Angra: Realmente o melhor desde Temple Of Shadows

Resenha - Ømni - Angra

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por João Paulo Pretti
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 9

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Buscando se afirmar nessa terceira fase com praticamente três membros "novos", o Angra surge com OMNI, nono álbum de estúdio, produzido pelo já conhecido Jens Bogren (Opeth, Dimmu Borgir, Sepultura, Arch Enemy), e que realmente tem conseguido apresentar uma sonoridade mais moderna desde Secret Garden (2014), mas que agora mais coeso que esse antecessor.

Marcelo Barbosa: assista a "Big Trouble", novo clipe solo do guitarrista do AngraMetallica: gosto musical impediu que se tornassem um Maiden

O álbum abre com a Speed Metal e já tradicional música de abertura da maioria dos álbuns da banda Light Of Transcendence. Com riffs rápidos e agressivos, essa remete um pouco a Spread Your Fire do aclamado Templo Of Shadows (2004) devido a sua complexidade nos arranjos e refrão forte.

O primeiro single Travelers Of Time (divulgado no fim do ano passado) vem a seguir, que começa com o riff de Marcelo Barbosa alinhado a arranjos de percussão, até cair em um Prog Metal. Mais uma com refrão de destaque, e pela primeira vez com a participação direta do guitarrista Rafael Bittencourt dividindo as vozes com Fábio Lione.

E para mim a melhor música do álbum, Black Widow's Web. Essa começa introspectiva através da cantora Sandy (certamente a maior surpresa do álbum), e cresce com Fábio Lione e Alissa White-Gluz alternando suas partes, até cair no melhor refrão do álbum. A música como um todo é grandiosa, arranjos complexos, grooves de Djent e Prog Metal, e termina novamente com a cantora Sandy. Por conta das várias vozes, talvez não seja tocada ao vivo, mas seria muito legal ouvi - la, pois tende a ficar ainda mais pesada. Tem tudo para se tornar um clássico da banda.

É importante destacar como a banda está coesa, principalmente por conta dos arranjos complexos, porém acessíveis na maior parte das vezes, fazendo com que o ouvinte não tenha que ouvir várias vezes para entender os detalhes...

Insania é outra que se destaca pelo refrão pegajoso e direto. Possui um solo mais melódico e depois ritmo intrincado, que se encaixou muito bem com a proposta da música. War Horns é mais voltada para o Power Metal, e que conta com a participação do guitarrista Kiko Loureiro, que pôde contribuir pouco por conta da agenda cheia com o Megadeth.

Voltando aos tempos de Unholy Wars e Judgment Day de Rebirth (2001), Caveman é mais um destaque, tanto por misturar ritmos e instrumentos típicos do nosso país, como por usar melodias em português. Mais uma música típica Prog Metal, porém acessível e em algumas partes dançantes. Possui um dos refrões mais alegres do álbum.

Magic Mirror tem um começo que lembra Waiting Silence e seguindo com The Shadow Hunter, de novo do aclamado Temple Of Shadows (2004). É notável como a banda tem pendido cada vez mais para o Prog Metal, mesmo que de uma maneira mais direta que outras bandas do estilo, o que é bom. A parte instrumental dessa é uma das melhores de todo álbum. Certamente figurará no set list da banda daqui em diante...

E para quem gosta de baladas, Rafael Bittencourt acertou em cheio em Always More. Possui melodias do nível de Make Believe e Gentle Change. E o que dizer do feeling de Fábio Lione? Aqui o vocalista mostra como está à vontade na banda e em um de seus melhores momentos em toda carreira.

Mais uma música que remete a The Shadow Hunter, OMNI - Silence Inside é mais introspectiva, mas que vai crescendo até ficar dramática e tendo Fábio Lione cantando mais agressivo. Uma das mais complexas, assim como The Shadow Hunter, mas que deve agradar o público.

Eu torci o nariz quando Rafael Bittencourt disse sobre '' processar e perdoar '' a banda de tão bom que seria OMNI, pois todo artista diz isso do último álbum para promove - lo, mas ele tinha razão. Não é o álbum que eu mais gosto, mas apenas para nível de comparação, e devido ao sucesso e proporção que tomou, certamente OMNI é o melhor desde Temple Of Shadows (2004).

