Djinn and Miskatonic: da Índia mas não precisa disso para sobressair

Resenha - Even Gods Must Die - Djinn and Miskatonic

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Marcelo Hissa
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 7

Dos recôndidos da Índia o quarteto Djinn and Miskatonic lança seu novo álbum doom metal: Even Gods Must Die. Após uma breve sepração em 2013 após a estréia com Forever in the Realm a banda decidiu retornar no ano seguinte, mas ainda assim foram necessários 5 anos para o lançamento desse segundo álbum. Doom metal sempre incita nossa atenção, principalmente quando feito longe da Europa.

Slash: Um dia Michael Jackson ficou puto com ele?Em vídeo: A diferença entre ser músico e ser rockstar

As 6 longas músicas que compõem o álbum são construídas em cima de uma morosidade doom intensa. I, Zombie que abre o álbum começa dando uma ambientação suave e evolui em longos riffs distorcidos, daqueles fácies de tocar, mas difícil de compor. O trabalho de bateria fica num ritmo elementar ecoando o clima fúnebre que se torna ainda mais calamitoso com o os cânticos graves cheios de ecos. Nos últimos 3 minutos surgem nuances stoner em melodias mais curvilíneas. O vocal que tem espírito gregoriano por vezes se flexibiliza para uma toada mais black/death metal, ainda que em nunca perca a compostura doom. Bones Of My Brothers destaca ainda mais essa dualidade do vocal ópera-grave com a distorção death. A música também tem o floreio delirante com um aumento súbito de velocidade e ritmo mais ágil, típica do heavy rock. Doombringer se destaca pela aura setentista decorrente da climatização emitida pelos teclados psicodélicos. Frost And Steel é a mais agressiva, se aumentasse um pouco na velocidade se tornaria um Thrash primeira, é das faixas àquela que mais induz à um inconsciente bater de cabeça.

A única pista que Even Gods Must Die foi criado na Índia vem da bela capa. Sem ter que apelar para instrumentos exóticos, "sonoridade local", "pedigree indiano", o Djinn and Miskatonic fez um Doom magistral cosmopolita. Nada contra a utilização de elementos da cultura local, o problema é que muita banda medíocre não consegue andar sem essas muletas.

TrackList
1.I, Zombie 15:36
2.Bones of My Brothers 09:19
3.Doombringer 09:10
4.Frost and Steel 05:37
5.Harvest of Kings 12:16
6.Hangman's Hope 10:24

Fonte:
http://reviewscds.blogspot.com.br/ -




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Djinn and Miskatonic"


Slash: Um dia Michael Jackson ficou puto com ele?Slash
Um dia Michael Jackson ficou puto com ele?

Em vídeo: A diferença entre ser músico e ser rockstarEm vídeo
A diferença entre ser músico e ser rockstar

Eric Clapton: saiba mais sobre a doença que o acometeuEric Clapton
Saiba mais sobre a doença que o acometeu

Solos de guitarra: lista dos 50 melhores segundo a NMESolos de guitarra
Lista dos 50 melhores segundo a NME

Evanescence: estranha criatura em foto de Amy Lee com seu filhoEvanescence
Estranha criatura em foto de Amy Lee com seu filho

Creed: música salvou garoto de ataque de lobosCreed
Música salvou garoto de ataque de lobos

Tragédias: 10 das piores ocorridas em shows de Rock e MetalTragédias
10 das piores ocorridas em shows de Rock e Metal


Sobre Marcelo Hissa

Médico em horário comercial, fanático e colecionador de música em tempo integral. Tipo de música preferida: a boa, se tiver peso melhor ainda.

Mais matérias de Marcelo Hissa no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336