Matérias Mais Lidas

imagemO hit dos Engenheiros sobre Humberto não querer ser guru dos jovens igual Renato Russo

imagemBeatles: A música que Paul McCartney compôs para calar a boca de Pete Townshend

imagemRoger Waters sobre tocar Pink Floyd sem David Gilmour: "Não tenho problema algum"

imagemSons of Apollo une carisma e técnica em show no Rio com direito a piada de Mike Portnoy

imagemAs 10 músicas mais estranhas do Guns N' Roses, em lista do Ultimate Classic Rock

imagemO hit do Engenheiros do Hawaii frequentemente confundido com confissão de aborto

imagemBlaze achava que Bruce jamais voltaria para o Iron Maiden

imagemJames Hetfield está se divorciando após 25 anos de casamento

imagemAs obscuras músicas favoritas do Red Hot Chili Peppers de John Frusciante

imagemDream Theater: confira possível setlist dos shows da banda no Brasil

imagemTony Iommi diz que Geezer Butler sofreu acidente de barco e quebrou costela

imagemBatera do Polyphia perde click e técnico salva marcando o tempo em sua perna

imagemMaranhão Open Air anuncia line-up com 24 bandas em dois dias

imagemGene Simmons sobre o Ramones: "Punk nos EUA não significava nada"

imagemAudioslave: Tom Morello recorda seu sinistro primeiro encontro com Chris Cornell


Stamp

Sepultura: Uma banda que não precisa provar mais nada a ninguém

Resenha - Mediator Between Head and Hands Must be the Heart - Sepultura

Por Sérgio Fernandes
Em 27/10/13

Parece uma coisa cíclica: sempre que o Sepultura vai lançar um álbum, Max Cavalera começa a citar o nome de sua antiga banda em todas as suas entrevistas. Se na época de "Kairos" (2011), o ex-vocalista da maior banda brasileira de metal preocupava-se em comentar sobre uma possível reunião da dita formação clássica do grupo, agora, nos últimos meses que permearam o lançamento do mais novo trabalho do Sepultura, o senhor Cavalera volta a falar sobre sua ex-banda, mesmo em entrevistas relacionadas ao lançamento de "Savages" (novo trabalho do Soufly) e de seu novo projeto, o Killer be Killed (que contará com integrantes do Mastodon, The Dillinger Escape Plan e o ex-baterista do The Mars Volta).

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

E exatamente para não seguir os passos do próprio Max, vamos nos focar no objeto de análise dessa resenha, sem nos desviarmos do tema em questão! E o que interessa aqui é o álbum "The mediator between head and hands must be the heart", o mais recente trabalho do Sepultura.

Desde o anúncio de que o álbum seria produzido por Ross Robinson (que os fãs mais antigos vão se lembrar por conta de seus trabalhos em "Roots") a expectativa era a da sempre comentada "volta às raízes".

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Se pensarmos bem, o Sepultura nunca se desligou de suas raízes. Desde o começo a banda se reinventa a cada trabalho novo, fazendo com que o seu som sempre mude de álbum para álbum. E esse conceito sempre foi a verdadeira raiz da banda.

Sendo assim, se você continua esperando um novo "Chaos A.D." ou um "Arise parte 2" esqueça. Mas, fato é que "The mediator..." é o álbum mais próximo da fase entre esses dois trabalhos citados anteriormente: mistura as influências de Death Metal do "Arise" com a brasilidade e o experimentalismo um pouco mais contido do "Chaos A.D." (se o compararmos com o "Roots", por exemplo).

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Se em "Kairos" a banda apostou em uma faixa um pouco mais cadenciada para abrir os trabalhos, "Trauma of war" é um belo de um soco na cara! Pesada, rápida, com palhetadas e riffs afiadíssimos de Andreas Kisser e vocais insanos de Derrick Green, que, diga-se de passagem, urra e grita como nunca durante todo o álbum!

"The Vatican" (música escolhida para ser o primeiro clipe do álbum) é uma das músicas mais pesadas e brutais que a banda gravou nos últimos anos. E "Manipulation of tragedy" mantém a mesma pegada, com seus riffs que beiram o black metal e tem um final apoteótico, com blast beats sensacionais de Eloy Casagrande.

Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva

Falando no garoto prodígio do metal nacional, Eloy, com certeza, deu um novo gás à banda. As músicas têm uma pegada mais técnica, como há muito não se ouvia no Sepultura. A impressão que se tem ao ouvir "The mediator.." é que o garoto "forçou" todos a se superarem em seus devidos instrumentos.

