Metallica: Destruidor, old school e traumático

Resenha - Metallica (Estádio do Morumbi, São Paulo, 30/01/2010)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Felipe Ribeiro, Fonte: Exercer Jornalismo
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

A cidade de São Paulo teve um dia atípico para uma tarde/noite de verão. Levando em conta os últimos 40 dias de chuvas, alagamentos e tumulto, tudo o que o paulistano queria naquele sábado era poder ter um dia sem esses problemas. Um dia perfeito. Foi o meu caso e o de 68 mil almas presentes no Estádio do Morumbi, que acompanharam a apresentação do Metallica.

1031 acessosGuns N' Roses: em 2° lugar no ranking dos que mais faturaram em 20165000 acessosIron Maiden: uma releitura de "The Trooper" pelo Cine

Depois de 11 anos sem pisar na capital bandeirante, James Hetfield, Lars Ulrich, Kirk Hammett e Robert Trujillo pareciam adolescentes em cima daquele palco. Tamanho carisma e emoção se encaixavam perfeitamente com o peso e brutalidade das músicas ali apresentadas. Um setlist absolutamente old school e destruidor, que foi capaz de compensar os anos de ausência dos quatro cavaleiros do metal.

Logo após a apresentação do Sepultura, que cá entre nós foi muito boa, as luzes do estádio se acenderam e os roadies do Metallica começaram a preparar tudo para o início do show. Ainda estávamos nos recuperando dos clássicos tocados por Andréas Kisser e sua trupe, que mandaram bem com "Refuse/Resist"; "Territory"; "Inner Self" e "Roots Bloddy Roots". Já impacientes, começávamos a especular as músicas que seriam tocadas. Eu estava preparado para tudo. Quando as luzes se apagaram e o hino "The Ectasy of Gold" começou a tocar, eu tinha certeza de que o meu coração ia saltar e eu iria chorar feito uma criança. Nada disso aconteceu quando os meus heróis entraram em cena e despejaram todo o peso e velocidade de "Creeping Death". Ao ver James levantar as suas mãos e fazer o sinal característico do metal, estava certo de que era o momento de acordar e cantar junto com ele, palavra por palavra, a música que fala de escravidão e penitência. Escravos somos nós desse som que entra em nossas mentes e faz com que a besta adormecida em nós saia e interaja com eles.

O coro “die, die, die” foi feito com o máximo de paixão por todos ali presentes, e talvez, esse é um dos momentos que fazem o fã brasileiro ser diferente dos demais.

Em "For Whom The Bell Tolls" e "The Four Horsemen", o público foi ao delírio e pode presenciar a felicidade dos quatro em estar no Brasil. Não era à toa. As músicas eram cantadas em uníssono, e quase não se dava pra ouvir o vocal de Hetfield. Kirk esmerilhou em seus solos. Absolutamente perfeitos. Robert, irreverente. E Ulrich, o chatão, a todo momento tentava interagir com o público, mesmo de trás do seu kit de bateria.

A melancólica e arrastada "Harvester of Sorrow" deu uma acalmada no público, mas foi tão bem aceita quanto as demais e foi cantada integralmente por todos. Depois de uma breve pausa, Hetfield apareceu com um violão. Não sabíamos o que esperar... "The Unforgiven"? "Mama Said"?? Não. A mais triste e sensível música do Metallica estava recebendo os seus primeiros acordes. Sereno, Hetfield começara a tocar "Fade to Black", do álbum oitentista "Ride The Lightning". O que se percebia era público e banda se tornando um só, compartilhando suas tristezas e mágoas naqueles seis minutos e meio.

As músicas novas do Metallica couberam perfeitamente nesse set. "That Was Just Your Life", "The End of The Line" e "The Day That Never Comes" pareciam ter sido escritas na época trash da bay area. É óbvio que elas não foram tão cantadas e aclamadas quanto os clássicos, mas os comentários que se ouviam eram os melhores possíveis, inclusive, dos senhores de cabelos brancos, que estavam ali para ver se achavam os moleques que tocaram aqui em 1989.

Antes de "Sad But True", James ofereceu-a para o Sepultura, dizendo: “Nós dedicamos essa música ao Sepultura. Pois eles representam a música pesada no Brasil e nós sabemos que o brasileiro ama música pesada. Vocês querem mais peso? Então nós daremos mais peso”, e o riff grudento e pesado do cláassico de 1991 começou a balançar o estádio.

Mais uma dedicatória, desta vez, aos fãs, à família Metallica, como James disse. “Quero dedicar essa música a vocês, à família Metallica. Que nos apoiaram nos momentos difíceis e nos momentos bons, como esse de hoje”, já emendando o refrão de "Broken, Beat & Scarred": “WHAT DON’T KILL’YA MAKE YOU MORE STRONG”.

Todo e qualquer elogio à performance da banda é chover no molhado. O entrosamento e a harmonia em tocar são claros. Kirk é muito introspectivo, mas quando se põe a solar, domina o palco. Robert é energia pura e Ulrich bate em sua bateria como se fosse em um inimigo. James Hetfield expõe a sua idade somente na falta de cabelo e em suas barbas brancas, pois ele executa seus riffs de forma magistral e impõe um respeito quase que inexplicável, difícil, mesmo pros fãs, de se descrever.

