Black Sabbath: o ciclo de Ozzy na banda foi fechado em 1979

Resenha - 13 - Black Sabbath

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Marcos Garcia
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 3

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Não há mais nada o que ser dito sobre o BLACK SABBATH, pois o nome do grupo é lendário e fala por si. E o pai do Heavy Metal está de volta com seu novo CD, '13', um disco que foi esperando ansiosamente por fãs e imprensa, na esperança que a reunião de Ozzy Osbourne, Tony Iommi e Terry "Geezer" Butler, ou seja, 3 dos quatro integrantes originais da banda (o batera é Brad Wilk, conhecido por seu trabalho com RAGE AGAINST THE MACHINE e AUDIOSLAVE) pudesse ser relevante ao cenário do Metal atual, como se ressurgindo das cinzas como uma fênix. Mas acreditem, se forem ansiosos demais, a decepção será na mesma intensidade.
0 acessosBlend Guitar: em vídeo, Top 10 Heavy Metal Bands5000 acessosDuff McKagan: inspiração para cerveja Duff dos Simpsons?

Mesmo tendo a voz esganiçada e aguda de Ozzy (que lembra muito o que ele faz na carreira solo, e em quase nada a época em que era membro do quarteto antes de sua saída em 1979. Mas relevemos isso em favor de sua idade), a guitarra de Tony, o baixo de Gezzer e a bateria do esforçado Brad, '13' é um disco bem aquém do que o BLACK SABBATH pode fazer, e isso sem comparar o disco com qualquer outro trabalho da banda, nem mesmo com os que possuem o velho "Madman" nos vocais.

As músicas estão muito cadenciadas, o que em tese, não seria um problema, já que o SABBATH é célebre por ter clássicos assim, mas a energia bruta da banda está contida, e sua sonoridade, por sua vez, enlatada e bem descaracterizada. O som polido e pesado da velha Gibson SG de Tony está estranho, com timbres longe do que este mestre da seis cordas pode fazer. O baixo de Geezer vai pelo mesmo caminho, mesmo com sua técnica peculiar. A bateria e voz, em compensação, estão muito bem gravadas, em que pese que Ozzy nunca foi um vocalista grandioso, ou que a bateria faça algo de mirabolante. Realmente, Rick Rubin (que há tempos anda sendo contestado por seus trabalhos com outras bandas) não acertou a mão em produzir uma banda deste porte.

Ainda falando da produção sonora, '13' teve, como já mencionado, as mãos do criticado Rick Rubin, que até soube deixar tudo bem equalizado, inclusive a bateria está perfeita (os pratos estão com uma clareza e perfeição absurdas), os vocais de Ozzy estão bem claros e a dicção é perfeita. Já guitarra e baixo, como citados acima, apesar de sonoramente bem postados e audíveis, estão descaracterizados do que a banda sempre apresentou em termos de sonoridade. Sente-se que é o velho SABBATH tocando (as técnicas de Tony, Geezer e Ozzy são bem conhecidas), mas que algo está diferente demais. Está soando preso, esteticamente perfeito para uma geração de fãs acostumadas com "sonoridades modernas".

Musicalmente, a sensação de decepção se torna ainda mais amarga, pois as músicas do CD, o mais importante de tudo, não convencem. '13' soa como aqueles famosos disco que saem "na marra", ou seja, onde o processo de composição está distante da espontaneidade necessária para se criar algo bom, logo, suas músicas são um excelente remédio para insônia.

'The End of the Beginning' começa promissora, azeda e cadenciada na linha da clássica 'Black Sabbath', mas quando ganha um pouco mais de velocidade, começa a remeter à carreira solo de Ozzy, especialmente a momentos do 'Blizzard of Ozz', mas sem empolgação alguma, e isso é ainda mais grave devido a sua longa duração (mais de 8 minutos); outra longa faixa é 'God is Dead?', disponibilizada há algum tempo na internet, e não é tão ruim assim, mas sinceramente, falta energia e tem um clima bem "down", lembrando novamente a carreira solo de Ozzy, agora a fase 'Ozzmosis'; já 'Loner' é uma canção mais simples, com belas combinações de guitarras limpas com riffs mais secos e puxados para o Rock'n'Roll modernoso; 'Zeitgeist' é uma baladinha bem feita, com boa percussão, baixo macio e guitarras limpas, mas os efeitos na voz de Ozzy puseram tudo a perder. Se a ideia era uma nova 'Changes', o tiro saiu pela culatra; batidas semi-tribais manjadas iniciam 'Age of Reason', onde o grupo mostra nuances de som mais modernas e atualizadas, sem empolgar o ouvinte em momento algum; um ótimo riff de guitarra dá início à 'Live Forever', que logo ganha um andamento um pouco mais empolgante, sendo uma das melhores faixas do disco, ajudada pela forma na qual é cantada; 'Damage Soul' rebusca um pouco do que o grupo fez nos anos 70, mais especificamente entre 'Volume IV' e 'Sabotage', mas soa como se fosse crescer em algum momento que nunca chega, e isso em sete minutos; o disco fecha com 'Dear Father', que é uma boa faixa, apesar da falta de energia. Óbvio que existe a versão Deluxe do CD, com 'Methademic', 'Peace of Mind' e 'Pariah' como faixas-bônus, mas pelo que vimos e ouvimos até aqui, elas não teriam como salvar o disco, por melhor que elas sejam.

