Sepultura: Quadra é a afirmação final

Resenha - Quadra - Sepultura

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Thiago Barcellos
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 9

A essa altura do campeonato, todo mundo já conhece a história da maior banda de metal do Brasil, Sepultura. Mas o foco aqui é o Quadra, então vamos deixar todo o drama dessa separação pra outro dia.

Sepultura: Se essa banda não for a verdadeira, eu não sei qual há de serDane-se Bruce Dickinson: Simone Simons no metrô é muito melhor

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Quadra é a afirmação de que o Sepultura está aqui, e vocês vão ter que engolir. O álbum coroa a evolução dessa formação e a busca incessante por uma "identidade" que na minha opinião, era o que faltava para o grupo se desvencilhar de uma vez por todas do fantasma da reunião.

A partir do momento que Andreas & CIA desistiram de tentar ser a banda que já não eram mais o grupo cresceu vertiginosamente.

Todos na banda estão de parabéns em suas performances individuais, mas Andreas mostra aqui em Quadra porque é um dos maiores guitarristas do mundo.

A parte que lhe diz respeito no processo criativo do Sepultura está toda aqui. Logo, você vai ter muitas lembranças do Sepultura do Arise, Beneath e até do Schizophrenia por aqui. Mas não soa como uma tentativa forçada de resgatar esse feeling, mas justamente por desistir de tentar soar como antes que as coisas fluem naturalmente.

Quadra é um disco equilibrado, temos músicas fantásticas e músicas muito boas, mas o grande tesouro do disco está é nos detalhes. Um grande mérito do produtor Jens Bogren que definitivamente tem uma boa parcela de culpa no fato do Sepultura ter afirmado sua nova identidade.

Não há absolutamente nada sobrando, fora do lugar ou faltando em Quadra. É um disco pensado para ser grandioso. Mediator e Machine Messiah tem seus méritos, mas ainda faltava algo. E o que faltava está aqui em quadra.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Derrick está CANTANDO, meus amigos. Finalmente estão explorando suas capacidades vocais, usando de vocais mais melodiosos, mas ainda assim agressivos. E seus vocais agressivos estão mais agressivos que nunca. Simplesmente perfeitos.

Eloy me parece um pouco mais contido, apesar de ainda estar técnico ao máximo. Aqui ele parece ter encontrado o meio termo perfeito entre seu estilo ultra técnico e o feeling tribal que o Sepultura tem como marca registrada. Mas na hora de descer o braço o rapaz faz com maestria.

Paulo Jr está arriscando mais, ouvimos alguns fraseados de baixo durante algumas faixas que chega a surpreender, claro que se tratando de Paulo Jr.

E o Andreas, amigo...

Que arregaço, cara. Que solos! Que riffs! O cara tá simplesmente ARREBENTANDO TUDO na guitarra. Os arranjos de violão clássico são uma das coisas mais belas já feitas pelo Sepultura.

As músicas são todas muito boas, com vários detalhes que enriquecem demais o som da banda. E a cada ouvida mais e mais detalhes vão surgindo e você vai se envolvendo com as canções.

Indicar uma ou outra canção é um crime, mas me sinto ao menos no dever de citar minhas favoritas e falar um pouco sobre elas:

"Isolation", que foi inaugurada no Rock In Rio de 2019 é minha favorita. Intro foda, riff matador e refrão fodástico. Clássico imediato!

"Raging Void" é quebradona, técnica e com vocais incríveis, que chegaram a me lembrar algo de Gojira.

Agora em "Agony or Defeat" se preparem para ouvir um Derrick diferente de tudo que já ouviu dele.

Agora como nem tudo são flores, vamos a algumas críticas:

O álbum é dividido em duas partes bem distintas: A primeira mais rápida e pesada, Thrashões com riffs matadores, vocais idem, com muitas levadas de Black/Death que remetem ao princípio da banda.

E a segunda, mais experimental, mais tribal e mais elaborada também.

Ao meu ver, separar o álbum dessa forma não é uma boa, o ideal seria mesclar as músicas porque dessa forma parece que são dois álbuns distintos, com sonoridades distintas, o que não é. Mas colocar dessa forma assim o faz parecer.

Outra coisa, é que as músicas estão recheadas de orquestrações e coros (muitíssimo bem inseridos, devo dizer), além de várias camadas de guitarras que exaltam ainda mais a capacidade de Andreas. Mas e ao vivo? A banda sente demais a falta de uma outra guitarra ao vivo, já que a banda não pretende efetivar alguém, que use um músico contratado, oras. E vão ter que usar muitos samples, o que pode comprometer a natureza da performance de uma banda como o Sepultura. Fora que ao vivo ninguém entende o que o Derrick canta, e nesse álbum seu trabalho vocal é impressionante.

