Black Sabbath: não foi apenas um xarope antirreumático...

Resenha - 13 - Black Sabbath

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Mário Liz
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Por que ouvir o novo álbum do Black Sabbath? A resposta é mais que óbvia, principalmente porque grande parte (ou a completude de todas as partes) das bandas de rock pesado que se ouve por aí, derivam-se deles. Eles são os pioneiros do metal, e, corajosamente, mostraram a bunda ao “paz e amor” em uma época em que o mundo estava dominado pelo poder das flores. Isto bastaria, no mínimo, para qualquer um se doar ao “13” com respeito, mesmo se o Sabbath não for lá da predileção de alguns ouvintes.
1142 acessosTony Iommi: almoço de domingo com Ian Anderson5000 acessosGuns N' Roses: ex-guitarrista admite que era difícil tocar as músicas

O 13 é um bom álbum. Não é como eu já li por aí (pois a maioria das resenhas são pura babação de ovo). É melhor que o NEVER SAY DIE, e, talvez, se fosse produzido na década de 70, teria menos firulas. Mas há de se entender a razão: os anos 70 morreram! Não há como reviver a magia daquela época, o que se pode fazer é, utilizando uma analogia histórica do movimento antropofágico brasileiro, sorver o que de melhor houve e vomitar posteriormente com as maravilhas tecnológicas de hoje. E o Sabbath conseguiu isto! O álbum realmente soa de forma nostálgica e moderna, sem que isso se torne um choque ruim.

O ponto fraco do álbum, talvez, foi o autoplágio (ainda que proposital em algumas faixas). Mesmo assim, funcionou em “Loner” (que bebeu da fonte de N.I.B), porém, se fez artificial em “The End of Beginning”, galgada na clássica Black Sabbath e na semi-progressiva Dirty Woman. “God is Dead”, uma nova-velha conhecida de todos, é uma ótima canção e tem traços de algumas composições da banda dos tempos do eterno “baixinho”- que Dio o tenha. “Age of Reason” e “Live Forever” entraram para dar consistência à massa, sendo que “Live Forever” foi um ótimo tapa buraco, com seu andamento focado no baixo sempre raivoso de Geezer.

O ponto forte do álbum é exatamente quando o velho Sabbath bebe de seu elixir macabro setentista sem a preocupação de parecer “consigo mesmo”. A faixa “Zeitgeist” tem o incrível clima de “paz e horror” que a banda conseguiu atingir no passado com “Solitude” e “Planet Caravan”, mas que desta vez, incorporou elementos acústicos que consolidaram em uma ótima canção “western” sombria. “Damaged Soul”, outra pérola do 13, seria tranquilamente uma faixa do primeiro álbum do Black Sabbath, se ele fosse concebido em 2013. Ela possui o feeling “bluseiro” da banda que se perdeu de forma natural nas décadas de 80 e 90. “Dear Father” fecha o pacote sabbático com a certeza de que os velhotes ainda tem muita lenha pra queimar.

Individualmente, os grandes destaques do álbum foram Tony e Geezer, o primeiro por adotar uma excelente linha minimalista em seus solos e riffs e também por se mostrar extremamente vibrante em todas as músicas, e, o segundo, por ser o responsável pela agressividade e pelo pulso alucinante do álbum.

E para quem esperava dos reis do metal apenas uma dose de xarope antirreumático, esqueça de toda farmácia, pois os vovôs estão aí... mais vivos do que nunca!

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de 13 - Black Sabbath

4562 acessosBlack Sabbath: Se for o final, eles fecharam com chave de ouro2810 acessosBlack Sabbath: o bom e talvez último registro dos dinossauros2074 acessosBlack Sabbath: "13" é um disco muito bom e consistente5000 acessosBlack Sabbath: "estes dias estão próximos do fim!"2972 acessosBlack Sabbath: o melhor álbum diretamente relacionado à banda2345 acessosBlack Sabbath: depois de 20 anos, uma segunda primeira vez2422 acessosBlack Sabbath: "13" é pra se ouvir alto no som3916 acessosBlack Sabbath: provando que ainda são muito relevantes5000 acessosBlack Sabbath: um presente para os fãs que esperaram 34 anos5000 acessosBlack Sabbath: Um disco para se escutar em alto volume5000 acessosBlack Sabbath: o ciclo de Ozzy na banda foi fechado em 19795000 acessosBlack Sabbath: Um grande e inspirado trabalho5000 acessosBlack Sabbath: fiel às suas origens e ainda assim soando atual5000 acessosBlack Sabbath: firme, consistente e com a pegada da era Ozzy5000 acessosBlack Sabbath: Metal Hammer inglesa resenha 13 e se impressiona5000 acessosBlack Sabbath: primeira resenha completa do álbum "13"5000 acessosBlack Sabbath: primeira resenha do novo álbum, 13

Tony IommiTony Iommi
Almoço de domingo com Ian Anderson

1422 acessosTony Iommi: "Valeu a pena desde o 1° dia", diz sobre carreira456 acessosHeavy Lero: a segunda parte da história do Black Sabbath com Dio0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Black Sabbath"

O Diabo É O Pai Do RockO Diabo É O Pai Do Rock
A associação do gênero com o tinhoso

Geezer ButlerGeezer Butler
Por que o Sabbath toca até hoje e o Led Zeppelin não?

MetallicaMetallica
"Master of Puppets" é eleito o álbum de metal mais influente

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Black Sabbath"

Guns N RosesGuns N' Roses
Ex-guitarrista admite que era difícil tocar as músicas

Gosto é gostoGosto é gosto
Quem ouve Heavy Metal ouve apenas Heavy Metal?

NirvanaNirvana
Lendário show no Hollywood Rock completa 20 anos

5000 acessosVoz: 10 músicos que cantam tão bem quanto os vocalistas de suas bandas (Parte I)5000 acessosAC/DC: isso sim é uma bela estrada para o inferno5000 acessosBandas Iniciantes: 17 maneiras de assassinar sua carreira musical5000 acessosAC/DC: Brian foi demitido como se fosse vendedor do Wal-Mart, diz amigo5000 acessosIron Maiden: fãs não estão preparados para "Empire of The Clouds"5000 acessosMegadeth: em vídeo, Mustaine puto por ter sido interrompido por um "monte de merda"

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Sobre Mário Liz

Mário Liz é bacharel em direito e em publicidade e propaganda. É apaixonado por IRON MAIDEN, BLACK SABBATH, DREAM THEATER, BIGELF e PINK FLOYD. Contato: mariolizpoeta@gmail.com.

Mais matérias de Mário Liz no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online