Sepultura: a síntese perfeita entre o velho e o novo

Resenha - Quadra - Sepultura

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ramon Cardinali de Fernandes
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 9

Para aqueles que acompanham a carreira do SEPULTURA pós-Max Cavalera, era nítida a trajetória ascendente da banda desde 2011, com o lançamento de "Kairos". O último álbum, "Machine Messiah" (2017) foi considerado por muitos o melhor disco da fase Derrick. E com razão, ao meu ver. O lançamento de "Quadra" (2020) só reforça a sensação de que o processo de evolução da banda ainda não chegou ao fim. "Quadra" chega para roubar o posto de "o melhor disco da fase Derrick". E se deixarmos de lado as amarras da nostalgia, "Quadra" pode figurar ao lado de clássicos da banda, como "Arise" (1991) e "Chaos A.D." (1993).

Quadra: a consolidação do novo SepulturaDream Theater: os segredos do álbum Octavarium

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O novo disco é uma espécie de síntese entre a sonoridade moderna da banda (consolidada no "Machine Messiah"), e o que havia de melhor na fase clássica da banda (1987-1993). Em "Quadra" estão presentes tanto o thrash/death de "Schizophrenia" (1987), "Beneath the Remains" (1989) e "Arise" quanto o groove de "Chaos A.D.". Mas aqui, todas influências clássicas são ressignificadas e apresentadas numa estética mais moderna, com mais dinâmica e complexidade do que nunca.

Talvez a música que melhor represente esse encontro entre o velho e o novo é a abertura do disco: "Isolation". Não por acaso foi ela a escolhida para ser o primeiro single (e videoclipe) de "Quadra". "Isolation" é uma faixa de absoluto destaque, capaz de captar a atenção do ouvinte logo de cara - mesmo do ouvinte mais cético sobre a capacidade da atual formação do Sepultura.

O álbum segue com diversos destaques. Em termos de riffs, "Quadra" está extremamente bem servido. Para mim, "Means to an End" é um destaque nesse sentido. A faixa é uma sequência brilhante de riffs brutais. Outros destaques nesse quesito são faixas como "Ali", "Capital Enslavement" e a instrumental "The Pentagram" (o título dessa última sendo, provavelmente, um trocadilho com o fato da música ser toda em 5/4). Há grande diversidade estilística nos riffs: ora mais groovados, num estilo "Chaos A.D." e "Roots" (1996), ora mais thashs, ora mais deaths e ora mais progs (me vem à mente possíveis influências de bandas modernas do prog metal como GOJIRA, MASTODON e OPETH). Mas é claro que nem só de riffs se vive a humanidade: "Quadra" também está repleto de solos de guitarra - os melhores, pelo menos, desde "Arise". Reproduzir todos esses riffs e solos de guitarra nos shows será um delicioso problema.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

No departamento de vocais, estamos diante da melhor performance de Derrick Green até hoje. Isso deve, em grande medida, ao produtor sueco Jens Bogren. Nos bastidores da gravação do disco, em cenas divulgadas pela banda em seu canal oficial do YouTube, é notável o quanto o produtor exigiu do vocalista, em termos de ousadia e superação técnica. No refrão da música "Raging Void" há, por exemplo, o uso de belíssimas harmonizações nos vocais - algo raríssimo na discografia do SEPULTURA até então. Os vocais mais limpos de Derrick, que já apareceram em trabalhos anteriores, estão melhores do que nunca em músicas como "Guardians of Earth" e "Agony of Defeat" (essas duas, inclusive, entram para meu rol pessoal de melhores músicas do SEPULTURA). Há inclusive um dueto entre Derrick e Emmily Barreto, vocalista da banda FAR FROM ALASKA, na última faixa, "Fear, Pain, Chaos, Suffering". Todas as novidades dos vocais acrescentam ainda tempero melódico e dinâmico às composições.

Na bateria, é desnecessário elogiar a criatividade e técnica de Eloy Casagrande. Mas como baterista amador que sou, faço questão de chover nesse molhado. Todas as músicas (com exceção da instrumental acústica, "Quadra") são um show à parte de Eloy. Sua entrada no Sepultura foi fundamental para a consolidação dessa nova fase de ouro da banda. Parece que a chegada de um músico tão técnico como Eloy forçou os antigos integrantes da banda a "correrem atrás" do jovem baterista. Já ouvi e li várias vezes comentários como "Eloy merecia uma banda mais técnica que o SEPULTURA...". Pois bem! A chegada de Eloy, em 2012, colocou em marcha um processo à parte de evolução técnica de Derrick e Andreas que culmina agora no "Quadra" - o disco mais complexo (tecnicamente falando) na história do SEPULTURA. "Machine Messiah", o álbum anterior, já sinalizava isso. Mas agora a evolução é definitiva.

