Technical Difficulties: Pain Of Salvation

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Sylvia Helena D`Antonio
Enviar correções  |  Comentários  | 


Dia 25 de setembro, circo voador. Cerca de 600 pessoas aguardavam ansiosas, o show de uma das bandas mais inovadoras do prog metal. Depois de uma apresentação matadora do Evergrey, o público não demonstrava cansaço e o clima era de expectativa com o Pain of Salvation.
5000 acessosSeparados no nascimento: Edu Falaschi e Luciano Huck5000 acessosTwisted Sister: segundo Dee, "ser pobre e famoso é uma merda"

Embora façam um som “complexo” o Pain of Salvation esbanja simplicidade. A qualidade da equipe técnica e do equipamento é fenomenal.

Andréas, o técnico de guitarra, montou pela primeira vez um set de bateria (fez um excelente trabalho); Alfred, o técnico de PA, era incansável nos cabos, checados um a um - fazendo o trajeto palco/house mix por horas a fio. E Matt, o técnico de iluminação, era raramente visto parado – corria tanto e cuidava de tudo de maneira impecável. Com a equipe do Pain of Salvation, veio o experiente técnico de monitor, Rogério Rossato. Ele esbanjou experiência e até deu um suporte durante o show ao batera Johan Langell.

Vamos ao set-up:

Daniel Gildenlöw tocou com duas guitarras: uma Parker Fly Classic (6 cordas), cor grafite purpurinada, captadores customizados da Di Marzio e sistema Piezo da Fishman. Esta guitarra é tão leve, que chega a ser inacreditável. Também usou uma Ibanez RG 7321 (7 cordas). Ambas com encordoamento 0.10 e afinação um tom abaixo. As guitarras eram ligadas a POD Live XT da Line6 por um sistema wireless, e o POD conectado à um Direct Box seguindo para a mesa.

Johan Hallgreen usou também duas guitarras, aliás, dois opostos incríveis. Uma era sem marca, velha, detonada, quase na madeira crua (que infelizmente não consegui descobrir a procedência). A outra de marca polonesa chamada Mayones. Uma guitarra incrivelmente linda e bem acabada. Ambas tinham em comum o fato de estarem bem reguladas e terem um som incrível! O roadie Andreas não informou quais captadores instalados e infelizmente não pude fuçá-los para saber. Ambas as guitarras estavam equipadas com encordoamento de calibre 0.10 e afinadas um tom abaixo. Johan liga suas guitarras da mesma forma que Daniel.

Kristoffer tocou com 2 baixos de 6 cordas, ambos da marca Mayones. São dois modelos Comodus-6 Custom – um é fretless. Kristoffer afina-os um tom abaixo. Ele utilizou um direct box pelo sistema wireless seguindo para a mesa.

Fredrick usou um teclado Roland XV3080 com pedal Behringer FCB1010.

Johan Langell usou um kit de bateria Pearl MMX com pratos Sabian. As peças tinham as seguintes especificações:

Bumbo - 2 de 22”; tom - 10” 12” e 13”; surdo 14” e 16”; caixa - 14”; crash - 2 de 16”, 1 de 18” e 1 de 20”; ride - 20”; hi-hat foi usado um de cada lado: direito 13”, esquerdo 12”; splash - 10” e 8”.

A microfonação do equipamento não apresentou grandes surpresas, exceto o bumbo - microfonado com SM57 (!!!). De resto, SM57, SM81 e Sennheiser 604. Daniel trás seu próprio Beta 58, muito bem protegido numa capinha de espuma, guardado como um tesouro.

Nos outros shows foi utilizado um DVD 5.1 Surround. Mas infelizmente, o disco danificou prejudicando o show do Rio. Ou seja, não houve utilização de imagens do DVD.

No total, foram usados 34 canais de PA e 30 canais de monitor. Todos utilizam monitores in-ear, sendo que Fredrick e Johan Langell usam plugados, enquanto os outros utilizam sistema wireless.

O show decorreu sem grandes problemas, exceto o in-ear de Daniel que caía o tempo todo, o que o deixava desconcertado. O in-ear de Kristoffer, além de cair, falhava, aborrecendo-o muito. Johan Allgreen gostou tanto do show que na empolgação no backstage, praticamente esqueceu de voltar para fazer os backings vocals de Oblivian Ocean, mas depois de correr bastante, chegou a tempo.

A banda realmente é muita atenciosa com os fans, tanto que enquanto a equipe desmontava o palco, Fredrick e Kristoffer ficaram cerca de uma hora conversando e dando autógrafos aos que ficaram no local!

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.


Technical Difficulties

1819 acessosTechnical Difficulties: Nektar5000 acessosTechnical Difficulties: Kiko Loureiro5000 acessosTechnical Difficulties: A Escolha da Primeira Guitarra5000 acessosTechnical Difficulties: Kamelot5000 acessosTechnical Difficulties: Um papo técnico com Kiko Loureiro4939 acessosTechnical Difficulties: Novos guitarristas na Expomusic - Parte 14274 acessosTechnical Difficulties: Novos guitarristas na Expomusic - Parte 25000 acessosTechnical Difficulties: Novos guitarristas na Expomusic - Parte 35000 acessosTechnical Difficulties: Soundcheck Blind Guardian5000 acessosTechnical Difficulties: Richie Kotzen0 acessosTodas as matérias sobre "Technical Difficulties"

0 acessosTodas as matérias da seção Matérias0 acessosTodas as matérias sobre "Technical Difficulties"0 acessosTodas as matérias sobre "Instrumentos"0 acessosTodas as matérias sobre "Pain Of Salvation"


Separados no nascimentoSeparados no nascimento
Edu Falaschi e Luciano Huck

Twisted SisterTwisted Sister
Dee Snider: "Ser pobre e famoso é uma merda"

MetallicaMetallica
Rock In Rio explica pane que ocorreu durante o show

5000 acessosSlipknot: Corey Taylor explica porque o mundo pop não suporta o Heavy Metal5000 acessosTop 10 Guitarristas: matéria empolgada no Jornal da Globo5000 acessosRock e Heavy Metal: E se as capas dos álbuns fossem honestas?5000 acessosEmocionante: banger ganha guitarra de aniversário de pai falecido5000 acessosAxl Rose: vocalista do Trans-Siberian ensina a cantar como ele4443 acessosIron Maiden: Blaze Bayley acredita que era odiado pelos fãs

Sobre Sylvia Helena D`Antonio

24 anos, carioca. Sylvia é luthier no Rio de Janeiro. Estudou luthieria na B&H Guitar Craft School, em São Paulo. Fez faculdade de Produção Fonográfica, e além de ter sua oficina no rio, atua também fazendo produção executiva e técnica de shows, roadie, guitartech, e stage manager free-lancer. Show é sua vida! Escuta rock desde 12 anos, e é uma “viúva” chorosa dos tempos áureos do Metallica. Curte desde Hard Rock até um bom Thrash Metal, com preferência para o Heavy Tradicional e Prog Metal. Bandas preferidas: Metallica, Megadeth, Dream Theater, Mr. Big, Angra, Dio... entre muitas outras.

Mais informações sobre Sylvia Helena D`Antonio

Mais matérias de Sylvia Helena D`Antonio no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em junho: 1.119.872 visitantes, 2.427.684 visitas, 5.635.845 pageviews.

Usuários online