RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas

imagemRoger Waters se defende, mas David Gilmour fica do lado da esposa e confirma tudo

imagemEm 1974, Raul Seixas explicava detalhes dos significados por trás da letra de "Gita"

imagemRodinha de mosh gigantesca em show do System of a Down viraliza e impressiona

imagemQuem ganhou e quem devia ter ganhado o Grammy de metal desde 1989, segundo Loudwire

imagemVeja o que esperar da turnê do Mayhem no Brasil

imagemJimmy Page diz não haver gênio no rock - mas um gênio fez ele se contradizer

imagemMegadeth é processado por artista que criou capa do último disco da banda

imagemAs 20 melhores músicas do Nightwish, em lista da Metal Hammer

imagemA reação de King Diamond ao ouvir Metallica tocando músicas do Mercyful Fate

imagemRússia pede para que Roger Waters fale com a ONU sobre a situação da Ucrânia

imagemA opinião de Humberto Gessinger sobre movimentos separatistas da região Sul do Brasil

imagemQuando Roberto Carlos foi alfinetado por Raul Seixas, mas o Rei gostou do que ouviu

imagemBruce Dickinson explica como cuida de sua voz

imagemIron Maiden está atrás de George Michael e Cyndi Lauper em votação do Rock Hall Of Fame

imagemO ponto fraco de Yngwie Malmsteen segundo Ronnie James Dio, em 1985


Def Leppard Motley Crue 2

Black Sabbath: Metal Hammer inglesa resenha 13 e se impressiona

Resenha - 13 - Black Sabbath

Por Nacho Belgrande
Fonte: Playa Del Nacho
Postado em 28 de maio de 2013

Por GEOFF BARTON para a METAL HAMMER inglesa

O Heavy Metal passou por incalculáveis mudanças desde 1978, quando o BLACK SABBATH lançou seu último álbum de estúdio com Ozzy Osbourne nos vocais. Intitulado "Never Say Die!", esse que vos escreve esteve presente às sessões de mixagem. As fitas eram reproduzidas a um volume tão terrivelmente alto que Ozzy fora forçado a deixar a sala – e naquela ocasião aquilo soava como a melhor coisa que eles já tinham feito.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Essa opinião veio abaixo quando o álbum foi lançado, mas isso é outra historia...

O Sabbath pode ser o pai fundador do metal, nas não havia como eles terem previsto como a cena se desenvolveria – melhor dizer ‘passaria por mutações’ – ao longo das décadas. Dada a intensidade da cena moderna, a decisão deles de se reunir com três quartos de sua formação ‘clássica’ é no máximo, ambiciosa, e no mínimo, mal-orientada.

Ouvindo as duas primeiras faixas em "13", fica claro que a herança deles pesa muito na cabeça deles. "The End of the Beginning" é uma abertura curiosamente modesta, com o verso ‘Rewind the future to the past’ destacando a dificuldade que o Sabbath encara ao tentar recapturar as glórias das antigas. A seguir, "God Is Dead?" faz o seu melhor para replicar a devastação de outrora. Mas, de algum modo, é como uma Xerox ruim;

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

E daí então algo – sabe lá Deus o quê, poderia ter sido o momento quando Ozzy voltou a enfiar o pé na jaca – acontece. "Loner" chega e traz o primeiro e legítimo arrepio na espinha do disco. É repleta de uma levada ameaçadora: tem aquele groove arquétipo, Tem até Ozzy vociferando "Alright Now!" como ele fizera em "Sweet Leaf" em 1971. Puta que o pariu. E melhora. "Zeitgeist", uma derivada sonora de "Planet Caravan", fornece uma deliciosa mudança de ritmo antes de "Age Of Reason" enfiar um machado no seu cu. Tony Iommi arregaça com um solo de clima sinuoso e ameaçador e o baixo de Geezer Butler vibrando como o começo de um terremoto.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"Live Forever" mantém a intensidade, e em seguida "Damaged Souls" ergue a barra. Essa é uma faixa de destaque em ‘13’: uma dose generosa e letal de blues doom, soa como se tivesse sido concebida à meia-noite em uma garagem em Solihull depois de um dia no matadouro. Ozzy entra sozinho, soprando a gaita e invocando Sabbathismos clássicos: ‘Dying is easy – it’s living that’s hard’ e ‘I’m losing the battle between Satan and God. The cataract of darkness forms fully. The long black night begins… ’

O título piegas de "Dear Father" disfarça seu conto de vingança contra um pai abusivo. A entorpecida "Methademic" tem suas raízes em "Snow Blind" de "Vol. 4", enquanto "Peace of Mind" é ilustrada pelo lado ator de Ozzy, o que resulta em um belo efeito. E se você ouvir atenciosamente a "Pariah", você pode ouvir às falanges plásticas de Iommi roçando nas cordas: pode não ser perfeito, mas é um elemento-assinatura do som do Sabbath.

Cagadas? Não tem Bill Ward. O baterista substituto, Brad Wilk, é meio firuleiro e não tem aquele feeling. Do mesmo modo que Rick Rubin não é nenhum Rodger Brain: a produção poderia ser muito mais primitiva. E, com uma duração de quase 70 minutos na edição de luxo, o álbum é longo demais.

Ainda assim, esse retorno é melhor do que qualquer um poderia esperar.

Uma certa banda-paródia pode ter amplificadores que vão até o 11, mas os do Sabbath vão até 13.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal


Outras resenhas de 13 - Black Sabbath

Resenha - 13 - Black Sabbath

Resenha - 13 - Black Sabbath

Resenha - 13 - Black Sabbath

Resenha - 13 - Black Sabbath

Resenha - 13 - Black Sabbath

Resenha - 13 - Black Sabbath

Resenha - 13 - Black Sabbath

Resenha - 13 - Black Sabbath

Resenha - 13 - Black Sabbath

Resenha - 13 - Black Sabbath

Resenha - 13 - Black Sabbath

Resenha - 13 - Black Sabbath

Resenha - 13 - Black Sabbath

Resenha - 13 - Black Sabbath

Resenha - 13 - Black Sabbath

Resenha - 13 - Black Sabbath

Resenha - 13 - Black Sabbath

Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:

Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps


Stamp


publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sobre Nacho Belgrande

Nacho Belgrande foi desde 2004 um dos colaboradores mais lidos do Whiplash.Net. Faleceu no dia 2 de novembro de 2016, vítima de um infarte fulminante. Era extremamente reservado e poucos o conheciam pessoalmente. Estes poucos invariavelmente comentam o quanto era uma pessoa encantadora, ao contrário da persona irascível que encarnou na Internet para irritar tantos mas divertir tantos mais. Por este motivo muitos nunca acreditarão em sua morte. Ele ficaria feliz em saber que até sua morte foi motivo de discórdia e teorias conspiratórias. Mandou bem até o final, Nacho! Valeu! :-)
Mais matérias de Nacho Belgrande.