Technical Difficulties: Kamelot

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Sylvia Helena D`Antonio
Enviar correções  |  Comentários  | 

ESP Kirk Hammet
ESP Kirk Hammet
ESP Horizon
ESP Horizon
ESP Explorer Custom
ESP Explorer Custom
Drum set 1
Drum set 1
Drum set 2
Drum set 2
Drum set 3
Drum set 3
Teclado Motif 7
Teclado Motif 7
Set de Marshalls
Set de Marshalls
Marshall JCM 2000
Marshall JCM 2000
SVT Pro II - Ampeg
SVT Pro II - Ampeg
Pedais
Pedais

Primeiramente gostaria de pedir desculpas por não atualizar a coluna por tanto tempo. Como vocês vão notar, os próximos artigos não terão descrição de bateria. Vou procurar sempre colocar as fotos tiradas, e se algum leitor especialista em baterias souber descrevê-la e quiser me mandar, eu coloco no ar. Isto porque normalmente eu preciso da ajuda ou do roadie de batera, ou do baterista. Mas como todos sabem os roadies de batera são os mais ocupados, e nem sempre os bateristas são os mais simpáticos, então, me desculpem os leitores bateristas, mas vou ficar devendo as descrições de bateria por enquanto. Bem, embora muito atrasado (mais de 6 meses), vamos falar do show do Kamelot em Novembro.

Na sua primeira vinda ao Rio de Janeiro, o Kamelot foi privilegiado com uma dia ensolarado, trazendo consigo uma crew, e equipamentos de altíssimo nível. Aliás uma crew que trabalhou arduamente não só para o Kamelot, como para o Épica. Ambas as bandas estavam dividindo, além de quase todo o backline, o habilidoso técnico de P.A. Arnold (o mesmo que veio com o Evergrey), o guitar tech Rodrigo Fantoni, o drum tech Marcos Limone e o responsável do backline Zé Ovo. No entanto, trouxeram seu próprio iluminador o Tez. O backline foi alugado de uma locadora de backlines chamada Só Palco, de São Paulo.

A montagem não foi tão rápida, pois havia todo um visual no palco. Interessante que os amplificadores e toda a “bagunça” de palco, ficaram escondidas atrás de um “cenário” trazido pela banda, o que deixou o palco ficou muito limpo e bonito. Bem, vamos aos sets.

Thomas Youngblood trouxe consigo três guitarras incríveis. Três ESPs: Uma Horizon, uma Kirk Hammet Signature (KH-2) e uma Explorer Custom. Vamos aos detalhes:

A Horizon, preta translúcida, de construção inteiriça (neck-thru-body), corpo em mogno, tampo de Ash, braço de maple, escala de ébano 24 trastes. Binding no contorno do braço, marcações em madre pérola e headstock triangular com tarraxas com Lock Sperzel, 3-3 paralelas são algumas das características peculiares dessas Horizon Customs. Ponte Floyd Rose original, ferragens pretas captador JB- Seymour Duncan na ponte, e infelizmente não pudemos desmontar o do braço para saber qual era. Encordoamento 0.10 em afinação normal.

A Kirk Hammet Signature, preta, tem como características, braço aparafusado, corpo de alder, braço de maple e escala de rosewood de 24 trastes. Marcações de madre-pérola no formato de caveira com ossos e headstock invertido, ponte Floyd Rose original e captadores EMG 81. Encordoamento 0.10 com o bordão afinado em Ré sustenido.

Por último a Explorer Custom, também preta, braço de maple, aparafusado, corpo de mogno, escala de rosewood, 22 trastes, marcação de madre-pérola em formato de “dot”, ponte Floyd Rose original, e captadores EMG 81. Encordoamento 0.10 em afinação normal.

O set de Youngblood é algo extremamente simples. Usa a guitarra plugada (via sistema wireless Sennheiser) num Cromatic Tuner – TU-2 da Boss, seguindo para o amplificador Marshall JCM 2000 (Triple Super Lead – TSL – 100) Do send de efeitos, vai para o Power Drive (PD-1) da Zoom, que segue para um Digital Delay (DD-3) da Boss, voltando para o return de efeitos. Tudo era controlado pelo Foot Switch do amplificador Marshall que era ligado a 2 caixas Marshall 1960 B de 4x12”, microfonada por um SM-57.

Oliver Palotai, utiliza apenas um teclado, um Yamaha Motif 7, todo programado, e ajustado para ele, conforme pode-se observar na foto. Dezenas de anotações e ajustes particulares. Ligado LR em 2 Direct Boxs.

