Kiss: intenso, coeso e divertido até dizer chega

Resenha - Monster - Kiss

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Thiago El Cid Cardim
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Gene Simmons tomou a decisão mais acertada do mundo ao assumir-se de vez como o principal porta-voz do Kiss, dando entrevistas pra lá e pra cá e disparando suas frases polêmicas para alimentar a mídia – enquanto a produção musical fica a cargo de seu eterno parceiro, Paul Stanley. Assim como aconteceu com o ótimo “Sonic Boom”, de 2009, o recém-lançado “Monster” tem a marca da mão forte e segura de Stanley no papel de produtor, resultando em um disco intenso, coeso e que é divertido até dizer chega, exatamente como se espera de um (bom) disco do Kiss.
3757 acessosPaul Stanley: "guitarristas não aprendem a fazer base"5000 acessosAs regras do Thrash Metal

“Monster” é básico, sem firulas, sem frescuras e sem rodeios, como seu antecessor. É um álbum que depende apenas de vocal, guitarra, baixo e bateria – esqueçam efeitos eletrônicos, explosões, corais e demais maneirismos que, agora, o Kiss prefere reservar apenas para o palco. Aqui, o papo são doze faixas energéticas, fortes, simplesmente roqueiras, sem espaço para baladas. É rock n’roll atrás de rock ‘n roll, até o fim. Com um detalhe: “Monster” é “Sonic Boom” ainda mais pesado, com mais e mais excelentes riffs, numa espécie de retorno à sonoridade mais setentista do quarteto, deixando os anos 80 celebrados pelo disco anterior um tanto de lado.

A abertura do disco, ao som do petardo “Hell or Hallelujah”, já diz a que veio “Monster”. Uma envolvente levada de guitarra estradeira, enquanto Stanley entoa “No matter what you do, I'm running through ya'”, dá o tom de uma canção feita na medida certa para ser executada em pleno palco. Aliás, hinos não faltam por aqui. “All For The Love of Rock ‘n Roll”, com a voz do baterista Eric Singer, tem o mesmo DNA do clássico absoluto “Rock ‘n Roll All Nite”, celebrando uma vida roqueira com um refrão delicioso, ganchudo e que não dá para evitar sair cantarolando. O mesmo acontece quando o guitarrista Tommy Thayer assume o microfone e presta um tributo ao seu personagem, o Spaceman, em “Outta This World” – não por acaso, a faixa na qual ele tem mais espaço para solar no seu instrumento. Aliás, é preciso dizer: “Monster” é a prova clara de que ambos, Singer e Thayer, já não são mais meros coadjuvantes, mas sim parte integrante da família Kiss. Devidamente integrados.

Do lado “Gene Simmons” da força, a coisa também funciona como uma sinfonia. Do grave violento do baixo que abre a porradeira “Back to the Stone Age” até o tema do homem lutando com seus próprios pecados em “The Devil In Me”, passando pela melodia sacana de “Eat Your Heart Out”, o demônio de língua grande está absolutamente em casa, jogando o jogo que mais gosta e no qual está confortável.

Não dá para dizer que “Monster” é um clássico do mesmo naipe que um “Destroyer” ou “Rock and Roll Over”. “Monster” não vai mudar o mundo. Mas é um lançamento que faz jus à discografia destes sujeitos, é bom que se diga. Para um moleque, fã recente de rock ‘n roll e que acabe conhecendo a banda hoje por meio de seu álbum mais recente, pode servir como uma boa introdução para que ele escale e descubra o restante dos seus trabalhos.

É o mais puro Kiss, transbordando energia e paixão e dialogando tranquilamente com seu passado, mas sem deixar de mostrar que, no futuro, os mascarados ainda têm muita lenha para queimar. Gene Simmons, continue falando. Não pare de falar. E deixe a segurança da produção de Paul Stanley continuar dando o tom. A fórmula está dando mais do que certo. A casa agradece.

Tracklist:
1 - Hell Or Hallelujah
2 - Wall Of Sound
3 - Freak
4 - Back To The Stone Age
5 - Shout Mercy
6 - Long Way Down
7 - Eat Your Heart Out
8 - The Devil Is Me
9 - Outta This World
10 - All For The Love Of Rock & Roll
11 - Take Me Down Below
12 - Last Chance

Line-up:
Paul Stanley – Vocal e Guitarra
Gene Simmons – Vocal e Baixo
Tommy Thayer – Guitarra
Eric Singer – Bateria

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de Monster - Kiss

3264 acessosKiss: vale a pena investir cada centavo!4297 acessosKiss: grande sopa de influências dos anos 60 e 702796 acessosKiss: transbordando vitalidade e rock n' roll2693 acessosKiss: fez a alegria dos fãs de todas as fases da banda2960 acessosKiss: como sempre, os mascarados não decepcionaram2341 acessosKiss: aguardado por todos os soldados mais fiéis5000 acessosKiss: "Monster" é o melhor disco da banda em 21 anos5000 acessosKiss: Com "Monster" banda mostra que ainda é relevante

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Paul StanleyPaul Stanley
"Guitarristas não aprendem a fazer base"

457 acessosAce Frehley: "Anomaly" ganha versão deluxe; ouça música inédita749 acessosKiss: bicicleta de triathlon em edição limitada0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Kiss"

Heavy MetalHeavy Metal
10 vídeos involuntariamente engraçados

KissKiss
15 bandas que abriram shows deles e se tornaram famosos

Hard RockHard Rock
Os melhores álbuns de 1970 até 2016

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Kiss"

HumorHumor
Não basta ouvir Master Of Puppets para ser Thrash

Fotos de infânciaFotos de infância
Angela Gossow, do Arch Enemy, muito antes da fama

VH1VH1
As 100 melhores músicas de hard rock

5000 acessosCourtney Love: ajudando a resolver os maiores mistérios do mundo5000 acessosSexo e Satã: as mensagens subliminares em capas de Rock / Metal5000 acessosRockstars: as esposas mais lindas do rock - 1ª parte5000 acessosMetal Extremo: os logos mais ilegíveis já criados5000 acessosMetallica: Robert Trujillo conta como entrou para a banda5000 acessosUltimate Guitar: as 21 músicas mais épicas de todos os tempos

Sobre Thiago El Cid Cardim

Thiago Cardim é publicitário e jornalista. Nerd convicto, louco por cinema, séries de TV e histórias em quadrinhos. Vegetariano por opção, banger de coração, marvete de carteirinha. É apaixonado por Queen e Blind Guardian. Mas também adora Iron Maiden, Judas Priest, Aerosmith, Kiss, Anthrax, Stratovarius, Edguy, Kamelot, Manowar, Rhapsody, Mötley Crüe, Europe, Scorpions, Sebastian Bach, Michael Kiske, Jeff Scott Soto, System of a Down, The Darkness e mais uma porrada de coisas. Dentre os nacionais, curte Velhas Virgens, Ultraje a Rigor, Camisa de Vênus, Matanza, Sepultura, Tuatha de Danaan, Tubaína, Ira! e Premê. Escreve seus desatinos sobre música, cinema e quadrinhos no www.observatorionerd.com.br e no www.twitter.com/thiagocardim.

Mais informações sobre Thiago El Cid Cardim

Mais matérias de Thiago El Cid Cardim no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online