Bathsheba: o arrastado sofrimento Doom em "Servus"

Resenha - Servus - Bathsheba

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Marcelo Hissa
ENVIAR CORREÇÕES  

Nota: 8

Doom metal belga cadente vocalizado por uma mulher que não tenta soar como um homem, prazer esse é o Bathshebo. Servus é o debut que ostenta uma capa que personifica a simbologia obscura da temática musical. Carregada de negativismo e divindade, Bathsheba, segundo a bíblia, é a mulher "intimada" a ser esposa do rei dos judeus, Davi, após ser espreitada por esse.

As regras do New Metal/Nu-metalAnos 80: bandas nacionais que o tempo esqueceu

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O álbum tem sua dose de doom convencional, como a arrastada Conjuration of Fire, que segue a fórmula dos vocais limpos, mas que se distorcem na medida em que a velocidade aumenta. A norma se inverte em Ain Soph começando rápido para depois se reprimir criando uma atmosfera insólita permeado com um belo solo de saxofone. Em alguns momentos o álbum seduz mais para o lado progressista-psicodélico como em Manifest e em The Sleepless Gods que migra do doom cadente para o melódico, acentuado por um lamurioso solo de guitarra. At the End of Everything fecha a obra criando uma sensação de pulsar crescente sublinhada pelo aprazível trabalho vocal de Michelle Nocon.

Bathsheba libera a angústia feroz da personagem bíblica homônima por meio de um som cadenciado e carregado por sofrimento melódico. Servus é avultado pelos volúveis vocais femininos e pelas distorcidas guitarras arrastadas. Tipo de som pra se ouvir demoradamente, engajando-se no compelido sofrimento de Bathsheba.

TrackList
1.Conjuration of Fire 07:35
2.Ain Soph 05:42
3.Manifest 10:33
4.Demon 13 05:45
5.The Sleepless Gods 07:15
6.I at the End of Everything 08:26




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


As regras do New Metal/Nu-metalAs regras do New Metal/Nu-metal

Anos 80: bandas nacionais que o tempo esqueceuAnos 80
Bandas nacionais que o tempo esqueceu


Sobre Marcelo Hissa

Médico em horário comercial, fanático e colecionador de música em tempo integral. Tipo de música preferida: a boa, se tiver peso melhor ainda.

Mais matérias de Marcelo Hissa no Whiplash.Net.

Goo336x280 GooAdapHor