, nem nada. Cerca de 40 minutos depois, a banda saiu, dizendo que nos veriam mais tarde no show. Entraram na van seguidos de alguns integrantes de sua equipe que são todos clones de Zakk Wylde ( e creio que esta impressão não foi só minha), todos da equipe são parecidos: cabelos compridos, barbão, bandana na cabeça e as roupas características.

Dali retornamos a fila no Opinião, pouco temepo depois começou a chover. Os vendedores ambulantes já começaram a vender as capas de chuva e sombrinhas. Como sou precavida buscaram no micro-onibus meu guarda-sol rosa pink, que logo foi invadido até por desconhecidos. As horas passaram depressa, ás 20 horas o público começou a entrar e o Opinião começou aos poucos a lotar. Creio que nem todos os ingressos foram vendidos, aparentemente, vendo do local onde eu estava no mesanino..

Ás 21 horas a banda gaúcha DRACO escalada para a abertura, entrou no palco com Leo Jamess (vocal/guitarra), Dani Wilk (vocal/guitarra), Beto Pompeo (baixo) e Viniscius Rymsza (bateria). O quarteto é muito apreciado pelo público gaúchos, suas músicas são cantadas em português e os vocais variam entre Leo Jamess e Dani Wilk em determinadas músicas. Dani Wilk toca muito, mas a guitarra estava muito baixa, problemas que foram resolvidos algumas músicas depois. Em meia hora de show, tocaram "Contrato Com o Diabo", "O Inferno é Aqui", "Lugar Algum", "Louco da Estrada" e a nova música de trabalho "Nunca Vou Desistir". Ao final do show a banda distribuiu alguns Cds para o público da pista. A DRACO saiu do palco do Opinião muito aplaudida.

Em seguida, foi retirada a bateria da Draco e a cortina da bateria de Mike Froedge, já fazendo o público aplaudir. As cervejas (quentes) foram colocadas em frente ao bumbo da bateria. Tudo ficou pronto em minutos e pontualmente as 22 horas, as luzes se apagaram e iniciou a intro de "New Religion" com o público chamando "Zakk! Zakk! Zakk!". Em turnê ainda pelo álbum "Order Of The Black" de 2010, sobem ao palco ainda com as luzes apagadas os Norte-americanos do BLACK LABEL SOCIETY, Zakk Wylde (vocal/guitarra), Nick Catanese (guitarra), John DeServio (baixo) e Mike Froedge (bateria), com a sirene soando de fundo, anunciam: "Porto Alegre, Brasil! Thank you please metal" e iniciam executando "Crazy Horses" (Order Of The Black), levando o público em massa a baguear, Zakk Wylde com o cocar indígena na cabeça e o pedestal do microfone com crânios. "Funeral Bell" (The Blessed Hellrider), "Bleed For Me" e "Demise of Sanity" (1919 Eternal) foram executadas em seguida, o público em êxtase, destaque para os backing vocal do baixista John DeServio, esbanjava simpatia com o público e o seu jeito de tocar que (particularmente) acho parecido com o Trujillo (que aliás, era baixista no Black Label Society, antes de assumir o baixo no Metallica). "Overlord" (Order Of The Black), detalhe que chamou a minha atenção foi que o público cantava tanto as músicas mais conhecidas, como as do álbum mais recente. Após veio "Parade Of The Dead" e "Born To Lose", em "Darkest Days" Zakk senta no piano, as luzes diminuem e o show transforma-se por um momento, todos os olhos e câmeras apontam a Zakk Wylde, a música é leve e inebriante. Mas Zakk Wylde no palco é aquela "antipatia" caracteristica dele. Não é de sorrisos. Porêm quem precisa de simpatia se está diante de um dos maiores guitarristas da atualidade?! O seu solo de guitarra entre "Fire It Up" e "Godspeed Hell Bound" deixou a todos atônitos! O que era aquilo alguem pode me explicar?! O show termina com "Stillborn" com o público em êxtase, e sem bis. Mas, quem precisa de bis depois de um show desses?! Definitivamente este show entrou para a história do Opinião, o melhor show que a casa teve em seus 28 anos de existência. E a Abstratti Produtora: Ricardo Finnochiaro, Zed Alves e toda sua equipe está mais uma vez de parabéns, a produção estava impecável!

Set List:
1 - New Religion
2 - Crazy Horses
3 - Funeral Bell
4 - Bleed For Me
4 - Demise Of Sanity
5 - Overlord
6 - Parade Of The Dead
7 - Born To Lose
8 - Darkest Days
9 - Fire It Up
10 - Guitar solo
11 - Godspeed Hell Bound
12 - The Blessed Hellride
13 - Suicide Messiah
14 - Concrete Jungle
15 - Stillborn

Vídeo em HD da primeira parte do show, com New Religion, Crazy Horses e Funeral Bell:

Inscreva-se no nosso canalWhiplash.Net no YouTube

Texto: Débora Reoly
Video: José Florêncio

Quer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Outras resenhas de Black Label Society (Opinião, Porto Alegre, 14/08/2011)

Black Label Society: show vibrante e intenso em POA

Blend Guitar: em vídeo, as dez maiores bandas de Heavy MetalOzzfest: vídeo resumo de 2016 com Sabbath, Disturbed, MegadethTodas as matérias e notícias sobre "Black Label Society"

Haja pente
Os músicos mais cabeludos do Rock e Heavy Metal

Zakk Wylde
Nada truezão logo que entrou na banda de Ozzy

Zakk Wylde
"In This River" em homenagem a músicos falecidos

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Black Label Society"

Iron Maiden
Nicko McBrain fala sobre sua conversão ao cristianismo

Kurt Cobain
Músico procurou Max Cavalera atrás de heroína

Slash
Explicando como foi seu primeiro contato com Justin Bieber

Chinese Democracy: Talaricagem, galinheiros e megalomaniaMetallica: Lars é um bom baterista? Mike Portnoy explicaTempo implacável: os rockstars também envelhecem parte 1Curiosidade: 13 estranhos objetos relacionados à músicaNando Moura: "E as viadagens do Rammstein?"GN'R: Eu que saí daquela banda de sucessos do passado, diz Chris

Sobre Débora Reoly

Débora Reoly é gaúcha de Ijuí. É formada em Pedagogia e Turismo. Possui a agência de viagens Rocktour RS que é especializada em excursões a shows na América do Sul. Seu lema é "A vida não é um show de Rock. São vários!. Contato: www.facebook.com/debora.reoly.

Mais matérias de Débora Reoly no Whiplash.Net.

Link que não funciona para email (ignore)

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online