Matérias Mais Lidas

imagemFilho de Trujillo fez guitarra na "Master of Puppets" que toca em Stranger Things

imagemA bizarra exigência de Ace Frehley para participar da última turnê do Kiss

imagemEngenheiros do Hawaii e as tretas com Titãs, Lulu Santos, Lobão e outros

imagemSummer Breeze Open Air Brasil acontece em abril de 2023 em São Paulo

imagemPink Floyd: Suas 10 músicas mais subvalorizadas, segundo a What Culture

imagemMax Cavalera revela como "selou a paz" com Tom Araya, vocalista do Slayer

imagemO álbum do The Who que Roger Daltrey achou "uma m*rda completa

imagemLady Gaga: "o Iron Maiden mudou a minha vida!"

imagem"Stranger Things" traz cena com "Master of Puppets", do Metallica

imagemLobão explica porquê todo sertanejo gostaria, no fundo, de ser roqueiro

imagemO grave problema do refrão de "Eagle Fly Free", segundo Fabio Lione

imagemA opinião de Arnaldo Antunes sobre a competição interna que havia nos Titãs

imagemOuça "World On Fire", faixa do novo álbum do Stratovarius

imagemAlice Cooper diz que em sua equipe "todo mundo é tratado como a banda"

imagemPink Floyd: Gilmour nega alegação de Waters sobre "A Momentary Lapse of Reason"


Stamp

Deep Purple: Stormbringer é um álbum injustiçado?

Resenha - Stormbringer - Deep Purple

Por Ronaldo Costa
Em 08/05/07

Desde o fim da década de 60, o Deep Purple formou com o Led Zeppelin e o Black Sabbath a base fundamental do que viria a se tornar o hard rock e o heavy metal, servindo de influência não apenas para as bandas que surgiriam depois fazendo esse tipo de som, mas também para grupos de outros subgêneros diversos dentro do rock. A banda, que já tinha feito trabalhos excelentes, conseguiu já no início dos anos 70 gravar alguns clássicos absolutos da história do rock, com a clássica formação que ficaria conhecida como MK II (Blackmore, Gillan, Glover, Lord, Paice). Álbuns como "In Rock", "Fireball" e "Machine Head", além do clássico ao vivo "Made In Japan", estão definitivamente em qualquer lista sobre os mais importantes discos de rock. Entretanto, o clima dentro da banda não era (provavelmente nunca foi) lá essas coisas. Com problemas internos cada vez mais evidentes, o Purple lança um álbum que não repete o mesmo êxito de seus antecessores ("Who Do We Think We Are"). Na seqüência, Ian Gillan e Roger Glover deixam a banda (há controvérsias se saíram espontaneamente ou se foram "convidados a se retirar").

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Recomeçar seria muito difícil, ainda mais achar alguém que substituísse dois músicos como Gillan e Glover. A procura por um novo baixista terminaria com a entrada de Glenn Hughes, que estava no Trapeze e que além de bom baixista, cantava e muito. A busca por um novo vocalista repousava na idéia firme de Ritchie Blackmore e Jon Lord que Paul Rodgers era um nome adequado para a banda. No entanto, Rodgers permaneceu muito pouco tempo na banda, sem deixar nada registrado, pois logo sairia para montar um outro projeto, o Bad Company. Para o posto de vocalista é recrutado então um jovem desconhecido, chamado David Coverdale. Com esse time, estava criada uma outra formação clássica do Purple, a MK III (Blackmore, Coverdale, Hughes, Lord, Paice). Seu álbum de estréia já foi o também clássico "Burn", que agradaria em cheio até os fãs mais radicais, inclusive com os ‘duelos’ vocais entre Coverdale e Hughes que, na verdade, eram duetos que beiravam a perfeição. Apesar de o Purple ressurgir com uma formação extremamente eficiente e fazendo sucesso, as influências que os dois novos integrantes traziam à banda pareciam não agradar muito a Blackmore.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O álbum seguinte na trajetória da banda seria "Stormbringer", trabalho este que foi capaz de dividir opiniões entre os fãs e desencadear animadas discussões entre os que vêem nele enormes qualidades e os que percebem justamente a falta delas, isso sem falar nos que admitem a qualidade técnica e instrumental presente no disco, mas que consideram que aquele som não condiz com o verdadeiro Deep Purple. Não bastasse isso, Ritchie Blackmore não gostou nada do resultado que viu e ouviu, tanto não gostou que resolveu abandonar o barco e tocar a vida adiante com o seu Rainbow.

