RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas

imagemOs 10 maiores vocalistas de heavy metal de todos os tempos, em lista do Ruthless Metal

imagemA música de Raul Seixas que salvou a carreira de Chitãozinho e Xororó

imagemComo Tommy Lee e o Mötley Crüe ajudaram Axl Rose a escrever "November Rain"

imagemEx-guitarrista do Megadeth não liga para Mustaine e diz que está "fazendo dinheiro para ele"

imagemQual era a opinião de Tony Iommi sobre Ozzy Osbourne solo e Randy Rhoads em 1984?

imagemOs 10 maiores álbuns da história do grunge, em lista do Brave Words

imagemO Raul Seixas não era nada daquilo que ele falava, diz ex-parceiro musical

imagemPor que Lemmy odiava tocar "Ace of Spades" nos shows do Motörhead

imagemSlash se sente feliz por não existir internet nos primórdios do Guns N' Roses

imagemPaul McCartney quase foi atropelado ao tentar recriar famosa cena de capa de disco

imagemO hit dos Beatles que talvez seja sobre drogas e que "Jesus" acompanhou gravação

imagemO brasileiro com a voz parecida com a de Axl Rose que viralizou no TikTok

imagemPara John Lennon, os Beatles poderiam ter acontecido sem George e Ringo

imagemQuatro músicas de artistas brasileiros que citam Os Paralamas do Sucesso

imagemOmelete diz que heavy metal pertence agora à nova geração e não ao tiozão headbanger


Black Sabbath: fiel às suas origens e ainda assim soando atual

Resenha - 13 - Black Sabbath

Por Otávio Augusto Juliano
Postado em 03 de junho de 2013

O que esperar de um álbum de uma banda que é considerada pioneira no Heavy Metal? Certamente algo pesado e marcante que não passará despercebido pela crítica especializada, meios de comunicação em geral, fãs etc. "13" chega ao mercado somente dia 11 de junho, mas tivemos acesso ao conteúdo do álbum em um evento de divulgação realizado pela gravadora Universal.

Leia uma outra resenha no link abaixo.

Resenha - 13 - Black Sabbath

BLACK SABBATH é a referência não só para praticamente todos os fãs de Metal, mas também para as bandas do gênero, que foram influenciadas pelo som pesado e distorcido criado por esses ingleses a partir de 1968.

Com 3/4 da formação original, o BLACK SABBATH apresenta agora "13", o primeiro álbum com Ozzy Osbourne no vocal desde "Never Say Die", lançado em 1978. Trinta e cinco anos se passaram e muita coisa aconteceu na história dessa banda e do Heavy Metal em geral.

Ainda que a produção dos discos tenha se modernizado e o Heavy Metal mudado bastante, em "13", o BLACK SABBATH consegue se manter fiel às suas origens e ainda assim soar atual. É SABBATH soando como SABBATH, apesar da sentida falta de Bill Ward, que não topou gravar o disco.

Ouvimos o álbum uma única vez, na íntegra, faixa a faixa. As impressões de cada canção são as seguintes:

"End of the Beginning"

A música de abertura é a segunda mais longa do álbum. Remete o ouvinte à faixa "Black Sabbath", do primeiro disco lançado pela banda, devido ao começo lento e esticado até acelerar e nos apresentar a clássica distorção de guitarra de Iommi. Ainda que comece arrastada, engrena e agrada.

"God is Dead?"

É a canção que já está na "boca do povo". Lançada como single e disponível para audição na Internet, é a mais longa do disco. As linhas de baixo impressionam e é uma faixa que não demora a engrenar, mas varia bastante de cadência nos seus quase 9 minutos de duração. Dispensa maiores comentários, pois você leitor, que agora lê este texto, certamente já a ouviu. De qualquer forma, posso garantir que há canções bem melhores em "13".

"Loner"

Tem uma linha mais Rock n’ Roll e até mesmo Hard Rock e é o que a mídia adora chamar de "faixa mais comercial" do álbum. Traz uma sonoridade atual e um ritmo que vicia, com bastante distorção nos riffs e solos de Iommi.

