Matérias Mais Lidas

imagemO rockstar por quem Max Cavalera era fanático, mas não conheceu por causa da bebida

imagemEdu Falaschi diz que não tem vergonha de suas falas que viraram meme no DVD do "Rebirth"

imagemMaiden faz homenagem a Eddie, do Stranger Things, que foi inspirado em tragédia real

imagem10 músicas dos Beatles das quais Paul McCartney não gostava

imagemA banda brasileira que está "pronta para o mercado internacional", segundo Regis Tadeu

imagemRichard Fortus diz que Axl Rose danificou as cordas vocais

imagemA prática mesquinha de bandas que Edu Falaschi considera "desrespeitoso com o fã"

imagemFlea agradece brasileiro que teve receio de pedir foto ao encontrá-lo

imagemQuando Dave Mustaine mostrou como tocar uma música do Metallica de forma mais pesada

imagemOs dez álbuns de Heavy Metal favoritos de Rob Halford, e os dez de qualquer gênero

imagemEm post no TikTok, Metallica pede para fãs antigos pararem de perseguir os fãs novatos

imagemSlash explica porque o Guns N' Roses faz shows de 3 horas e meia

imagemO clássico dos Stones que foi escrito em um motel e não deixou Keith Richards satisfeito

imagemLed Zeppelin: Crítica de George Harrison fez Jimmy Page compor "The Rain Song"

imagemProdutora explica como "Master of Puppets" foi parar em "Stranger Things"


Stamp
Airbourne 2022

Pentatônicas com tapping

Por Victor H. Guidini
Em 31/08/04

Oi pessoal! Nesta primeira coluna irei passar algumas idéias sobre como utilizar a boa e velha pentatônica. Para quem não sabe, esta é a escala mais utilizada no rock e é formada por cinco notas.

Essas cinco notas são derivadas da escala diatônica. São excluídas as duas notas da escala diatônica que geram o intervalo de 5º diminuta ou 4º aumentada, o trítono. Na escala de Dó maior / Lá menor são excluídas as notas Fá e Si. A pentatônica desta escala é formada pelas notas: Dó Ré Mi Sol e Lá.

Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva

Abaixo seguem duas possíveis digitações para esta pentatônica:

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sobrepondo estes dois desenhos obteremos uma pentatônica com 3 notas por corda, como mostra a figura abaixo:

Podemos perceber na figura acima que há a repetição da última nota tocada em cada corda, o que cria um efeito bem interessante. Porém, exige uma abertura de mão um tanto incômoda. Outra maneira de executar esse exemplo, é tocar a última nota de cada corda com um tapping da mão direita (T).

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

O exemplo abaixo mostra um padrão para a utilização deste artifício. Veja que a primeira nota tocada é o tapping da mão direita, as outras duas notas são tocadas com ligaduras da mão esquerda. Sugiro a utilização do dedo médio na mão direita para o tapping. Na mão esquerda os dedos 1 e 4 para as cordas 1, 2 e 6; e, os dedos 1 e 3 para as cordas 3, 4 e 5.

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

O próximo exemplo é uma variante do anterior. Subimos e descemos a escala com os tappings. No final do compasso 2, utilizamos um tempo outside: a pentatônica deslocada meio tom acima. Este recurso gera uma sonoridade bem interessante, você pode deslocar qualquer digitação meio tom acima ou abaixo para gerar este efeito outside. O outside cria tensões na melodia, que podem ser resolvidas voltando ao tom original ou criando modulações. Utilizei este tempo outside para "ligar" a pentatônica de Lá menor com a de Si menor e depois repeti o mesmo padrão em Si menor.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Comece estudando bem devagar, sempre com o metrônomo e aumente progressivamente a velocidade. Trace uma velocidade-meta para atingir e pratique até atingi-la.

Os três exemplos em MP3 foram gravados em 80bpm, 120bpm e 120bpm com uma base de guitarra em Sol.

Ex. 1: 80bpm (clique para download)
Ex. 2: 120bpm (clique para download)
Ex. 3: Sol - 120bpm (clique para download)

Experimente tocar esse exemplo em cima dos acordes de C, D, Dm, Em, F#m7b5, G, Am, Bm, C, D e Dm. Sobre cada acorde, o exemplo soara de uma maneira diferente. Crie também suas variações baseadas nesse exercício: mude o ritmo, os intervalos. Use sua criatividade!

Comentários, dúvidas ou informações, escreva para mim!

Um abraço e até a próxima.


Guitar Shred

Warming Up

Estudo x Diversão

imagem1234... Cromatizando - Parte I

1234... Cromatizando - Parte II

Lick Combo 3

Modos Gregos - Parte I

imagemModos Gregos - Parte II

Modos Gregos - Parte III

Shapes de aperjos

Improvisação sobre uma corda

imagemPalhetada sobre duas cordas

Saltos de Cordas (string skipping)

Estu/ticando

Todas as matérias sobre "Guitar Shred"

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Finlandia 2022
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp


Instrumentos: algumas das guitarras mais doidas já feitas



Sobre Victor H. Guidini

Músico, guitarrista e professor de música formado pela UDESC. Começou a ouvir rock quando descobriu os vinis do AC/DC de seu irmão. Aos 13 conheceu o Van Halen e começa a incomodar os vizinhos com sua primeira guitarra. Tocou em várias bandas de Florianópolis. Atualmente, mora em São Paulo e segue como professor de música e tocando por ai. Entre muitos outros, curte Hermeto Pascoal, Egberto Gismonti, Dr Cipó, Cama de Gato, Tribal Tech e Led Zeppelin.

Mais matérias de Victor H. Guidini.