RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas

imagemA música de Raul Seixas que salvou a carreira de Chitãozinho e Xororó

imagemPor que Lemmy odiava tocar "Ace of Spades" nos shows do Motörhead

imagemOs 10 maiores álbuns da história do grunge, em lista do Brave Words

imagemOmelete diz que heavy metal pertence agora à nova geração e não ao tiozão headbanger

imagemPaul McCartney quase foi atropelado ao tentar recriar famosa cena de capa de disco

imagemO Raul Seixas não era nada daquilo que ele falava, diz ex-parceiro musical

imagemO que faltou para o Overkill entrar no "Big Four" do thrash, segundo D. D. Verni

imagemQual era a opinião de Tony Iommi sobre Ozzy Osbourne solo e Randy Rhoads em 1984?

imagemA atitude punk da Legião Urbana que causou irritação e deu trabalho na gravação

imagemO brasileiro com a voz parecida com a de Axl Rose que viralizou no TikTok

imagemO hit dos Beatles que talvez seja sobre drogas e que "Jesus" acompanhou gravação

imagemComo Tommy Lee e o Mötley Crüe ajudaram Axl Rose a escrever "November Rain"

imagemO conselho realista de John Petrucci para bandas que estão começando agora

imagemQuatro músicas de artistas brasileiros que citam Os Paralamas do Sucesso

imagem"Quem não gosta de Beatles bom sujeito não é", diz João Gordo


Stamp

Angra: Temos o mais novo marco da banda

Resenha - Ømni - Angra

Por Renan Soares
Postado em 21 de fevereiro de 2018

Nota: 9

Após o italiano Fabio Lione ter provado ser um vocalista a altura para os microfones do Angra no disco Secret Garden, de 2015, os fãs das bandas aguardaram ansiosamente pelo lançamento do Omni.

O novo trabalho leva em suas letras uma temática com conceitos de caráter mais filosóficos, se baseando bastante no conhecido mito da caverna de Platão. O Omni também é o primeiro disco da banda com o Marcelo Barbosa na guitarra, que vem substituindo Kiko Loureiro enquanto o mesmo tem se dedicado ao Megadeth.

O álbum mal foi lançado e já está dando o que falar, as duas primeiras faixas liberadas (e também as duas que abrem o disco) "Light Of Transcendence" e "Travelers of Time" mostraram aquela sonoridade que todos esperam e amam da banda, um power metal pesado, rápido e mostrando toda a potência vocal do Fabio Lione.

Outras faixas que destaco são as "Caveman" e "War Horns", a primeira por abordar de forma mais abrangente o mito da caverna de Platão, tendo inclusive trechos cantados em português, que me fez relembrar um pouco a sonoridade da época do Rebirth. A "War Horns" foi a única faixa com a presença do Kiko Loureiro nas guitarras, sendo também outra música muito boa no disco.

Em "The Bottom of My Soul", o Rafael Bittencourt mostra mais uma vez (assim como já mostrou em algumas faixas do Secret Garden), que além de um ótimo guitarrista, também tem uma boa voz para o vocal. E nessa música em específico, se me permitem o trocadilho, ele tirou todo o sentimento "do fundo da sua alma" e externou na canção.

Mas claro, o destaque principal vai para a música "Black Widow’s Web", canção que contou com a participação da cantora Sandy e da Alissa White-Gluz, vocalista do Arch Enemy.

Claro, muitos estranharam e questionaram a presença da Sandy na música, afinal, como encaixariam a voz "angelical" dela em uma música de metal? Bom, isso foi possível simplesmente não a colocando para cantar trechos mais pesados, tendo então ela cantado apenas na intro e no final da música com um fundo calmo de piano, nada que estivesse fora da realidade dela.

Por isso, prefiro muitos mais destacar a participação da Alissa White-Gluz com seus fortes guturais, fazendo contraponto ao vocal limpo do Lione (uma combinação que para mim sempre dá certo). No mais, por mais que muitos estranhassem, a junção dessas três vozes resultou simplesmente na melhor faixa do Omni (e sim, é bom eles começarem a treinar o gutural pra tocar essa nos shows ha ha).

Os destaques negativos ficam com as duas músicas que encerram o trabalho, a "Omni – Silence Inside" e "Omni – Infinite Nothing". A primeira, por ser uma música mais calma e muito longa, acabou sendo muito cansativa, e a segunda, que é completamente instrumental, na minha opinião seria facilmente descartada, pois, se me permitem mais uma vez o trocadilho, a impressão que tenho ao ouvi-la é de estar ouvindo um "nada infinito" (mesmo isso tendo sido provavelmente proposital).

No mais, o Angra nos entregou mais uma vez um álbum espetacular, provando mais uma vez que a escolha do Lione para os vocais após a saída do Edu Falaschi foi uma das melhores decisões tomadas pelo grupo. Aliás, podemos dizer que o Omni é o melhor disco do Angra desde o Temple of Shadows, e será possivelmente, um dos principais marcos dessa terceira fase na carreira da banda.

TRACKLIST:

01 Light of Transcendence
02 Travalers of Time
03 Black Widow’s Web
04 Insania
05 The Bottom of My Soul
06 War Horn
07 Caveman
08 Magic Mirrors
09 Always More
10 Omni – Silence Inside
11 Omni – Infinite Nothing


Outras resenhas de Ømni - Angra

Resenha - Ømni - Angra

Resenha - Ømni - Angra

Resenha - Ømni - Angra

Resenha - Ømni - Angra

Resenha - Ømni - Angra

Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:
Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps



Ricardo Confessori lança novo método de bateria e destrincha sucessos de Angra e Shaman

Covers: quando bandas de Heavy e Power Metal prestam tributo


publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sobre Renan Soares

Nascido em Recife no dia 03 de novembro de 1994, Renan adentrou ao mundo do rock/metal a partir dos 13 anos de idade e até hoje permanece fielmente no mesmo. Desde que se formou em Jornalismo pela Universidade Católica de Pernambuco, tem se dedicado a conseguir dar a relevância merecida ao nome do estilo.
Mais matérias de Renan Soares.