A sequência pela qual estávamos prestes a presenciar não é pra qualquer um. Quando os fogos começaram a estourar e labaredas a subir, era o prenúncio para a explosiva "One", executada como nos tempos áureos de "And Justice For All". Sem tempo para respirar, já recebemos "Master of Puppets", que quase nem precisou ser cantada por James. O público se encarregou disso. Já sem voz, as pessoas tiveram que tirar energia das suas almas para poder acompanhar "Blackened" e suar a cada vez que James dizia “Fire”, e sentir o bafo quente do fogo que subia ao lado do palco.

Ao fim dessa música, James pediu um pouco de atenção e apontou para Kirk, que por sua vez, dedilhou um solo de guitarra limpa maravilhoso, limpo e extremamente dedicado. Era a introdução para "Nothing Else Matters". Todas as pessoas que estavam ali. Staff, vendedores de cerveja e salgadinhos. Mulheres, adolescentes, senhores e jovens... todos cantaram junto com James. Um momento épico e que ficou marcado. Com a voz embriagada de emoção, James finalizou a música com o solo característico e ficou agachado por ali durante um minuto. A câmera focalizava as suas mãos. Ele, por sua vez, arrancou gargalhadas dos presentes mostrando-nos o dedo do meio e fazendo o sinal do metal. Pra que, minha gente? Para iniciar "Enter Sandman" e ver as 68 mil pessoas ali presentes pularem juntas.

Não consigo explicar como uma música tão simples pode fazer isso com as pessoas. Só mesmo estando ali pra saber...

Depois dessa música, foram feitos breves agradecimentos. Kirk, no seu raro momento de interação com o público, sacou o seu smartfone do bolso e começou a filmar o estádio. Em diversas entrevistas, ele afirma que o público brasileiro é o melhor, o mais animado.

Para o bis, boa escolhas: "Stone Cold Crazy", do Queen e "Motorbreath", do primeiro álbum do Metallica, "Kill’em All".

Depois desses dois pitacos, James olhou atentamente para o palco. Todos já sabiam o que iria acontecer ali, mas, foi necessária essa troca de olhares. “Eu gostaria de dizer que eu estou me sentindo muito bem aqui. Por favor, acendam as luzes da casa. Vocês viram esses feiosos a noite inteira, agora é a nossa vez de ver vocês.” Ao se acenderem os refletores James e companhia puderam ter noção do “estrago” que fizeram. Viram um Morumbi abarrotado de gente. Aquilo, com certeza, foi o combustível para a aclamada "Seek and Destroy". Sem misericórdia, os quatro mandaram ver, e, num ato de reciprocidade plena, os fãs fizeram o mesmo, cantando palavra por palavra.

Ao fim do show, um por um agradeceu o público. A sensação que ficou foi de depressão. Um trauma. Como disse Ulrich: “Não é necessário esperar mais 11 “fucking” anos para voltar pra cá, não é?”

Detalhes:

Público de 60% Homens, 40% mulheres.

Metaleiras são gatas, ao contrário do que dizem.

Na coletiva de imprensa, a banda recebeu disco de ouro, pela venda de 40 mil cópias do disco Death Magnetic e disco de platina duplo pela venda de 60 mil cópias do DVD Orgulho, Paixão e Glória.

Setlist:
Creeping Death
For Whom The Bell Tolls
The Four Horsemen
Harvester Of Sorrow
Fade To Black
That Was Just Your Life
The End Of The Line
The Day That Never Comes
Sad But True
Broken, Beat and Scarred
One
Master Of Puppets
Blackened
Nothing Else Matters
Enter Sandman
- - - - - - - -
Stone Cold Crazy
Motorbreath
Seek And Destroy

Público – 68 mil pagantes, mais uma renca de bicões.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de Metallica (Estádio do Morumbi, São Paulo, 30/01/2010)

5000 acessosMetallica: "Triste, mas verdadeiro" ou "Nada mais importa"?5000 acessosMetallica: show com muitos clássicos e repertório variado5000 acessosMetallica: tiozinhos se tornaram adolescentes novamente5000 acessosMetallica: banda mostra renovação em show no Morumbi5000 acessosMetallica: Uma experiência perturbadora no bom sentido5000 acessosMetallica: Em Sampa, um show para ficar na memória

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Guns N RosesGuns N' Roses
Em 2° lugar no ranking dos que mais faturaram em 2016

46 acessosHeavy Metal: os 10 melhores riffs dos anos noventa184 acessosTudo no Shuffle: Thrash Metal, 10 Grandes Riffs0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Metallica"

20162016
Melhores do ano pelo colaborador Leonardo Daniel Tavares da Silva

MetallicaMetallica
Membros comentam sobre Hall da Fama do Rock

AnthraxAnthrax
Carreira da banda foi salva pelo Metallica

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "Metallica"

Iron MaidenIron Maiden
Uma releitura de "The Trooper" pelo Cine

Guitar WorldGuitar World
As 50 melhores canções de Rock de todos os tempos

Sgt. PeppersSgt. Peppers
Tudo sobre o mais importante álbum da história do rock

5000 acessosMetallica: foto rara de formação original do grupo5000 acessosJared Leto: a reação ao se ver no papel do Coringa5000 acessosCâncer na língua: Os músicos que sofreram deste mal5000 acessosDave Mustaine: "Minha vida não se resume somente a brigas"5000 acessosHeavy Metal: as 10 melhores bandas da era moderna5000 acessosOutro Chris Cornell subiu ao palco em Detroit anteontem e precisamos falar sobre isso

Sobre Felipe Ribeiro

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online