"Zeitgeist"

Embora não seja nada de inovador, pois lembra bastante a canção "Planet Caravan", do álbum "Paranoid" (1970), "Zeitgesit" é um dos pontos altos de "13". Traz percussão e violão e é aquela faixa para se ouvir de luz apagada, viajando na sua melodia psicodélica. No meio um solo de blues incrível, como se fosse um encontro de B.B. KING e SABBATH.

"Age of Reason"

É talvez a faixa mais pesada do disco, com presença marcante do baixo e bateria ditando a levada cadenciada da música. Como é característica do BLACK SABBATH dos anos 70, tem muitas mudanças de direção, variando de velocidade.

"Live Forever"

Ao lado de "Loner", é outra que se poderia chamar de "mais comercial". Apresenta uma levada muito legal e é quase impossível não balançar a cabeça ao ouvi-la.

"Damaged Soul"

Juntamente com "Zeitgeist", considero outro destaque de "13". Uma aula de guitarra de Iommi, com lindos riffs e solos, sendo um deles um blues incrível, com uma parte em que só se ouve o som das seis cordas. A faixa se prolonga até quase 8 minutos e termina acelerada pela guitarra de Iommi. Sem ter acesso ao álbum para ouvi-lo novamente, é uma canção que não vejo a hora de ouvir uma segunda vez.

[an error occurred while processing this directive]

"Dear Father"

Começa depressiva e ganha peso alguns minutos depois. No curso de sua execução se vê uma mudança de direção e passa a acelerar, tendo por trás a forte presença do baixo de Butler. Por vezes agita mais e retorna à cadência inicial, terminando ao som de trovões e chuva, em clara remissão à faixa de abertura do primeiro disco homônimo da banda, a "Black Sabbath", que também traz no começo o barulho de chuva e trovoadas. Fecha a trinca de destaques do disco.

Essas foram as impressões de uma primeira é, até agora, única audição do álbum "13". Independentemente das críticas que vier a receber, "13" já chega às lojas como um marco na música, por ser um lançamento do BLACK SABBATH, a banda que se confunde com a própria história do Heavy Metal.

[an error occurred while processing this directive]

A produção ficou a cargo de Rick Rubin e o CD será lançado em versão normal e edição Deluxe, com três faixas adicionais, inclusive no Brasil. É esperar para ver e ouvir.

Nacional – Universal Music

Banda:
Ozzy Osbourne – vocal
Tony Iommi – guitarra
Geezer Butler – baixo
Brad Wilk – bateria

Track List:

1. "End of the Beginning" (8:07)
2. "God is Dead?" (8:55)
3. "Loner" (5:00)
4. "Zeitgeist" (4:37)
5. "Age of Reason" (7:00)
6. "Live Forever" (4:46)
7. "Damaged Soul" (7:51)
8. "Dear Father" (7:20)

[an error occurred while processing this directive]


Outras resenhas de 13 - Black Sabbath

Resenha - 13 - Black Sabbath

Resenha - 13 - Black Sabbath

Resenha - 13 - Black Sabbath

Resenha - 13 - Black Sabbath

Resenha - 13 - Black Sabbath

Resenha - 13 - Black Sabbath

Resenha - 13 - Black Sabbath

Resenha - 13 - Black Sabbath

Resenha - 13 - Black Sabbath

Resenha - 13 - Black Sabbath

Resenha - 13 - Black Sabbath

Resenha - 13 - Black Sabbath

Resenha - 13 - Black Sabbath

Resenha - 13 - Black Sabbath

Resenha - 13 - Black Sabbath

Resenha - 13 - Black Sabbath

Resenha - 13 - Black Sabbath

Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:
Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps


Stamp


publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sobre Otávio Augusto Juliano

Otávio é paulistano, tem 29 anos e faz algo nada a ver com o Rock: é advogado. Por gostar muito de música e não possuir talento algum para tocar instrumentos musicais, tornou-se um comprador compulsivo de cds. Sempre interessado em leitura ligada ao Rock e Metal, começou a enviar algumas pequenas colaborações para a Whiplash e hoje contribui principalmente com textos relacionados ao Hard Rock, estilo musical de sua preferência. De qualquer forma, é eclético e não dispensa álbuns de todas as demais vertentes do Metal, sendo fã incondicional de W.A.S.P., Mötley Crüe e dos trabalhos do guitarrista Steve Stevens.
Mais matérias de Otávio Augusto Juliano.