RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas


Summer Breeze 2024

Resenha - Final Tour - Shadows

Por Nelson Endebo
Postado em 07 de junho de 2005

Há muito tempo atrás, houve uma época em que os Beatles nem existiam e a música pop como a conhecemos ainda engatinhava. Nos Estados Unidos, Elvis Presley fazia com maestria o papel de mocinho bandido, levando a sensualidade e a libido às raias da discussão pública e no cerne da instituição familiar americana. Havia uma revolução se instalando e nada poderia detê-la. Do outro lado do Atlântico, um sujeito falastrão chamado Cliff Richard servia à mídia como espécie de Elvis inglês. Cliff fez imenso sucesso na ilha da Rainha; sua banda, reconhecida pela competência instrumental, chamava-se The Drifters (depois The Shadows), verdadeiros heróis locais. O tempo corria e os Sombras se situavam nos ensolarados anos 50-quase 60, um sonho em que garotas de bikini, carrões e penteados ousados se agregavam no ideal juvenil. Gravando canções de lavra própria e também de outros compositores em versões quase sempre instrumentais, tornaram-se alvo de comparações com gente como os americaníssimos Dick Dale, Link Wray e os Ventures, artistas-molde da surf music – surfista inglês? -, o que, musicalmente falando, se traduz no remelexo irresistível do rock n’roll (expressão que define um bamboleio, não uma ideologia).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - TAB 1

Com uma carreira permeada por altos e baixos, os Shadows influenciaram gente de todas as searas; Tony Iommi disse, certa vez, que começou a tocar por causa de Hank Marvin; Mark Knopfler não cansava de colocar o trio entre seus grupos favoritos; até Trey Spruance, do Mr. Bungle, já furou seus compactos em busca de referências. "The Final Tour" é, como o nome diz, o registro da última turnê da banda, após um hiato de quinze anos sem tocarem juntos. O CD duplo é essencial para quem gosta de rock e providencial para quem não conhece a obra de Marvin, Bruce Welch (guitarra) e Brian Bennett (bateria), uma vez que não há lançamento nacional de disco algum deles. Há desde clássicos absolutos como "Riders In The Sky", "Theme For Young Lovers", "Geronimo", "The Rise And Fall Of Flingel Bunt" e "Apache" até pepitas menores, como "Guitar Tango", "Little B", versões para temas de cinema, como "Going Home", que Mark Knopfler escreveu para o filme "Local Hero", e preciosidades pinçadas do vasto cancioneiro norte-americano, como "Don’t Cry For Me Argentina", de Andrew Lloyd- Webber e Tim Rice, sobrando espaço até para uma releitura de Jean-Michel Jarre, "Equinoxe V". Auxiliados pelos excelentes Mark Griffith (baixo) e Cliff Hall (teclados), a banda promete e cumpre em duas horas de celebração à música. Quarenta e duas faixas (isso mesmo!) em que a própria história do rock ganha uma releitura necessária à sensibilidade das novas gerações.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - TAB 2

"The Final Tour" é essencial para se entender a evolução do chamado rock instrumental. E não se espante se chegar à conclusão de que os primórdios oferecem desafios mais intensos e interessantes do que a modorrenta "música para guitarra" dos imorais tempos pós-modernos. Nesse sentido, os Sombras deixam à sua sombra os "experimentais", "técnicos" e "inventivos" guitarristas de hoje, cuja existência pressupõe toda a teoria em detrimento da prática. The Shadows é uma Banda. Pode apostar.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - TAB 3

Outras resenhas de Final Tour - Shadows

Resenha - Final Tour - Shadows

Resenha - Final Tour - Shadows

Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:

Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps


Stamp

Stratosphere Project: O eco estrondoso da Via-Láctea fundindo-se nas dimensões ocultas

Perc3ption: A arte em situações extremas

"Here Comes The Rain", último registro do Magnum com Tony Clarkin, é mais um bom registro

Resenha - Nebro - Vesperaseth

Sepultura: Em plena forma e com mais um disco brilhante

Deep Purple: Who Do We Think We Are é um álbum injustiçado?

Deep Purple: Stormbringer é um álbum injustiçado?

Megadeth: recuperando a fúria que faltava


publicidadeAdriano Lourenço Barbosa | Airton Lopes | Alexandre Faria Abelleira | Alexandre Sampaio | André Frederico | Ary César Coelho Luz Silva | Assuires Vieira da Silva Junior | Bergrock Ferreira | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Alexandre da Silva Neto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cláudia Falci | Danilo Melo | Dymm Productions and Management | Efrem Maranhao Filho | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Fabio Henrique Lopes Collet e Silva | Filipe Matzembacker | Flávio dos Santos Cardoso | Frederico Holanda | Gabriel Fenili | George Morcerf | Henrique Haag Ribacki | Jesse Alves da Silva | João Alexandre Dantas | João Orlando Arantes Santana | Jorge Alexandre Nogueira Santos | José Patrick de Souza | Juvenal G. Junior | Leonardo Felipe Amorim | Luan Lima | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Marcus Vieira | Maurício Gioachini | Mauricio Nuno Santos | Odair de Abreu Lima | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Ricardo Cunha | Richard Malheiros | Sergio Luis Anaga | Silvia Gomes de Lima | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Victor Adriel | Victor Jose Camara | Vinicius Valter de Lemos | Walter Armellei Junior | Williams Ricardo Almeida de Oliveira | Yria Freitas Tandel |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sobre Nelson Endebo

Estudante de Comunicação Social na Puc-Rio, cheirou dúzias de carreiras de Música e hoje é completamente debilitado por causa disso. Tem um corte no córtex por causa do Mr. Bungle, mas acredita que isso seja legal. Doutrinado no bom e velho Metal (ainda chora ouvindo o grande Venom), aprendeu a ouvir Jazz e Samba na marra. É responsável pela coluna Nós do Noise e colabora com o site Bacana e a revista Valhalla. Sua máxima é: "quanto mais você sabe, mais você sabe que pouco sabe". Traduzindo, gosta de aprender e de ensinar. Espera poder somar algo à família Whiplash a partir de 3, 2, 1 segundo!
Mais matérias de Nelson Endebo.

 
 
 
 

RECEBA NOVIDADES SOBRE
ROCK E HEAVY METAL
NO WHATSAPP
ANUNCIAR NESTE SITE COM
MAIS DE 4 MILHÕES DE
VIEWS POR MÊS