Technical Difficulties: Pain Of Salvation

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Sylvia Helena D`Antonio
Enviar correções  |  Comentários  | 


Dia 25 de setembro, circo voador. Cerca de 600 pessoas aguardavam ansiosas, o show de uma das bandas mais inovadoras do prog metal. Depois de uma apresentação matadora do Evergrey, o público não demonstrava cansaço e o clima era de expectativa com o Pain of Salvation.

5000 acessosMetallica: sobre o que fala "For Whom The Bell Tolls"5000 acessosAs novas caras do metal: + 40 bandas que você deve conhecer

Embora façam um som “complexo” o Pain of Salvation esbanja simplicidade. A qualidade da equipe técnica e do equipamento é fenomenal.

Andréas, o técnico de guitarra, montou pela primeira vez um set de bateria (fez um excelente trabalho); Alfred, o técnico de PA, era incansável nos cabos, checados um a um - fazendo o trajeto palco/house mix por horas a fio. E Matt, o técnico de iluminação, era raramente visto parado – corria tanto e cuidava de tudo de maneira impecável. Com a equipe do Pain of Salvation, veio o experiente técnico de monitor, Rogério Rossato. Ele esbanjou experiência e até deu um suporte durante o show ao batera Johan Langell.

Vamos ao set-up:

Daniel Gildenlöw tocou com duas guitarras: uma Parker Fly Classic (6 cordas), cor grafite purpurinada, captadores customizados da Di Marzio e sistema Piezo da Fishman. Esta guitarra é tão leve, que chega a ser inacreditável. Também usou uma Ibanez RG 7321 (7 cordas). Ambas com encordoamento 0.10 e afinação um tom abaixo. As guitarras eram ligadas a POD Live XT da Line6 por um sistema wireless, e o POD conectado à um Direct Box seguindo para a mesa.

Johan Hallgreen usou também duas guitarras, aliás, dois opostos incríveis. Uma era sem marca, velha, detonada, quase na madeira crua (que infelizmente não consegui descobrir a procedência). A outra de marca polonesa chamada Mayones. Uma guitarra incrivelmente linda e bem acabada. Ambas tinham em comum o fato de estarem bem reguladas e terem um som incrível! O roadie Andreas não informou quais captadores instalados e infelizmente não pude fuçá-los para saber. Ambas as guitarras estavam equipadas com encordoamento de calibre 0.10 e afinadas um tom abaixo. Johan liga suas guitarras da mesma forma que Daniel.

Kristoffer tocou com 2 baixos de 6 cordas, ambos da marca Mayones. São dois modelos Comodus-6 Custom – um é fretless. Kristoffer afina-os um tom abaixo. Ele utilizou um direct box pelo sistema wireless seguindo para a mesa.

Fredrick usou um teclado Roland XV3080 com pedal Behringer FCB1010.

Johan Langell usou um kit de bateria Pearl MMX com pratos Sabian. As peças tinham as seguintes especificações:

Bumbo - 2 de 22”; tom - 10” 12” e 13”; surdo 14” e 16”; caixa - 14”; crash - 2 de 16”, 1 de 18” e 1 de 20”; ride - 20”; hi-hat foi usado um de cada lado: direito 13”, esquerdo 12”; splash - 10” e 8”.

A microfonação do equipamento não apresentou grandes surpresas, exceto o bumbo - microfonado com SM57 (!!!). De resto, SM57, SM81 e Sennheiser 604. Daniel trás seu próprio Beta 58, muito bem protegido numa capinha de espuma, guardado como um tesouro.

Nos outros shows foi utilizado um DVD 5.1 Surround. Mas infelizmente, o disco danificou prejudicando o show do Rio. Ou seja, não houve utilização de imagens do DVD.

No total, foram usados 34 canais de PA e 30 canais de monitor. Todos utilizam monitores in-ear, sendo que Fredrick e Johan Langell usam plugados, enquanto os outros utilizam sistema wireless.

O show decorreu sem grandes problemas, exceto o in-ear de Daniel que caía o tempo todo, o que o deixava desconcertado. O in-ear de Kristoffer, além de cair, falhava, aborrecendo-o muito. Johan Allgreen gostou tanto do show que na empolgação no backstage, praticamente esqueceu de voltar para fazer os backings vocals de Oblivian Ocean, mas depois de correr bastante, chegou a tempo.

A banda realmente é muita atenciosa com os fans, tanto que enquanto a equipe desmontava o palco, Fredrick e Kristoffer ficaram cerca de uma hora conversando e dando autógrafos aos que ficaram no local!

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Technical Difficulties

1819 acessosTechnical Difficulties: Nektar5000 acessosTechnical Difficulties: Kiko Loureiro5000 acessosTechnical Difficulties: A Escolha da Primeira Guitarra5000 acessosTechnical Difficulties: Kamelot5000 acessosTechnical Difficulties: Um papo técnico com Kiko Loureiro4939 acessosTechnical Difficulties: Novos guitarristas na Expomusic - Parte 14276 acessosTechnical Difficulties: Novos guitarristas na Expomusic - Parte 25000 acessosTechnical Difficulties: Novos guitarristas na Expomusic - Parte 35000 acessosTechnical Difficulties: Soundcheck Blind Guardian5000 acessosTechnical Difficulties: Richie Kotzen0 acessosTodas as matérias sobre "Technical Difficulties"

0 acessosTodas as matérias da seção Matérias0 acessosTodas as matérias sobre "Technical Difficulties"0 acessosTodas as matérias sobre "Instrumentos"0 acessosTodas as matérias sobre "Pain Of Salvation"


MetallicaMetallica
Sobre o que fala "For Whom The Bell Tolls"

As novas caras do metalAs novas caras do metal
Mais 40 bandas que você deve conhecer

Simone SimonsSimone Simons
A nudez na capa de Divine Conspiracy

5000 acessosJack Bruce: "Foda-se o Led Zeppelin, eles são um lixo!"5000 acessosExcessos: como os rockstars gastam os seus milhões5000 acessosVelocidade: Top 10 de músicas de Metal para ser multado5000 acessosFotos de Infância: Lemmy Kilmister, do Motorhead5000 acessosFelizes para sempre?: casal fazia fotos de noivado e de repente...5000 acessosPink Floyd: Uma breve história de Roger Waters, vocalista

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.


Sobre Sylvia Helena D`Antonio

24 anos, carioca. Sylvia é luthier no Rio de Janeiro. Estudou luthieria na B&H Guitar Craft School, em São Paulo. Fez faculdade de Produção Fonográfica, e além de ter sua oficina no rio, atua também fazendo produção executiva e técnica de shows, roadie, guitartech, e stage manager free-lancer. Show é sua vida! Escuta rock desde 12 anos, e é uma “viúva” chorosa dos tempos áureos do Metallica. Curte desde Hard Rock até um bom Thrash Metal, com preferência para o Heavy Tradicional e Prog Metal. Bandas preferidas: Metallica, Megadeth, Dream Theater, Mr. Big, Angra, Dio... entre muitas outras.

Mais informações sobre Sylvia Helena D`Antonio

Mais matérias de Sylvia Helena D`Antonio no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em junho: 1.119.872 visitantes, 2.427.684 visitas, 5.635.845 pageviews.

Usuários online