Led Zeppelin: por que John Bonham foi um gênio, segundo Mike Portnoy

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Igor Miranda
Enviar Correções  

O baterista Mike Portnoy contribuiu com um depoimento para o livro "Bonzo: 30 Rock Drummers Remember The Legendary John Bonham", que aborda a genialidade de John Bonham, do Led Zeppelin, a partir de 30 colegas de instrumento. A obra é assinada por Greg Prato e traz entrevistas com nomes do porte de Charlie Benante, Herman Rarebell, Simon Wright e Greg Bissonette, além dos saudosos Lee Kerslake e Frankie Banali, falecidos recentemente.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O trecho em que Portnoy busca explicar a genialidade de John Bonham foi compartilhado pelo site da revista "Classic Rock". A intenção é relembrar Bonzo no 40° aniversário de sua morte - ele nos deixou em 25 de setembro de 1980, aos 32 anos.

O ex-baterista do Dream Theater diz, inicialmente, que há "muitos elementos" que transformam John Bonham em um gênio. "O primeiro é o som que ele tinha dentro dele. As pessoas perguntam quais microfones, qual bateria, quais baquetas John Bonham usava. Não acho que isso fazia diferença. Era o que estava no corpo e nas mãos dele. É o jeito que ele tocava. Ele tiraria aquele som em qualquer bateria e em qualquer ambiente. É a chave para todo grande músico", afirmou.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Em seguida, ele definiu Bonzo como uma "âncora sólida" e disse que o baterista conseguia tocar tanto de forma grandiosa, como em "When the Levee Breaks", quanto de um jeito sutil, como em "Fool in the Rain". "Havia uma combinação desses extremos. E ele tinha um grande ouvido para improvisar. Se você ouvir qualquer gravação ao vivo do Zeppelin, ele sempre tocava as músicas diferente. E isso acontecia porque eles se ouviam. Fazia parte da química", declarou.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Mike Portnoy também destacou "Moby Dick" como "o solo essencial de bateria" e relembrou sua reação quando assistiu ao show "The Song Remains the Same", pela primeira vez, em uma biblioteca, à meia-noite de sábado para domingo. "O destaque para mim foi 'Moby Dick', é o que sempre lembro. No meio do filme-concerto, um solo de bateria de 20 minutos. Eles tocam o começo como banda, então Bonham começa o solo gigantesco. Muitas vezes, as pessoas iam ao banheiro durante solos de bateria, mas quando Bonham fazia, era cativante", disse.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

publicidade

Outras músicas que trazem John Bonham em sua melhor forma, na visão de Mike Portnoy, são "Rock and Roll", "Black Dog" e "Kashmir". Por fim, ele ainda pontuou que Bonzo cantava bem, como é possível ouvir na gravação de "Bron-Y-Aur Stomp" no "Earls Count 1975". "Ele era o outro cantor do Zeppelin, já que Jimmy Page e John Paul Jones nunca cantavam, e muitos não percebem", afirmou.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Em 25/09/1980: morria o inesquecível e genial John BonhamEm 25/09/1980
Morria o inesquecível e genial John Bonham

Led Zeppelin: nunca vou parar de sentir falta de John Bonham, diz Jimmy PageLed Zeppelin
"nunca vou parar de sentir falta de John Bonham", diz Jimmy Page

Led Zeppelin: John Bonham roubou viradas de bateria de Carmine Appice?Led Zeppelin
John Bonham roubou viradas de bateria de Carmine Appice?

Led Zeppelin: tentaram se aproveitar da banda quando Bonham morreu




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Heavy Metal: Os 11 melhores álbuns dos anos 2000 segundo o LoudwireHeavy Metal
Os 11 melhores álbuns dos anos 2000 segundo o Loudwire

Death Metal: menina de 6 anos detona no America's Got TalentDeath Metal
Menina de 6 anos detona no America's Got Talent


Sobre Igor Miranda

Jornalista formado pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU), com pós-graduação em Jornalismo Digital pela Universidade Estácio de Sá. Começou a escrever sobre música em 2007 e, algum tempo depois, foi cofundador do site Van do Halen. Colabora com o Whiplash.Net desde 2010. Atualmente, é editor-chefe da Petaxxon Comunicação, que gerencia o portal Cifras, Ei Nerd e outros. Mantém um site próprio 100% dedicado à música. Nas redes: @igormirandasite no Twitter, Instagram e Facebook.

Mais matérias de Igor Miranda no Whiplash.Net.

Goo336 Cli336 GooAdHor Goo336 Cli336 WhiFin Goo336 GooInArt