Mas vamos aos fatos. Com um lineup muito melhor entrosado e seguro de si após a boa acolhida a "Burn", as influências de Coverdale e Hughes sobre o som do grupo tornar-se-iam muito mais fortes e evidentes. Glenn Hughes exalava todas as suas influências ‘funky’, cheias de balanço e com um groove todo peculiar. Já Coverdale dava os primeiros passos naquelas que se tornariam suas principais características e que seriam fartamente exploradas em seus anos de Whitesnake. É justamente a combinação dessas características com o hard rock de raiz levado adiante pela banda, sobretudo pela influência de Blackmore, que fazem de "Stormbringer" um álbum excepcional, essencial na discografia da banda e de um ‘feeling’ e eficiência enormes.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Não é questão de dizer que ele seja melhor que a fase clássica da MK II, ou mesmo falar que ele supera "Burn", mas a julgar pelas composições desse disco, além da execução impecável e cheia de ‘raça’ de suas músicas, "Stormbringer" pode ser considerado um trabalho injustamente subestimado, já que estamos falando de um excelente álbum de rock que é menosprezado por uma quantidade considerável de fãs.

A faixa de abertura, que leva o mesmo nome do álbum, é totalmente Blackmore, com seu riff poderoso e um vocal agressivo e voltado para o hard rock clássico, o mesmo hard que podemos observar também em outras faixas como "Lady Double Dealer" e "High Ball Shooter", destacando ainda que a levada de Hughes no baixo e os duetos vocais entre ele e Coverdale não fazem feio e se encaixam perfeitamente bem com o clima dessas canções. Entretanto, a mão de Glenn Hughes se faz presente e de forma escancarada em músicas como "Holy Man", simples mas cheia de sentimento, além de "You Can´t Do It Right", provavelmente a que mais carrega influências suas, e "The Gypsy". O álbum termina com a belíssima "Soldier Of Fortune", uma balada extremamente tocante, onde a voz de Coverdale transmite um clima de tristeza que realmente comove. O som de Blackmore, conforme já pudera ser visto antes em "Burn", parecia um pouco mais veloz. Jon Lord curiosamente não compareceu nesse álbum com o mesmo destaque de outras ocasiões, o que de forma alguma significa que seu trabalho não tenha sido bom. Já Ian Paice, bem, este é um cara que parece nunca ter passado por maus momentos, musicalmente falando.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"Stormbringer" é um álbum diferente, que carrega influências diversas e, por isso mesmo, atinge um resultado final eficaz e satisfatório. Conforme foi dito antes, provavelmente não é o melhor trabalho da carreira do Purple, mas isso está muito longe de não reconhecer todas as qualidades que tem ou querer classificá-lo apenas como um trabalho mediano e menor na discografia da banda. É possível que o desapontamento de Ritchie Blackmore com a obra e sua posterior saída da banda possam ter influência sobre a avaliação de algumas pessoas. Apesar disso, já à época de seu lançamento, este foi um disco que dividiu opiniões e que não deixou muito espaço para o meio-termo. É claro que existiam exceções mas, geralmente, ou era adorado ou era execrado. Estes são os motivos que o fazem figurar nessa lista sobre álbuns historicamente injustiçados.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

E você? Também acha "Stormbringer" um álbum injustiçado ou acredita que isso tudo não passa de balela pra tentar justificar um ponto baixo na carreira do Deep Purple? Seja qual for a sua opinião, o importante é que você possa registrá-la, se possível após mais algumas audições desse disco.


Injustiçados

Resenha - Born Again - Black Sabbath

Resenha - Somewhere In Time - Iron Maiden

Resenha - And Justice For All - Metallica

imagemResenha - Caress Of Steel - Rush

Resenha - (Music From) The Elder - Kiss

Resenha - Falling Into Infinity - Dream Theater

imagemResenha - X Factor - Iron Maiden

Resenha - Ultimate Sin - Ozzy Osbourne

Resenha - Presence - Led Zeppelin

Resenha - Who Do We Think We Are - Deep Purple

Resenha - Man Who Would Not Die - Blaze Bayley

Todas as matérias sobre "Injustiçados"


Outras resenhas de Stormbringer - Deep Purple

Resenha - Stormbringer - Deep Purple

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Airbourne 2022
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp




Sobre Ronaldo Costa

Nascido na capital paulista em meados dos anos 70, teve a sorte de, ainda bem jovem, descobrir por meio de um primo o debut do Iron Maiden. Quando ouviu "Prowler" pela primeira vez, logo entendeu que aquilo passaria a fazer parte de sua vida. Gosta sobretudo dos clássicos, como Maiden, Judas, Sabbath, Purple, Zeppelin, Metallica, AC/DC, Slayer, mas ouve desde um hard bem leve até um bom death metal. Além da paixão pelo metal e pelo rock em geral, também adora cinema e um bom futebol.

Mais matérias de Ronaldo Costa.