Músicas como "Tsunami", "The Bliss of ignorants" e "Grief" são interessantes, mas acabam dando uma abaixada na adrenalina e, provavelmente, não serão muito lembradas em shows. São canções com uma dose maior de experimentalismo e que, em alguns momentos, podem remeter a coisas feitas em álbuns como o "Nation". Principalmente a citada "Grief", que traz Derrick Green em uma interpretação mais introspectiva e com vocais limpos.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"The atheist" , primeiro single desse trabalho, acaba se mostrando uma canção que funciona melhor dentro do contexto do álbum do que isoladamente. Provavelmente aparecerá nos shows, mas também não deve animar tanto.

A porradaria volta com tudo em "Obsessed", que nos brinda, mais uma vez, com uma bela interpretação de Derrick, além de ótimos riffs de Andreas (que se superou nesse álbum) e a bateria técnica e na medida de Eloy. O baixo de Paulo Xisto nem sempre é muito comentado mas, talvez, seja por isso que funcione tão bem para a banda... Vale lembrar que essa canção tem a participação de Dave Lombardo (que dispensa apresentações). Participação essa que, acredito, foi um pouco mal usada, pois a parte em que ele e Eloy "duelam" na bateria é sensacional, mas muito curta.

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Fechando o play, temos o cover de "Da lama ao caos", de "Chico Science e Nação Zumbi", cantada por Andreas, que dá mais cor (verde e amarelo...) ao álbum e finaliza o play de forma muito digna! Homenagem mais do que merecida.

Depois de tantos anos na estrada (e tantos anos após a saída dos irmãos Cavalera) o Sepultura não precisa provar nada a ninguém. Shows nos maiores festivais do mundo, turnês bem sucedidas e um contrato com a maior gravadora de metal mundial já falam por si só. Mas os caras insistem em se superar a cada álbum! Bom para os fãs. Ou melhor, bom para os que ouvem a música antes de criarem conceitos através de entrevistas ou falatório de terceiros...

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal


Outras resenhas de Mediator Between Head and Hands Must be the Heart - Sepultura

Resenha - Mediator Between Head And Hands Must Be The Heart - Sepultura

Resenha - Mediator Between Head And Hands Must Be The Heart - Sepultura

Resenha - Mediator Between Head and Hands Must Be The Heart - Sepultura

Resenha - Mediator Between Head and Hands Must be the Heart - Sepultura

Resenha - Mediator Between Head and Hands Must be the Heart - Sepultura

Resenha - Mediator Between Head and Hands Must be the Heart - Sepultura

Resenha - Mediator Between Head and Hands Must be the Heart - Sepultura

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Dream Theater 2022


publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Iggor Cavalera relembra quando Max foi para delegacia e delegado palmeirense o salvou

"Eu sou um músico abençoado", afirma Max Cavalera

Cinco álbuns marcantes de heavy metal que estão quase fazendo 30 anos - Parte I

Cinco músicos que começaram vida nova após saírem de grandes bandas de heavy metal

Max e Iggor Cavalera: setlists, fotos e vídeos de shows na Audio, em São Paulo

Iggor Cavalera relembra jogo do Palmeiras que viu na torcida do River e quase deu ruim

Se não fosse o Queen, Max Cavalera provavelmente não existiria

Sepultura: setlist, fotos e vídeos de show no Sesc Pompeia, em São Paulo

João Gordo se reencontra com o amigo Iggor Cavalera; "Agora falta zerar com o vovô"

Resenha - Max e Iggor Cavalera (Audio, São Paulo, 07/08/2022)

Discos do Sepultura serviram de inspiração para novo álbum do Soulfly? Max responde

Sepultura: resenha do show em Jundiaí (Sesc Jundiaí, 29/07/2022)

Por que Max Cavalera acha que "Roots" do Sepultura foi rotulado como Nu-Metal

Max e Iggor convidam Jairo, detonam no Rio e alfinetam: "Verdadeiro Sepultura"

Max Cavalera comenta reunião do Pantera e diz que não pensa em se reunir com o Sepultura

Max Cavalera: O Sepultura nunca fez merdas como o Metallica

Sepultura: Uma entrevista sincera e reveladora para Gastão Moreira

Max Cavalera: ele pensa em aposentadoria?

The Simpsons: 10 melhores aparições de roqueiros no desenho

Fotos de Infância: Red Hot Chili Peppers


Sobre Sérgio Fernandes

Paulistano desde abril de 1988, Sérgio Fernandes é baterista da banda CARAPUÇA (www.youtube.com/tvcarapuca), diretor de imagem e produtor multimídia do portal Terra e formado em Rádio e TV pela UNISA em São Paulo no ano de 2009. Ouve rock desde pequeno por influência de seus pais. Entre suas bandas preferidas estão Sepultura, Rolling Stones, Rancid, Muse, Fresno, Slayer e qualquer outra que toque algo que lhe agradar os ouvidos, nunca se fechando a gêneros e estilo, mantendo a mente aberta a novas experiências sonoras. E-mail para críticas e sugestões: [email protected]

Mais matérias de Sérgio Fernandes.