Pink Floyd: livrando-se da amarras da criatividade de Syd Barret

Resenha - Atom Heart Mother - Pink Floyd

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Flávio Siqueira
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Quando eu estava começando a ouvir Pink Floyd, naquela fase melancólica que antecede a adolescência, na qual tem-se a sensação de que tudo conspira contra você, eu me referia ao álbum "Atom Heart Mother" como "aquele disco da vaca". A capa, aliás, é clássica, nada mais nada menos que uma vaca: a famosa Lulubelle III, encontrada numa fazenda no interior da Inglaterra. Os Pink Floyd sabiam ser emblemáticos no que concerne à parte visual da banda. É um excelente álbum, com ótimas músicas. No entanto, Roger Waters e David Gilmour sempre criticaram este disco. O guitarrista da banda inclusive disse, numa entrevista, que acha o "Atom Heart is a totally crap" (uma total porcaria). Waters, que desde que saiu da banda, vive em pé de guerra com Gilmour, parecia mais humilde quando produziu esse disco com a banda.
3833 acessosPink Floyd: Polenguinho criticada por promover ideologia de gênero5000 acessosQueen: 10 coisas que você não sabe sobre Bohemian Rhapsody

Em "Atom Heart Mother", a banda estava numa fase de transição, livrando-se da amarras da criatividade de Syd Barret, e dando lugar ao vocal melodioso e às primorosas linhas de guitarra de Gilmour — nos álbuns anteriores, Gilmour mais parecia um cover de Barret; foi em "Atom Heart Mother" que ele começou a expor sua verdadeira identidade musical. Era também uma fase democrática, na qual todos colaboravam com composições. Foi um dos raros momentos na carreira do Pink Floyd em que Richard Wright soltou a voz, na antológica faixa "Summer 68'". Sinceramente, sempre achei Wright uma peça fundamental no som floydiano, e nessa época era ele quem mais entendia de música, tecnicamente falando. Wright era subestimando, tal qual George Harrison era nos Beatles (não gosto de Beatles, mas aprecio bastante o trabalho solo de Harrison).

Lembro-me da primeira que ouvi a faixa-título: "Atom Heart Mother Suite". Naturalmente, senti-me angustiado; essa música tem um clima sombrio, que fica mais intenso com a entrada dos metais, juntamente com os pequenos solos de Gilmour. A segunda faixa, "If", é uma canção belíssima, daquelas que nos fazem refletir sobre a vida. Waters canta muito bem, acompanhando de um violão: "se eu enlouquecer, por favor não ponha seus arames no meu cérebro". Em "Summer 68'", a minha segunda música preferida do álbum, gostei do vocal do Wright: um timbre agradável e um considerável alcance vocal. "Fat Old Sun" é a minha preferida. Sou suspeito para falar, pois como músico (ou apenas alguém que sonha em sê-lo), admiro Gilmour profundamente, e convenhamos: em "Fat Old Sun" o vocal dele está perfeito, e o solo ao final da canção está, em minha opinião, entre os melhores que ele já compôs: quem entende de música, sabe que melodicamente é um solo muito bem construído.

A última faixa, "Alan's Psychedelic Breakfast", é um lindo instrumental, com sons de "Alan" ao fundo, preparando o café da manhã. Fico maravilhado com a criatividade do Gilmour em compor músicas sem se preocupar em "fritar os dedos", tal qual Jimmy Page fazia nessa época, "sentando a mão" em solos rápidos, como em "Since I've Loving You" e "I Can Quit You Baby". Gilmour, aliás, nunca se atentou à velocidade da música, sempre se focou no feeling, aspecto que falta a muitos guitarristas atualmente. Em suma, "Atom Heart Mother" é um disco memorável daquela que, em minha opinião, é a melhor banda do mundo. Musicalmente falando, tive fases bastante felizes na adolescência, época em que comecei a estudar guitarra e estava descobrindo o universo do rock and roll. Ouvir "Atom Heart Mother" naquela época valia mais do que mil sessões de yoga ou qualquer outro tipo de relaxamento — quanta nostalgia! A mim, o "disco da vaca" soa "totally wonderful". Quando tive certos devaneios, o que é bastante comum na adolescência (fato!), o "The Wall" invadiu minha vida violentamente, com todas aquelas significações e delírios musicais. Mas isso é uma história.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de Atom Heart Mother - Pink Floyd

5000 acessosResenha - Atom Heart Mother - Pink Floyd5000 acessosTradução - Atom Heart Mother - Pink Floyd


Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 28 de janeiro de 2013


Pink FloydPink Floyd
Polenguinho criticada por promover ideologia de gênero

926 acessosClassic Rock: edição especial com os 100 melhores discos1406 acessosPink Floyd: relançamentos de dois álbuns0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Pink Floyd"

Alta FidelidadeAlta Fidelidade
As cinco melhores óperas rock

Pink FloydPink Floyd
O maior concerto de rock já produzido

Dream TheaterDream Theater
10 dos melhores covers tocados pela banda

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Pink Floyd"


QueenQueen
10 coisas que você não sabe sobre Bohemian Rhapsody

Collectors RoomCollectors Room
A coleção de cerca de vinte mil títulos de Kid Vinil

Lemmy KilmisterLemmy Kilmister
"Estou pronto para morrer. Minha vida foi boa"

5000 acessosMulheres: 10 músicas que ajudarão a conquistá-las5000 acessosEurope: toco de Lemmy, pito de Freddie, mijada com Axl Rose5000 acessosBruce Dickinson: ouça o alcance vocal do vocalista5000 acessosRock in Rio: vocalista do The Who chamou Axl Rose de karaokê no AC/DC5000 acessosNirvana e Iron Maiden: Kurt Cobain era fã da Donzela de Ferro5000 acessosCervejas de bandas: Como elas se saem em ranking de site especializado?

Sobre Flávio Siqueira

Nascido e criado em Brasília, aos 14 anos pegou emprestado um "The Best of" do Pink Floyd. O choque foi tão grande que resolveu aprender guitarra somente para executar o solo de "Time". De lá pra cá vem estudando guitarra e apreciando bandas de stoner, grunge e rock progressivo, além de muito blues e algumas coisas de jazz e música erudita. Atualmente toca guitarra numa banda que mescla influências de stoner, grunge e uma pitada de rock psicodélico.

Mais matérias de Flávio Siqueira no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em junho: 1.119.872 visitantes, 2.427.684 visitas, 5.635.845 pageviews.

Usuários online