Gleen Barry, usou um baixo Music Man Sting Ray 5 cordas, bem básico, mas muito eficiente, e havia um Tobias, também 5 cordas apenas de reserva. O baixo era ligado ao cabeçote por um sistema wireless da Sennheiser. De amplificação ele utilizou nada mais, nada menos que um cabeçote Ampeg SVT II Pro com duas caixas de 8x10”. Estava microfonada com um SM-57, e do direct out do ampli saía para a mesa por um DI.

O baterista Casey Grillo, utilizou uma bateria Premium. Quanto ao resto, vou dever. Mas Casey era um cara bem ocupado em palco, pois ele que disparavas os samplers, corais, clique, faixas com teclados e efeitos por meio de um lap top Mac ligado a uma Digi 002.

A passagem de som foi rápida. O único mais exigente um pouco era Thomas Youngblood, mas nada desarrazoado. Roy Khan não passou som, na verdade chegou no Rio poucas horas antes do show, devido ao cansaço e a falta de voz.

O show foi muito tranqüilo, e a banda estava muito feliz com a quantidade do público. O vocal de Roy Khan ficou muito a desejar, surgindo até boatos sobre samplers, ou playbacks. Embora não tenha visto pessoalmente na passagem de som algum playback com voz, francamente, não chego a duvidar, devido a completa falta de voz dele no backstage, e em alguns momento de show o vocal estava bom.

A organização do Headbanger Metalfest também foi muito boa, e o público carioca fica ansioso de novos shows, de bandas que tem poucas oportunidades em vir.

Resumo:
Guitarra – TU-2 – Marshall 2000 (TSL-100) - Send effect > PD-1 > DD-3 > return > Caixa 4x12” > microfone Sm-57

Teclado:
Yamaha Motif 7 > em linha Stereo

Baixo >Ampeg SVT II pro > duas caixas de 8x10” > 1 > microfone SM-57 > 2 > Direct Out > Linha

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.


Technical Difficulties

5000 acessosTechnical Difficulties: Pain Of Salvation1819 acessosTechnical Difficulties: Nektar5000 acessosTechnical Difficulties: Kiko Loureiro5000 acessosTechnical Difficulties: A Escolha da Primeira Guitarra5000 acessosTechnical Difficulties: Um papo técnico com Kiko Loureiro4939 acessosTechnical Difficulties: Novos guitarristas na Expomusic - Parte 14274 acessosTechnical Difficulties: Novos guitarristas na Expomusic - Parte 25000 acessosTechnical Difficulties: Novos guitarristas na Expomusic - Parte 35000 acessosTechnical Difficulties: Soundcheck Blind Guardian5000 acessosTechnical Difficulties: Richie Kotzen0 acessosTodas as matérias sobre "Technical Difficulties"

0 acessosTodas as matérias da seção Matérias0 acessosTodas as matérias sobre "Technical Difficulties"0 acessosTodas as matérias sobre "Instrumentos"0 acessosTodas as matérias sobre "Kamelot"


Iron MaidenIron Maiden
Fatos estranhos na gravação de The Number Of The Beast

AC/DCAC/DC
Isso sim é uma bela estrada para o inferno

Paulo SchroeberPaulo Schroeber
Nota oficial sobre falecimento do guitarrista

5000 acessosMulheres e guitarras: as mais importantes segundo a Gibson5000 acessosOzzy Osbourne: comendo oferenda de macumba no Rock in Rio5000 acessosMarilyn Manson: "Sou o monstro do Lago Ness! Sou o Bicho Papão!"5000 acessosMegadeth: o guitarrista que poderia ter ficado com a vaga de Kiko5000 acessosArch Enemy quase mudou nome após entrada de Angela5000 acessosGary Holt: um dos músicos mais "zoeiros" do instagram

Sobre Sylvia Helena D`Antonio

24 anos, carioca. Sylvia é luthier no Rio de Janeiro. Estudou luthieria na B&H Guitar Craft School, em São Paulo. Fez faculdade de Produção Fonográfica, e além de ter sua oficina no rio, atua também fazendo produção executiva e técnica de shows, roadie, guitartech, e stage manager free-lancer. Show é sua vida! Escuta rock desde 12 anos, e é uma “viúva” chorosa dos tempos áureos do Metallica. Curte desde Hard Rock até um bom Thrash Metal, com preferência para o Heavy Tradicional e Prog Metal. Bandas preferidas: Metallica, Megadeth, Dream Theater, Mr. Big, Angra, Dio... entre muitas outras.

Mais informações sobre Sylvia Helena D`Antonio

Mais matérias de Sylvia Helena D`Antonio no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em junho: 1.119.872 visitantes, 2.427.684 visitas, 5.635.845 pageviews.

Usuários online