RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas


Stamp

Pink Floyd: livrando-se da amarras da criatividade de Syd Barret

Resenha - Atom Heart Mother - Pink Floyd

Por Flávio Siqueira
Postado em 28 de janeiro de 2013

Quando eu estava começando a ouvir Pink Floyd, naquela fase melancólica que antecede a adolescência, na qual tem-se a sensação de que tudo conspira contra você, eu me referia ao álbum "Atom Heart Mother" como "aquele disco da vaca". A capa, aliás, é clássica, nada mais nada menos que uma vaca: a famosa Lulubelle III, encontrada numa fazenda no interior da Inglaterra. Os Pink Floyd sabiam ser emblemáticos no que concerne à parte visual da banda. É um excelente álbum, com ótimas músicas. No entanto, Roger Waters e David Gilmour sempre criticaram este disco. O guitarrista da banda inclusive disse, numa entrevista, que acha o "Atom Heart is a totally crap" (uma total porcaria). Waters, que desde que saiu da banda, vive em pé de guerra com Gilmour, parecia mais humilde quando produziu esse disco com a banda.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - TAB 1

Em "Atom Heart Mother", a banda estava numa fase de transição, livrando-se da amarras da criatividade de Syd Barret, e dando lugar ao vocal melodioso e às primorosas linhas de guitarra de Gilmour — nos álbuns anteriores, Gilmour mais parecia um cover de Barret; foi em "Atom Heart Mother" que ele começou a expor sua verdadeira identidade musical. Era também uma fase democrática, na qual todos colaboravam com composições. Foi um dos raros momentos na carreira do Pink Floyd em que Richard Wright soltou a voz, na antológica faixa "Summer 68'". Sinceramente, sempre achei Wright uma peça fundamental no som floydiano, e nessa época era ele quem mais entendia de música, tecnicamente falando. Wright era subestimando, tal qual George Harrison era nos Beatles (não gosto de Beatles, mas aprecio bastante o trabalho solo de Harrison).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - TAB 2

Lembro-me da primeira que ouvi a faixa-título: "Atom Heart Mother Suite". Naturalmente, senti-me angustiado; essa música tem um clima sombrio, que fica mais intenso com a entrada dos metais, juntamente com os pequenos solos de Gilmour. A segunda faixa, "If", é uma canção belíssima, daquelas que nos fazem refletir sobre a vida. Waters canta muito bem, acompanhando de um violão: "se eu enlouquecer, por favor não ponha seus arames no meu cérebro". Em "Summer 68'", a minha segunda música preferida do álbum, gostei do vocal do Wright: um timbre agradável e um considerável alcance vocal. "Fat Old Sun" é a minha preferida. Sou suspeito para falar, pois como músico (ou apenas alguém que sonha em sê-lo), admiro Gilmour profundamente, e convenhamos: em "Fat Old Sun" o vocal dele está perfeito, e o solo ao final da canção está, em minha opinião, entre os melhores que ele já compôs: quem entende de música, sabe que melodicamente é um solo muito bem construído.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - TAB 3

A última faixa, "Alan's Psychedelic Breakfast", é um lindo instrumental, com sons de "Alan" ao fundo, preparando o café da manhã. Fico maravilhado com a criatividade do Gilmour em compor músicas sem se preocupar em "fritar os dedos", tal qual Jimmy Page fazia nessa época, "sentando a mão" em solos rápidos, como em "Since I've Loving You" e "I Can Quit You Baby". Gilmour, aliás, nunca se atentou à velocidade da música, sempre se focou no feeling, aspecto que falta a muitos guitarristas atualmente. Em suma, "Atom Heart Mother" é um disco memorável daquela que, em minha opinião, é a melhor banda do mundo. Musicalmente falando, tive fases bastante felizes na adolescência, época em que comecei a estudar guitarra e estava descobrindo o universo do rock and roll. Ouvir "Atom Heart Mother" naquela época valia mais do que mil sessões de yoga ou qualquer outro tipo de relaxamento — quanta nostalgia! A mim, o "disco da vaca" soa "totally wonderful". Quando tive certos devaneios, o que é bastante comum na adolescência (fato!), o "The Wall" invadiu minha vida violentamente, com todas aquelas significações e delírios musicais. Mas isso é uma história.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - TAB 4

Outras resenhas de Atom Heart Mother - Pink Floyd

Resenha - Atom Heart Mother - Pink Floyd

Pink Floyd: Como começou um amor intenso pela banda

Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:

Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps


Summer Breeze 2024

Stratosphere Project: O eco estrondoso da Via-Láctea fundindo-se nas dimensões ocultas

Perc3ption: A arte em situações extremas

"Here Comes The Rain", último registro do Magnum com Tony Clarkin, é mais um bom registro

Resenha - Nebro - Vesperaseth

Sepultura: Em plena forma e com mais um disco brilhante

Deep Purple: Who Do We Think We Are é um álbum injustiçado?

Deep Purple: Stormbringer é um álbum injustiçado?

Megadeth: recuperando a fúria que faltava


publicidadeAdriano Lourenço Barbosa | Airton Lopes | Alexandre Faria Abelleira | Alexandre Sampaio | André Frederico | Ary César Coelho Luz Silva | Assuires Vieira da Silva Junior | Bergrock Ferreira | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Alexandre da Silva Neto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cláudia Falci | Danilo Melo | Dymm Productions and Management | Efrem Maranhao Filho | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Fabio Henrique Lopes Collet e Silva | Filipe Matzembacker | Flávio dos Santos Cardoso | Frederico Holanda | Gabriel Fenili | George Morcerf | Henrique Haag Ribacki | Jesse Alves da Silva | João Alexandre Dantas | João Orlando Arantes Santana | Jorge Alexandre Nogueira Santos | José Patrick de Souza | Juvenal G. Junior | Leonardo Felipe Amorim | Luan Lima | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Marcus Vieira | Maurício Gioachini | Mauricio Nuno Santos | Odair de Abreu Lima | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Ricardo Cunha | Richard Malheiros | Sergio Luis Anaga | Silvia Gomes de Lima | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Victor Adriel | Victor Jose Camara | Vinicius Valter de Lemos | Walter Armellei Junior | Williams Ricardo Almeida de Oliveira | Yria Freitas Tandel |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sobre Flávio Siqueira

Nascido e criado em Brasília, aos 14 anos pegou emprestado um "The Best of" do Pink Floyd. O choque foi tão grande que resolveu aprender guitarra somente para executar o solo de "Time". De lá pra cá vem estudando guitarra e apreciando bandas de stoner, grunge e rock progressivo, além de muito blues e algumas coisas de jazz e música erudita. Atualmente toca guitarra numa banda que mescla influências de stoner, grunge e uma pitada de rock psicodélico.
Mais matérias de Flávio Siqueira.

 
 
 
 

RECEBA NOVIDADES SOBRE
ROCK E HEAVY METAL
NO WHATSAPP
ANUNCIAR NESTE SITE COM
MAIS DE 4 MILHÕES DE
VIEWS POR MÊS