Sunday Blood Sunday: com cinco bandas de Metal carioca

Resenha - Sunday Blood Sunday (Teatro Odisséia, Lapa, RJ, 13/11/2011)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Marcos Garcia
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Tarde de domingo, no conhecido bairro da Lapa, em meio a um feriado prolongado, o Teatro Odisséia (que cada vez mais se afirma como um point do underground Metal) recebeu mais uma versão do Garage (onde inclusive foram filmados algumas cenas de um documentário sobre a cena Metal carioca, feito por Fábio Costa, mais conhecido no meio underground como Fábio Garage, uma vez que o mesmo é um dos maiores incentivadores do underground carioca em vinte anos), chamada 'Sunday Bloody Sunday', onde 5 bandas do Metal carioca fizeram um ótimo evento. Pena o público ter sido não muito volumoso, mas a tendência é melhorar.

Atenção músicos: vocês estão f-u-d-i-d-o-sGuns N' Roses: tudo parece muito surreal para Slash

A tarde foi aberta pela banda PERISTALTIC MOVEMENTS. Com sua música baseada no Floridian Death Metal mais agressivo (na escola de bandas como SUFFOCATION e CANNIBAL CORPSE), o quarteto fez um show competente, com boa postura (apesar do palco reduzido devido à presença de vários equipamentos sonoros), e sua música (ora mais rápida, ora mais cadenciada) está cada vez mais coesa, intensa e evoluída. Músicas comon ‘Livid’, ‘Bizarre’ e ‘Epiletic’ dão a impressão de um bom futuro vindouro, mas ainda acredito que uma segunda guitarra iria dar ainda mais ‘punch’ à sonoridade deles.

Imagem

A segunda banda foi o HORRIFICIA, que fez um bom show. A movimentação da banda é boa (pode melhorar), a música que o quarteto toca é bem sólida (uma mistura de Grindcore com alguns elementos de Thrash e Noise), direta e empolgante. Canções como ‘Eu Cuspo na Sua Tumba’ e ‘Snnuffete’ mostram potencial, e a postura de seu frontman Valdo é muito boa.

Imagem

O quinteto de São Gonçalo (RJ) EXHUMED CHRIST foi o terceiro grupo da já noite. Mais voltados ao Death/Black Metal, eles que fez um show muito bom, e embora a banda tenha sofrido várias mudanças em sua formação, sua música está ainda mais compacta, com riffs de guitarra mais brutos, e com bons arranjos, ora velozes e ora mais cadenciados. O palco diminuto levou os rapazes a terem uma postura um pouco mais contida, mas a energia de seu set é algo a ser considerado. Músicas próprias, como ‘Lies of Christianity’, ‘Devotion in a Dark Messiah’, e versões de ‘Screechs from the Silence’, do SARCÓFAGO, e ‘Conquer All’, do BEHEMOTH, deixaram uma ótima impressão para o futuro vindouro.

Imagem

Após um tempo de espera, um dos nomes mais aguardados da noite sobre ao palco, o quarteto CASTIFAS, que retorna aos palcos com sua nova formação (além do vocalista Hoertel e do guitarrista Deathcult, estão Lord Nuctemeron Daemon e Lord Anti-Christ, ambos do IMPACTO PROFANO, no baixo e bateria, respectivamente). Sua música é o bom e velho Black Metal que pretere a velocidade em prol de uma musicalidade mais azeda, mórbida, ríspida e climática, como as bandas da Second Wave of Black Metal da Noruega. Com um set baseado em músicas antigas (pois o quarteto tem suas origens nos anos 90), muitas pessoas agitaram até o torcicolo ser evidente ao som de ‘Pure Evocation’, ‘Into the Cerimonial Sodom’, ambas do EP ‘Journey Through the Darkness Path’, e uma nova, ‘Lucifer, my Master’, e a própria banda tem uma postura ótima, especialmente o vocalista Hoertel. Bela volta, e desejamos que continuem por muito tempo.

Imagem

O quarteto UNEARTHLY, desfilando seu Death/Black violento e rápido, encerrou a noite com trancas de aço. Lançando seu novo CD, ‘Flagellum Dei’, a banda mostra que o profissionalismo e o underground podem unir-se sem traumas, pois seu show foi muito bom, com ótima postura de palco, e seu set mescla músicas de seus discos anteriores’ como ‘Black Metal Commando’, ‘Days of Storm for Christian Souls’ (ambas com uma roupagem mais atualizada), ‘Revelations of the Holy Lies’, e as do novo disco, como ‘Seven Six Two’ (tenham certeza que se tornará um dos hits da banda em seus shows vindouros), ‘Baptized in Blood’ e ‘My Fault’, com destaques para o frotman Eregion e o guitarrista Vinnie Tyr. Um detalhe que saltou os olhos: o show da banda estava sendo filmado e transmitido para a Austrália, para a agência que cuidará dos interesses da banda fora do país.

Imagem

Um ótimo evento, e um prenúncio de que outros virão ainda melhores e com mais estrutura.

Quer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Todas as matérias e notícias sobre "Unearthly"

Metal Nacional
Confira bandas que se destacaram em 2015

Death Metal
Mais cinco álbuns nacionais que você deve escutar

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Unearthly"Todas as matérias sobre "Castifas"Todas as matérias sobre "Exhumed Christ"

Indústria
"Atenção músicos: vocês estão f-u-d-i-d-o-s!"

Guns N' Roses
Tudo parece muito surreal para Slash

Van Halen
"Ah, o que esses olhos viram!", diz segurança

O Som do LP de vinil é superior?: Sabe de nada, inocente!Lars Ulrich: jucando no camarim do Guns N' RosesMetallica: prejudicando as finanças da Igreja UniversalSebastian Bach: "Entendo porque Gene não trabalha mais com Ace Frehley"Fotos de Infância: Ozzy OsbourneIdioma: bandas que já cantaram em sua língua natal

Sobre Marcos Garcia

Marcos Garcia é Mestrando em Geofísica na área de Clima Espacial, Bacharel e Licenciado em Física, professor, escritor e apreciador de todas as subdivisões de Metal, tendo sempre carinho pelas bandas mais jovens e desconhecidas do público, e acredita no Underground como forma de cultura e educação alternativas. Ainda possui seu próprio blog, o Metal Samsara, e encara a vida pela máxima de Buda "esqueça o passado, não pense no futuro, concentre-se apenas no presente".

Mais matérias de Marcos Garcia no Whiplash.Net.

Link que não funciona para email (ignore)

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online