Resenha - Colony (Souza Lima, São Paulo, 20/08/2004)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Carlos Eduardo Corrales
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Fotos por Cinthia Mayumi Saito

Após uma rápida apresentação do projeto presidida pelo batera Fabiano Manhas e pelo tecladista Rodrigo Simão (que também toca teclado no Dr. Sin), o show começa com a pesada Lady Butterfly. Pouco depois de seu início, um corcunda narigudo (veja foto) entra no palco lentamente e fica olhando para a platéia como um animal em um daqueles Freakshows do passado. Logo em seguida, ele joga uma bombinha de fumaça no chão, revelando que o corcunda é, na verdade, o vocalista Rodrigo Guess.

Para quem não conhece a banda, eles fazem um belo Prog Metal com todas as características que os fãs do estilo adoram, com muitos solos e técnica instrumental altíssima, além de uma presença de palco empolgante, com destaque para o vocalista que, além de agitar da forma tradicional, também fica fazendo umas caretas muito engraçadas. Outro que merece destaque é Rodrigo Simão, que toca seu teclado com uma presença que lembra muito a de um maestro.

Quando a música termina, um pequeno solo do tecladista é executado, no qual ele tocou trechos de dois clássicos da música: Tocatta e Fuga, de Bach e Perfect Strangers, do não menos clássico Deep Purple. Seguem com a melódica Echoes, na qual o vocalista fingiu estar pintando um quadro, que já trazia um cenário “pré-pintado). Ao término da música, Theo, o guitarrista, começa seu solo individual, enquanto Guess continua pintando o seu quadro, dessa vez de verdade, atitude que seguiria durante todo o show.

Wake Up vem a seguir, emendada com Look At The Horizon, ambas bem empolgantes e que denunciam as influências clássicas da banda. A instrumental Fight Of Gods é a próxima e traz um generoso solo de bateria.

O vocalista volta a assumir seu posto e apresenta a próxima música Colonizer Part I – The Marching Time, dizendo que é uma música que fala sobre amar a vida e saber ser feliz. Essa música é uma bela balada, com um lindo solo de guitarra repleto de feeling. Obviamente, a próxima música é a segunda parte de Colonizer, batizada de The Journey, que traz de volta o peso da banda e suas influências clássicas, novamente com destaque para o belo solo de guitarra.

A banda é apresentada e começam a tocar a última música, Living Like An Angel, também dividida em duas partes, sendo a primeira lenta e a segunda pesada dando aquele clima de final de show. A banda agradece a presença de todos e abre espaço para perguntas da platéia. Dessas perguntas, a parte mais interessante foi o momento em que todos os músicos falaram suas influências. Vamos por partes.

Rodrigo Simão (teclado) foi o primeiro e suas influências são até óbvias: Keith Emerson, Rick Wakeman e Jon Lord. Também declarou que tocar Hammond é complicado, pois “se você não souber usá-lo, ele te engole”. O baixista Victor Martins fala em seguida: Geddy Lee, Billy Sheehan e o deus Jaco Pastorius.

Quando chegou a vez do guitarrista Theo Machado, Guess interrompeu falando com voz extremamente aguda “Petrucci, Petrucci, eu amo o Petrucci”. Após risadas gerais, Theo revela ter sido iniciado por Metallica, mas suas principais influências são Petrucci, Vai e Morse. Também destacou Edu Ardanuy que, segundo ele, utiliza o bom gosto a favor da música.

Fabiano Manhas (teclado): “Van Halen e Dream Theater, apesar de não gostar mais de Dream Theater há quatro ou cinco anos. Musicalmente falando, fui influenciado por Satriani, Vai e até Sertanejo”.

A hora da vingança chegou e quando Guess pegou o microfone, Theo interrompeu falando com a mesma voz extremamente aguda “Dio, Dio, adoro o Dio”. Risadas gerais novamente e o vocalista começou dizendo que suas primeiras influências foram Bach e Mozart, mas que aos sete anos, teve seu primeiro momento de rebeldia quando conheceu Ozzy Osbourne. “Chega de ser bonzinho, quero ser igual a ele” comenta. E continua: “Hoje considero Ozzy um artista, mas como vocalista eu quis mais, então conheci Ronnie James Dio e Ian Anderson, além de Peter Gabriel, que me influenciou muito, performaticamente falando. Também gosto de Malmsteen, Blackmore e até do Dave Mustaine”.

Como ninguém mais parecia ter perguntas, a banda novamente agradeceu a platéia, que começou a pedir bis. “O que vocês querem ouvir?” perguntaram e a galera responde: “Metropolis!”. Falaram então que nessa data seriam apenas músicas do Colony e ainda tocaram mais três reprises: Wake Up, Echoes e Lady Butterfly.

O show termina e a banda, muito atenciosa, continua no recinto conversando com a galera. Foi um ótimo show, mas deixou aquela vontade de conhecer a Ópera Rock da banda, batizada de Amada Imortal e que conta até com presença de atores interpretando a história, coisa que nem o Avantasia (uma das Metal Operas mais bem sucedidas) fez. Infelizmente, não existe previsão para as próximas apresentações do projeto, mas espero ter o prazer de assistí-lo em breve.

Conheça o trabalho do Colony. No site www.colonyweb.cjb.net tem duas músicas completas para download.

Quer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Colony"

News.com.au
Guns, Floyd, Lynyrd e Van Halen são os melhores solos?

Angra
Problemas não se resolvem com sonho de doce de leite

Bruce Dickinson
Ouça o alcance de quatro oitavas do vocalista

AC/DC: a história do nome e a idéia do uniforme de AngusPara tocar: O que são tablaturas e como usá-las?Separados no nascimento: Tuomas Holopainen e Roberto JustusOs roqueiros mais chatos das redes sociaisSlipknot: Corey Taylor manda expulsar mais um fã de showGuns N' Roses: sem integrantes legítimos, uma banda tipo Menudo

Sobre Carlos Eduardo Corrales

Carlos Eduardo Corrales é jornalista e fotógrafo há oito anos. É editor-chefe do Delfos - www.delfos.jor.br - o maior site nerd de jornalismo parcial reflexivo humorístico do mundo. Sua principal característica é não levar nada a sério, até mesmo quando fala sério. A única exceção, claro, são os ensinamentos do Deus Metal. Com esse ele não brinca, pois não quer que o Vento Preto venha tirar satisfação.

Mais matérias de Carlos Eduardo Corrales no Whiplash.Net.

Link que não funciona para email (ignore)

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em agosto: 1.237.477 visitantes, 2.825.604 visitas, 7.034.755 pageviews.

Usuários online