Eu torço para que a banda conquiste o mesmo reconhecimento que conquistou em Rebirth (2001) e Temple Of Shadows (2004), pois qualidade para estar na mesma prateleira que esses citados OMNI tem, e para que a banda consiga de uma vez por todas dar a volta por cima e permanecer na elite do Heavy Metal mundial como uma das bandas mais ímpares do estilo.

Angra - OMNI (2018)

1. Light Of Transcedence
2. Travelers Of Time
3. Black Widow's Web
4. Insania
5. The Bottom Of My Soul
6. War Horms
7. Caveman
8. Magic Mirror
9. Always More
10. OMNI - Silence Inside
11. OMNI - Infinite Nothing


Outras resenhas de Ømni - Angra

Angra: um disco melhor do que o anteriorØmni: O Angra de sempre como nuncaAngra: "Ømni" é o amadurecimento da era LioneAngra: Ømni é um ótimo álbum, mas não é AngraAngra: muito distante da criatividade de outroraAngra: Temos o mais novo marco da bandaAngra: A reinvenção de uma lenda do metal nacionalAngra: Lançamento competente com sonoridade agradávelAngra: Rafael tinha razão, o Omni é de fazer chorarAngra: Banda se reinventa com disco surpreendente




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Angra"


Marcelo Barbosa: assista a Marcelo Barbosa
Assista a "Big Trouble", novo clipe solo do guitarrista do Angra

Luis Mariutti: os bastidores do reencontro com Edu Falaschi e Alex Holzwarth

Kiko Loureiro: trabalhando em novo disco soloKiko Loureiro
Trabalhando em novo disco solo

Rhapsody: Fabio Lione em entrevista exclusiva ao Brasil

Luis Mariutti: comentando a polêmica participação do Angra no Programa do JôLuis Mariutti
Comentando a polêmica participação do Angra no Programa do Jô

Rafael Bittencourt: novos planos do Angra e do Bittencourt ProjectRafael Bittencourt
Novos planos do Angra e do Bittencourt Project

Kiko Loureiro: História das Antigas #5 Macumba na CachoeiraKiko Loureiro
História das Antigas #5 Macumba na Cachoeira

Luis Mariutti: reagindo à participação do Angra no TV mulherLuis Mariutti
Reagindo à participação do Angra no TV mulher

Angra: tour encerrada com show sold out a banda se recolhe para compor novo álbumAngra
Tour encerrada com show sold out a banda se recolhe para compor novo álbum

Angra: Banda encerra a turnê Magic Mirror em SP neste domingoDallton Santos: Confira o novo single/videoclipe de "Aliens"

Luis Mariutti: Luis Mariutti
"Se eu sou o melhor eu não sei, mas os meus fãs são"

Kiko Loureiro: Histórias das Antigas #4 Metal na AmazôniaKiko Loureiro
Histórias das Antigas #4 Metal na Amazônia

Esfera do Rock: Andre Matos se foi. E agora?Resenha - Omni - Angra

Marty Friedman: Kiko Loureiro é um guitarrista maravilhosoMarty Friedman
Kiko Loureiro é um guitarrista maravilhoso

Andre Matos: uma reunião com o Angra não seria algo sinceroAndre Matos
Uma reunião com o Angra não seria algo sincero

Andre Matos: quem entrou no Facebook vai se arrepender um diaAndre Matos
Quem entrou no Facebook vai se arrepender um dia


Metallica: gosto musical impediu que se tornassem um MaidenMetallica
Gosto musical impediu que se tornassem um Maiden

Black Sabbath: Tony Iommi explica diferença entre Dio e OzzyBlack Sabbath
Tony Iommi explica diferença entre Dio e Ozzy

Ninguém é perfeito: os filhos Ninguém é perfeito
Os filhos "bastardos" de pais famosos

Show de Rock: as diferenças entre os anos 80 e 2010Guns N Roses: Bon Jovi fez com Steven Tyler o que ele fez com AxlMetallica e Iron Maiden: veja a diferença absurda de faturamento em shows nos EUAOzzy Osbourne: entre artistas com letras mais mal interpretadas

Sobre João Paulo Pretti

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

adGoo336|adClio336