Sepultura: Quadra faz deles uma banda sem regras

Resenha - Quadra - Sepultura

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Rodrigo Noé de Souza
Enviar Correções  

Qualquer fã está careca de saber sobre a história do Sepultura. Desde que houve a ruptura entre o Max Cavalera e o restante da banda, os fãs ficaram apreensivos sobre o que aconteceria em relação ao futuro da banda. Quando recrutaram Derrick Green para os vocais, a dúvida ainda permaneceu.

Há 50 anos: nascia Igor Cavalera, um dos maiores ícones do metal nacional

Metalhead: as mulheres mais sexys do Heavy Metal

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Hoje, mais de vinte anos depois, lançaram vários discos, com três bateristas diferentes, e aquele espírito do Sepultura continua intacto. Derrick, Andreas Kisser, Paulo Xisto e Eloy Casagrande mantiveram o mesmo espírito e a pegada brutal, que nunca desperdiçaram.

Depois do bem-sucedido Machine Messiah (2017), a banda se enfurnou na Suécia com o produtor Jens Bogren e lançaram Quadra.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Andreas encontrou no livro The Quadrivium, o conceito de quatro artes liberais: a música, a cosmologia, a geometria e a matemática. Quadra também significa os quatro integrantes do Sepultura, é também o momento de manifestação, quando as coisas acontecem.

Mas, vamos as músicas do disco. Abre com Isolation, o primeiro single e clipe, gravado durante a sua apresentação no Rock In Rio. Uma paulada sem dó nem piedade. Means To An End é também single e clipe, pesado e aquela pegada do Eloy. Derrick vai do gutural ao melódico com maestria em Agony of Defeat, algumas faixas possuem corais, como a já citada Isolation e Guardians of Earth, de causar calafrios.

A faixa-título, composta por Andreas, é a sua Dee (faixa do Randy Rhoads). A última faixa, Fear/Pain/Chaos/Suffering, tem os vocais de Emilly Barreto, do Far From Alaska.

Tudo nesse disco foi bem pensado e bem composto. O destaque vai para as guitarras de Andreas, os vocais de Derrick e o já considerado Neil Peart do Metal: Eloy Casagrande.

Em tempos de pandemia, nada como ouvir um ótimo disco da maior banda brazuka de todos os tempos.

Fonte: Esporro Público
http://www.instagram.com/esporropublico


Outras resenhas de Quadra - Sepultura

Quadra: a consolidação do novo SepulturaQuadra
A consolidação do novo Sepultura

Sepultura: O asteroide que rompeu a estratosfera do caosSepultura
O asteroide que rompeu a estratosfera do caos

Sepultura: O gigante permanece se agigantandoSepultura
O gigante permanece se agigantando

Sepultura: Quadra é o melhor álbum da banda em mais de vinte anosSepultura
Quadra é o melhor álbum da banda em mais de vinte anos

Sepultura: a síntese perfeita entre o velho e o novoSepultura
A síntese perfeita entre o velho e o novo

Sepultura: Quadra é a afirmação finalSepultura
Quadra é a afirmação final

Sepultura: Mais sólido do que nunca em QuadraSepultura
Mais sólido do que nunca em Quadra

Sepultura: Novo álbum é mais um tapa nos fãsSepultura
Novo álbum é mais um tapa nos fãs




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Há 50 anos: nascia Igor Cavalera, um dos maiores ícones do metal nacionalHá 50 anos
Nascia Igor Cavalera, um dos maiores ícones do metal nacional

Killer Be Killed: supergrupo de Max Cavalera confirma novo álbum e libera música; ouçaKiller Be Killed
Supergrupo de Max Cavalera confirma novo álbum e libera música; ouça

Eloy Casagrande: baterista conta como ele entrou no Sepultura (vídeo)Eloy Casagrande
Baterista conta como ele entrou no Sepultura (vídeo)

Sepultura: baterista grava cover de SlipknotSepultura
Baterista grava cover de Slipknot

Slipknot: Eloy Casagrande mostra como tocar People=Shit na bateriaSlipknot
Eloy Casagrande mostra como tocar "People=Shit" na bateria

Sepultura: Rafael Bittencourt participa de Jasco & KaiowasSepultura
Rafael Bittencourt participa de "Jasco & Kaiowas"

Há 27 anos: Sepultura chocava o mundo com o excelente Chaos A.D.

Sepultura: Rafael Bittencourt e Mark Jansen na próxima SepulQuarta

Sepultura: Eloy Casagrande conta como entrou para a bandaSepultura
Eloy Casagrande conta como entrou para a banda

Sepultura: Já imaginou como seria Roots Bloody Roots tocada pelo Slipknot?Sepultura
Já imaginou como seria "Roots Bloody Roots" tocada pelo Slipknot?


Sepultura: o acidente de jet ski de Andreas Kisser nos anos 90Sepultura
O acidente de jet ski de Andreas Kisser nos anos 90

Sepultura: como foi feito Arise, o álbum da banda que Max Cavalera mais gostaSepultura
Como foi feito Arise, o álbum da banda que Max Cavalera mais gosta


Metalhead: as mulheres mais sexys do Heavy MetalMetalhead
As mulheres mais sexys do Heavy Metal

Maridos traídos: Portnoy, Hagar, Osbourne, Waters e Di'AnnoMaridos traídos
Portnoy, Hagar, Osbourne, Waters e Di'Anno


Sobre Rodrigo Noé de Souza

Nasci em 1984. Esse ano não é só o início de uma nova democracia, mas também é o ano em que vários discos foram lançados, como Powerslave (IRON MAIDEN), Stay Hungry (TWISTED SISTER), W.A.S.P., Don't Break The Oath (Mercyful Fate), Slide It In (WHITESNAKE), 1984 (VAN HALEN), The Last In Line (DIO) e, o meu favorito de todos, Ride the Lightning (METALLICA). Sou um aficcionado por Metal, desde AC/DC e ZZ Top, até Anaal Nathrakh e Krisiun.

Mais matérias de Rodrigo Noé de Souza no Whiplash.Net.

Cli336x280 CliIL Cli336x280 CliInline