RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas

imagemO grande amor de Renato Russo que durou pouco mas marcou sua vida para sempre

imagemThiago Bianchi explica sucessão de problemas durante show de Paul Di'Anno

imagemMustaine tentou fazer hit radiofônico e acabou escrevendo a "música mais idiota" do Megadeth

imagemOs 4 fatores determinantes que levaram Renato Russo a dependência química

imagemO clássico da banda Evanescence que a vocalista Amy Lee odiava

imagemMike Portnoy escolhe os álbuns preferidos de sua adolescência

imagemA música de Raul Seixas que salvou a carreira de Chitãozinho e Xororó

imagemA opinião de Paul McCartney sobre a música dos Sex Pistols

imagemA opinião de Slash sobre Dave Mustaine e "Rust In Peace", clássico do Megadeth

imagemOs 10 maiores vocalistas de heavy metal de todos os tempos, em lista do Ruthless Metal

imagemO dia que João Gordo xingou Ayrton Senna por piloto se recusar a dar entrevista a ele

imagemPara John Lennon, os Beatles poderiam ter acontecido sem George e Ringo

imagemOmelete diz que heavy metal pertence agora à nova geração e não ao tiozão headbanger

imagemO megahit de Ana Carolina que todos acharam que era a voz de Cássia Eller

imagemComo Tommy Lee e o Mötley Crüe ajudaram Axl Rose a escrever "November Rain"


Exilio Angel

Angra: "Ømni" é o amadurecimento da era Lione

Resenha - Ømni - Angra

Por Victor de Andrade Lopes
Fonte: Sinfonia de Ideias
Postado em 17 de março de 2018

Nota: 9

Depois de duas trocas de vocalistas, chegou a hora do Angra encarar um novo tipo de mudança: substituição nas seis cordas. Kiko Loureiro saiu para integrar o Megadeth e, em seu lugar, entrou Marcelo Barbosa, sujeito bastante cultuado por aqui após passagens pelo Khallice e pelo Almah, do ex-vocalista Edu Falaschi.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

E sua trajetória no quinteto paulista começa num projeto ambicioso: Ømni, cujo conceito liga os discos anteriores da banda. Uma tarefa complexa, considerando que cada um deles, por si só, já costumava trazer uma ideia sofisticada.

Boa parte do álbum é feito do mais puro power metal: "Light of Transcendence", "Travelers of Time", "Insania", "War Horns", "Magic Mirror"- não por um acaso, são algumas das melhores. Dobradinhas empolgantes nas guitarras, solos fritados, riffs agressivos... o que mais você precisa? "War Horns" poderia receber o injusto rótulo de "aquela faixa com um solo do Kiko", mas ela é possivelmente, e simplesmente, uma das melhores do disco. Ømni traz um "fator uau" equiparável ao do Temple of Shadows, de 2004.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

As demais faixas merecem comentários à parte. "Black Widow's Web", por exemplo, só não funciona na mente de quem não aprecia o estilo ou é limitado demais para "aceitar" que uma cantora como Sandy colabore com o Angra - ainda que Alissa White-Gluz, do Arch Enemy, dê sua contribuição também, como que para lembrar a todos que isto não é nada além de mais uma peça de metal.

É uma história que se repete de tempos em tempos: "Carolina IV", "Unholy Wars" e "Late Redemption" causaram semelhante rebuliço quando foram lançadas. O próprio Kiko fez um interessante comentário a respeito da questão em vídeo publicado em seu canal no YouTube.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Enquanto vocalista, Rafael Bittencourt começa a bater suas asinhas com mais liberdade aqui. Em "Travelers of Time", "Caveman", "Magic Mirror" e "Ømni - Silence Inside", ele oferece um agradável contraste para a voz de Fabio. Já em "The Bottom of My Soul", na qual atua sozinho, não obtém semelhante sucesso. É um trabalho interessante, com um instrumental lento e marcado por fraseados orientais, mas que destoa bastante do resto do disco, comprometendo sua coesão.

"Caveman", como o nome sugere, é tribal, com elementos brasileiros e um pouco de português nas letras, que fazem alusão à Alegoria da Caverna de Platão. Taí uma outra vantagem de se ter Rafael como segundo vocalista: garantia de uma pronúncia adequada do nosso idioma.

Encerrando o álbum, "Ømni - Silence Inside", um power prog elaborado, e "Ømni - Infinite Nothing", que retoma e condensa as frases principais de cada faixa do disco em uma curta peça orquestral, na melhor escola "Gate XIII" ou mesmo "Imaginaerum", do Nightwish.

Os (poucos) pontos baixos de Ømni são "Insania", um trabalho mais comercial que surpreendentemente - e felizmente - não foi o escolhido para ganhar um vídeo; e "Always More" - em que pese trazer uma mensagem bonitinha, destoa quase tanto quanto "The Bottom of My Soul", mesmo para uma baladinha.

O álbum é fenomenal no sentido de que é uma obra de power metal de altíssima qualidade, incorpora elementos eruditos e brasileiros naquela dosagem costumaz deles, tranquiliza os fãs quanto às credenciais de Marcelo e reafirma a capacidade criativa de Rafael, mesmo num time já desfalcado de grandes compositores como Kiko e Andre Matos.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Alguns continuarão dizendo que o Angra perdeu sua essência. Não, não, ela nunca foi perdida, apenas alterada. Pudera, somente um membro restou da formação original. Aliás, uma banda que apresenta uma proposta musical tão requintada dificilmente conseguiria se prender a alguma fórmula.

Como eu não resenhei Secret Garden - que é ótimo, mas ainda inferior a Ømni - aproveito para dizer que a entrada de Fabio Lione no grupo foi benéfica para ambos, mas se colocarmos numa balança, o ganho do italiano é bem maior. Se por um lado ele não é o vocalista perfeito para o Angra, ele ganhou no grupo brasileiro um espaço para desenlatar sua voz e mostrar que ele pode bem mais do que aqueles vocais enjoados do Rhapsody of Fire.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Abaixo, o vídeo de "War Horns":

Track-list:
1. "Light of Transcendence"
2. "Travelers of Time"
3. "Black Widow's Web"
4. "Insania"
5. "The Bottom of My Soul"
6. "War Horns"
7. "Caveman"
8. "Magic Mirror"
9. "Always More"
10. "ØMNI - Silence Inside"
11. "ØMNI - Infinite Nothing"

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Comente: Quem ganhou mais, o Angra com Fabio Lione ou Fabio Lione com o Angra?


Outras resenhas de Ømni - Angra

Resenha - Ømni - Angra

Resenha - Ømni - Angra

Resenha - Ømni - Angra

Resenha - Ømni - Angra

Resenha - Ømni - Angra

Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:
Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps


Stamp

Ricardo Confessori lança novo método de bateria e destrincha sucessos de Angra e Shaman

Covers: quando bandas de Heavy e Power Metal prestam tributo


publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sobre Victor de Andrade Lopes

Victor de Andrade Lopes é jornalista (Mtb 77507/SP) formado pela PUC-SP com extensões em Introdução à História da Música e Arte Como Interpretação do Brasil, ambas pela FESPSP, e estudante de Sistemas para Internet na FATEC de Carapicuíba, onde mora. É também membro do Grupo de Usuários Wikimedia no Brasil e responsável pelo blog Sinfonia de Ideias. Apaixonado por livros, ciências, cultura pop, games, viagens, ufologia, e, é claro, música: rock, metal, pop, dance, folk, erudito e todos os derivados e misturas. Toca piano e teclado nas horas livres.
Mais matérias de Victor de Andrade Lopes.