RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas

imagemA música de Raul Seixas que salvou a carreira de Chitãozinho e Xororó

imagemPor que Lemmy odiava tocar "Ace of Spades" nos shows do Motörhead

imagemA atitude punk da Legião Urbana que causou irritação e deu trabalho na gravação

imagemOmelete diz que heavy metal pertence agora à nova geração e não ao tiozão headbanger

imagemO conselho realista de John Petrucci para bandas que estão começando agora

imagemQuatro músicas de artistas brasileiros que citam Os Paralamas do Sucesso

imagemO hit dos Beatles que talvez seja sobre drogas e que "Jesus" acompanhou gravação

imagem"Quem não gosta de Beatles bom sujeito não é", diz João Gordo

imagemO brasileiro com a voz parecida com a de Axl Rose que viralizou no TikTok

imagemDeep Purple: David Coverdale revela quem quis como substituto de Ritchie Blackmore

imagem5 motivos para assistir ao novo RockGol 2023 que estreia em fevereiro

imagemProdutor da turnê de Paul Di'Anno explica problemas no primeiro show

imagemAndi Deris tem problemas de saúde e shows do Helloween são adiados

imagemClipe de "From The Ashes" ultrapassa 1 milhão de views e Fernanda Lira celebra

imagemO Raul Seixas não era nada daquilo que ele falava, diz ex-parceiro musical


Stamp

Bathsheba: o arrastado sofrimento Doom em "Servus"

Resenha - Servus - Bathsheba

Por Marcelo Hissa
Postado em 02 de novembro de 2017

Nota: 8

Doom metal belga cadente vocalizado por uma mulher que não tenta soar como um homem, prazer esse é o Bathshebo. Servus é o debut que ostenta uma capa que personifica a simbologia obscura da temática musical. Carregada de negativismo e divindade, Bathsheba, segundo a bíblia, é a mulher "intimada" a ser esposa do rei dos judeus, Davi, após ser espreitada por esse.

O álbum tem sua dose de doom convencional, como a arrastada Conjuration of Fire, que segue a fórmula dos vocais limpos, mas que se distorcem na medida em que a velocidade aumenta. A norma se inverte em Ain Soph começando rápido para depois se reprimir criando uma atmosfera insólita permeado com um belo solo de saxofone. Em alguns momentos o álbum seduz mais para o lado progressista-psicodélico como em Manifest e em The Sleepless Gods que migra do doom cadente para o melódico, acentuado por um lamurioso solo de guitarra. At the End of Everything fecha a obra criando uma sensação de pulsar crescente sublinhada pelo aprazível trabalho vocal de Michelle Nocon.

Bathsheba libera a angústia feroz da personagem bíblica homônima por meio de um som cadenciado e carregado por sofrimento melódico. Servus é avultado pelos volúveis vocais femininos e pelas distorcidas guitarras arrastadas. Tipo de som pra se ouvir demoradamente, engajando-se no compelido sofrimento de Bathsheba.

TrackList
1.Conjuration of Fire 07:35
2.Ain Soph 05:42
3.Manifest 10:33
4.Demon 13 05:45
5.The Sleepless Gods 07:15
6.I at the End of Everything 08:26

Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:
Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps




publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sobre Marcelo Hissa

Médico em horário comercial, fanático e colecionador de música em tempo integral. Tipo de música preferida: a boa, se tiver peso melhor ainda.
Mais matérias de Marcelo Hissa.