Dream Theater: Um álbum para ser assimilado com o tempo

Resenha - Astonishing - Dream Theater

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Ricardo Seelig, Fonte: Collectors Room
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

"The Astonishing", décimo-terceiro álbum do Dream Theater, é um trabalho colossal. Um disco duplo conceitual com 34 faixas e mais de 2 horas de duração, cuja história conta a luta de um povo contra um governo ditatorial comandado por robôs. A grande arma de quem busca a liberdade é a música, utilizada como ferramenta para uma sociedade melhor e mais justa.

Vocalistas: os menos conhecidos de bandas famosasMetallica: Lars Ulrich quase saiu no tapa com Lou Reed

Imagem

Criada pelo guitarrista John Petrucci, a trama de "The Astonishing" é, na verdade, uma ópera-rock inspirada em clássicos como "The Wall" do Pink Floyd e "Tommy" e "Quadrophenia" do The Who. O novo trabalho do Dream Theater dá sequência à essa tradição, e faz isso de uma forma grandiosa.

O conceito de ópera-rock (ou metal, chame como quiser) deve ser entendido pelo ouvinte, pois as mais de trinta canções contém diversos interlúdios, além de faixas que trazem efeitos sonoros que marcam momentos da história. Dessa maneira, trata-se, portanto, de uma obra que exige disposição e uma parceria do ouvinte, para ser absorvida e entendida em sua totalidade. Não é um disco para escutar de maneira casual. Em um tempo onde a música fica cada vez mais abstrata e baseada em singles, a banda norte-americana resgata a força e conceito do álbum em toda sua plenitude e grandiosidade.

Curiosamente, não há em "The Astonishing" as tradicionais longas canções do Dream Theater, repletas de ambiências e mudanças de climas, além de passagens instrumentais feitas sob medida para que cada um dos instrumentistas brilhar individualmente. A canção mais longa do disco tem 7 minutos e pouco, e é uma exceção. No geral, "The Astonishing" é composto por faixas com duração média de quatro a cinco minutos - logicamente, muitas delas interligada entre si. Ou seja, é um álbum duplo conceitual e com mais de duas horas de duração, porém enxuto e conciso. É uma contradição, eu sei, mas essa característica facilita bastante a assimilação do trabalho.

Aclamado pela crítica - 4 de 5 estrelas na Classic Rock, nota 8 de 10 na Metal Hammer, 4,5 estrelas de 5 no Metal Sucks, 4 de 5 estrelas na Kerrang! -, "The Astonishing" é também um disco feito sob medida para uma considerável parcela de fãs do Dream Theater. O motivo é o resgate da influência e tradição progressiva na sonoridade da banda, deixada bastante de lado nos últimos anos, ofuscada por álbuns que focaram quase que exclusivamente no heavy metal. "The Astonishing" é um disco mais leve e musical do que os trabalhos recentes dos norte-americanos, com a banda soando mais solta.

Individualmente, os destaques são três. John Petrucci, criador da história e a mente por trás de todas as faixas e conceito, em um trabalho exemplar de composição. Jordan Rudess, principal parceiro de Petrucci na definição dos caminhos sonoros do álbum, variando de maneira criativa entre o teclado e o piano em todo o trabalho. E James LaBrie, que interpreta todos os vários personagens da trama, impondo personalidades distintas para cada um deles em um trabalho vocal que pode ser classificado como o mais completo de sua carreira.

Em um disco dessa magnitude, destacar uma ou outra canção é algo desnecessário. A força está no conjunto - e é preciso dizer que "The Astonishing" brilha intensamente como um trabalho complexo, ambicioso e dono de grande originalidade.

O Dream Theater entregou um dos seus melhores discos. Um álbum para ser assimilado com o tempo, e que proporciona uma experiência sem precedentes ao ouvinte. Não será surpreendente se daqui há alguns anos, ao olharmos para o passado, o senso comum apontar "The Astonishing" como o trabalho definitivo do Dream Theater. Será um reconhecimento mais do que justo.

Quer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Outras resenhas de Astonishing - Dream Theater

Dream Theater: Uma resenha detalhada de The AstonishingDream Theater: Surpreendente e assombrosoDream Theater: Muita pretensão e pouca qualidade musicalDream Theater: The Astonishing, a ópera dos contrastesDream Theater: Album ambicioso é agradável surpresa do quintetoDream Theater: A melhor sonoridade dos discos com Mike Mangini

Vocalistas
Os menos conhecidos de bandas famosas

Blend Guitar: John Petrucci tenta tocar como Lil WayneMike Portnoy: tocando sua "12 Steps Suits"Todas as matérias e notícias sobre "Dream Theater"

Queensryche e outros
Lavação de roupa suja em público

Mike Mangini
Baterista lista os 10 álbuns mais influentes

2007
15 discos de rock/metal que completam 10 anos de lançamento

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 07 de fevereiro de 2016

Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Dream Theater"

Metallica
Lars Ulrich quase saiu no tapa com Lou Reed

Full Rock
Músicas perturbadoras e inquietantes

Megadeth
"Magia negra arruinou minha vida", diz Mustaine

Slash: chapação, a louca e atraente Fergie e Axl RoseBon Jovi: sexo, drogas e... Jon Bon Jovi?Cretin: transexual rompe barreiras no metal extremoChuck Billy: "Era humilde e a pessoa mais doce do mundo!"David Coverdale: frontman pede desculpas a Robert PlantSeparados no nascimento: Nicko McBrain e Dolph Lundgren

Sobre Ricardo Seelig

Ricardo Seelig é editor da Collectors Room - www.collectorsroom.com.br - e colabora com o Whiplash.Net desde 2004.

Mais matérias de Ricardo Seelig no Whiplash.Net.

Link que não funciona para email (ignore)

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em agosto: 1.237.477 visitantes, 2.825.604 visitas, 7.034.755 pageviews.

Usuários online