Desde anunciado, '13' estava causando frisson na maioria dos fãs da banda, ansiosos por seu lançamento, mas a audição mostra que todas as esperanças dos fãs do BLACK SABBATH dos anos 70, que sonharam com o retorno de Ozzy por 34 anos (estamos desconsiderando os shows de 1999 e o hiato em que ficaram deste ano até 2006, já que não lançaram nada de novo em termos musicais neste período) naufragaram miseravelmente. A velha Bruxa de Birmingham pode fazer melhor que isso, todos sabem disso.

Talvez se a banda se mantiver unida e disposta a mais um disco, com um outro produtor mais apropriado, possam lançar um disco que realmente faça justiça a seu passado, pois '13' apenas dá a impressão que o ciclo de Ozzy no BLACK SABBATH realmente foi fechado em 1979.

13 - Black Sabbath
(2013 - Universal - Importado)

Tracklist:
01. End of the Beginning
02. God Is Dead?
03. Loner
04. Zeitgeist
05. Age of Reason
06. Live Forever
07. Damaged Soul
08. Dear Father

Formação:
Ozzy Osbourne – Vocal
Tony Iommi – Guitarras
Geezer Butler – Baixo
Brad Wilk – Bateria

https://www.blacksabbath.com
https://www.facebook.com/BlackSabbath

5000 acessosQuer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Outras resenhas de 13 - Black Sabbath

4542 acessosBlack Sabbath: Se for o final, eles fecharam com chave de ouro2807 acessosBlack Sabbath: o bom e talvez último registro dos dinossauros2060 acessosBlack Sabbath: "13" é um disco muito bom e consistente5000 acessosBlack Sabbath: "estes dias estão próximos do fim!"2915 acessosBlack Sabbath: o melhor álbum diretamente relacionado à banda2339 acessosBlack Sabbath: depois de 20 anos, uma segunda primeira vez2415 acessosBlack Sabbath: "13" é pra se ouvir alto no som3911 acessosBlack Sabbath: provando que ainda são muito relevantes5000 acessosBlack Sabbath: um presente para os fãs que esperaram 34 anos5000 acessosBlack Sabbath: Um disco para se escutar em alto volume5000 acessosBlack Sabbath: não foi apenas um xarope antirreumático...5000 acessosBlack Sabbath: Um grande e inspirado trabalho5000 acessosBlack Sabbath: fiel às suas origens e ainda assim soando atual5000 acessosBlack Sabbath: firme, consistente e com a pegada da era Ozzy5000 acessosBlack Sabbath: Metal Hammer inglesa resenha 13 e se impressiona5000 acessosBlack Sabbath: primeira resenha completa do álbum "13"5000 acessosBlack Sabbath: primeira resenha do novo álbum, 13

InglaterraInglaterra
Político acusado de ser nazista por causa do Sabbath

0 acessosBlend Guitar: em vídeo, Top 10 Heavy Metal Bands1964 acessosZakk Sabbath: banda de Zakk Wylde lança EP em junho459 acessosArquivo KZG: Gastão Moreira entrevista o Black Sabbath em 1992598 acessosHeavy Lero: Black Sabbath na edição #100, por Gastão e Clemente0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Black Sabbath"

Black SabbathBlack Sabbath
12 bandas influenciadas pelos mestres nos detalhes

Tony IommiTony Iommi
Guitarrista é impotente e violento, diz Lita Ford

Melhores do metalMelhores do metal
Experts da MTV elegem Sabbath, Judas e Metallica

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Black Sabbath"

Duff McKaganDuff McKagan
Inspiração para cerveja Duff dos Simpsons?

NatalNatal
As impressões de Nergal, Dani Filth e Shagrath

MetallicaMetallica
Kirk Hammett admite que a banda pensou em demitir Lars Ulrich

5000 acessosOzzy Osbourne: "o morcego era quente e crocante"5000 acessosCharlie Brown Jr: Filho de Chorão conta sobre treta com Marcelo Camelo5000 acessosViva a diferença: como cada músico arranja sexo5000 acessosDuff McKagan: Pelado com a esposa em foto para a PETA5000 acessosCláudia Leite: musa do Axé adora Led Zeppelin e Iron Maiden5000 acessosRonnie James Dio: falando sobre Bossa Nova ao Estadão em 2006

Sobre Marcos Garcia

Marcos Garcia é Mestrando em Geofísica na área de Clima Espacial, Bacharel e Licenciado em Física, professor, escritor e apreciador de todas as subdivisões de Metal, tendo sempre carinho pelas bandas mais jovens e desconhecidas do público, e acredita no Underground como forma de cultura e educação alternativas. Ainda possui seu próprio blog, o Metal Samsara, e encara a vida pela máxima de Buda "esqueça o passado, não pense no futuro, concentre-se apenas no presente".

Mais matérias de Marcos Garcia no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online