Mas enfim, você meu amigo que é viúva dos Cavaleras: Esqueça a banda que gravou Arise, Morbid Vision e Roots. Já era. Mesmo que Max e Igor voltassem amanhã pra banda, ela NUNCA mais soaria dessa forma. E sabe por quê?

Porque as pessoas EVOLUEM, meus amigos. A carreira de Max, Igor e Sepultura caminhou mais tempo separados que juntos a essa altura e eles não são mais ou mesmos.

Superem a separação da banda (afinal de contas, já fazem 23 anos porra!), curtam o Cavalera Conspiracy (que é foda), Curtam o Soulfly (que tem lançado álbuns fodas também) e ouçam os álbuns do Sepultura sem Max, principalmente esse Quadra.

Ao invés de lamentar que uma banda nunca mais voltará a ser como você queria, celebre que dessa cisão nasceram três boas bandas, conselho de amigo.

Você só tem a ganhar.


Outras resenhas de Quadra - Sepultura

Quadra: a consolidação do novo SepulturaQuadra
A consolidação do novo Sepultura

Sepultura: O asteroide que rompeu a estratosfera do caosSepultura
O asteroide que rompeu a estratosfera do caos

Sepultura: O gigante permanece se agigantandoSepultura
O gigante permanece se agigantando

Sepultura: Quadra é o melhor álbum da banda em mais de vinte anosSepultura
Quadra é o melhor álbum da banda em mais de vinte anos

Sepultura: a síntese perfeita entre o velho e o novoSepultura
A síntese perfeita entre o velho e o novo

Sepultura: Mais sólido do que nunca em QuadraSepultura
Mais sólido do que nunca em Quadra

Sepultura: Novo álbum é mais um tapa nos fãsSepultura
Novo álbum é mais um tapa nos fãs




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Sepultura"


Sepultura: Se essa banda não for a verdadeira, eu não sei qual há de serSepultura
Se essa banda não for a verdadeira, eu não sei qual há de ser

Sepultura: Andreas Kisser entrevista a banda e a si mesmo para explicar novo discoSepultura
Andreas Kisser entrevista a banda e a si mesmo para explicar novo disco

Quadra: a consolidação do novo SepulturaQuadra
A consolidação do novo Sepultura

Em 20/02/1996: Sepultura lançava Roots, último disco a contar com Max Cavalera

Zé do Caixão: o que ele pensava sobre o Iron Maiden e bandas pesadas preferidasZé do Caixão
O que ele pensava sobre o Iron Maiden e bandas pesadas preferidas

Zé do Caixão: mestre do terror brasileiro, José Mojica Marins morre aos 83 anosZé do Caixão
Mestre do terror brasileiro, José Mojica Marins morre aos 83 anos

Collectors Room: os 50 melhores discos do metal brasileiroCollectors Room
Os 50 melhores discos do metal brasileiro

Sepultura: O asteroide que rompeu a estratosfera do caosSepultura
O asteroide que rompeu a estratosfera do caos

Regis Tadeu: o que ele achou do Quadra, o novo álbum do Sepultura?Regis Tadeu
O que ele achou do Quadra, o novo álbum do Sepultura?

Sepultura: Mike Portnoy faz elogios ao novo álbum da banda, QuadraSepultura
Mike Portnoy faz elogios ao novo álbum da banda, "Quadra"

Soulfly: Max fala da morte do enteado, irritação com o Sepultura e abuso de drogasSoulfly
Max fala da morte do enteado, irritação com o Sepultura e abuso de drogas

Sepultura: reunião com Max Cavalera teria de acontecer naturalmente, diz Paulo Jr.Sepultura
Reunião com Max Cavalera teria de acontecer naturalmente, diz Paulo Jr.


Dane-se Bruce Dickinson: Simone Simons no metrô é muito melhorDane-se Bruce Dickinson
Simone Simons no metrô é muito melhor

Andre Matos: Não estava preparado para cantar no Maiden!Andre Matos
"Não estava preparado para cantar no Maiden!"


Sobre Thiago Barcellos

Analista de TI, músico multi-instrumentista e ainda compra CDs das suas bandas favoritas até hoje.

Mais matérias de Thiago Barcellos no Whiplash.Net.

adGoo336 adGooILQ adGoo336