Ainda nesse sentido, uma segunda contribuição de Eloy ao SEPULTURA é que, aliada a sua técnica apurada, o baterista entrega também bastante criatividade e versatilidade. Eloy assumiu uma tarefa que, desde a saída de Max, cabia quase que exclusivamente à Andreas: a tarefa de compor. Desde o álbum anterior já ficava claro um flerte com gêneros até então pouco familiares à banda, como o já mencionado prog metal, por exemplo. Isso é sem dúvidas um sinal da influência de Eloy nas composições. Sua participação ativa no processo criativo expandiu, e muito, os horizontes artísticos da banda - ainda que com um respeito à identidade musical que foi construída pelo SEPULTURA ao longo dos anos.

Pela primeira vez, portanto, as performances de Andreas e Derrick estão tecnicamente à altura da bateria de Eloy. Nesse contexto, talvez o único ponto fraco do disco seja as linhas de baixo de Paulo Xisto, que continuam tão discretas como sempre. É uma pena pois a sensação é de que, em vários momentos do disco, a complexidade das composições pedissem mais do baixo. Mas Paulo não entrega. De qualquer modo, o baixista terá que suar bastante a camisa para acompanhar o ritmo de seus companheiros executando as novas músicas nos palcos.

Por fim, "Quadra" é um disco que força até o maior dos saudosistas da era Max Cavalera à reconhecer sua qualidade. Mesmo após o excelente "Machine Messiah", a banda segue sua evolução e consegue entregar um álbum ainda melhor e mais maduro. Repleto de riffs de qualidade, solos, criatividade rítmica, belos momentos acústicos e bastante dinâmica, considero que estamos diante de uns melhores álbuns da história da banda. É a síntese perfeita entre o velho e o novo.

1. Isolation - 00:04:56
2. Means To An End - 00:04:39
3. Last Time - 00:04:27
4. Capital Enslavement - 00:03:40
5. Ali - 00:04:12
6. Raging Void - 00:03:57
7. Guardians Of Earth - 00:05:11
8. The Pentagram - 00:05:20
9. Autem - 00:04:06
10. Quadra - 00:00:46
11. Agony Of Defeat - 00:05:51
12. Fear; Pain; Chaos; Suffering - 00:04:09

Meus destaques pessoais: "Isolation", "Guardians of Earth" e "Agony of Defeat"


Outras resenhas de Quadra - Sepultura

Quadra: a consolidação do novo SepulturaQuadra
A consolidação do novo Sepultura

Sepultura: O asteroide que rompeu a estratosfera do caosSepultura
O asteroide que rompeu a estratosfera do caos

Sepultura: O gigante permanece se agigantandoSepultura
O gigante permanece se agigantando

Sepultura: Quadra é o melhor álbum da banda em mais de vinte anosSepultura
Quadra é o melhor álbum da banda em mais de vinte anos

Sepultura: Quadra é a afirmação finalSepultura
Quadra é a afirmação final

Sepultura: Mais sólido do que nunca em QuadraSepultura
Mais sólido do que nunca em Quadra

Sepultura: Novo álbum é mais um tapa nos fãsSepultura
Novo álbum é mais um tapa nos fãs




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Sepultura"


Quadra: a consolidação do novo SepulturaQuadra
A consolidação do novo Sepultura

Em 20/02/1996: Sepultura lançava Roots, último disco a contar com Max Cavalera

Zé do Caixão: o que ele pensava sobre o Iron Maiden e bandas pesadas preferidasZé do Caixão
O que ele pensava sobre o Iron Maiden e bandas pesadas preferidas

Zé do Caixão: mestre do terror brasileiro, José Mojica Marins morre aos 83 anosZé do Caixão
Mestre do terror brasileiro, José Mojica Marins morre aos 83 anos

Collectors Room: os 50 melhores discos do metal brasileiroCollectors Room
Os 50 melhores discos do metal brasileiro

Sepultura: O asteroide que rompeu a estratosfera do caosSepultura
O asteroide que rompeu a estratosfera do caos

Regis Tadeu: o que ele achou do Quadra, o novo álbum do Sepultura?Regis Tadeu
O que ele achou do Quadra, o novo álbum do Sepultura?

Sepultura: Mike Portnoy faz elogios ao novo álbum da banda, QuadraSepultura
Mike Portnoy faz elogios ao novo álbum da banda, "Quadra"

Sepultura: Paulo Jr espera que a banda siga ativa por alguns anos até pararSepultura
Paulo Jr espera que a banda siga ativa por alguns anos até parar

Sepultura: O gigante permanece se agigantandoSepultura
O gigante permanece se agigantando

Max Cavalera: Por que ele saiu da Roadrunner Records?Max Cavalera
Por que ele saiu da Roadrunner Records?

Dave Grohl: Sepultura é uma de suas bandas favoritas de todos os temposDave Grohl
Sepultura é uma de suas bandas favoritas de todos os tempos


Dream Theater: os segredos do álbum OctavariumDream Theater
Os segredos do álbum Octavarium

Blasfêmias?: Rockstars que atacaram a igreja, Jesus Cristo e DeusBlasfêmias?
Rockstars que atacaram a igreja, Jesus Cristo e Deus


Sobre Ramon Cardinali de Fernandes

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

adGoo336 adGooILQ adGoo336 adGooILQ