RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas


Tupi Nambha: usando o Metal para resgatar nossas tradições nativas

Resenha - Invasão Alienígena - Tupi Nambha

Por Bruno Rocha
Postado em 17 de novembro de 2017

Nota: 7 starstarstarstarstarstarstar

Resgatar a história brasileira é para poucos bravos em nosso país. Mas não a história que estudamos na escola, que começa com a chegada de Cabral no Brasil e que aprendemos sob o ponto de vista dos europeus que aqui bateram. Mas a verdadeira história desta terra, de eras pré-colombianas, onde somente habitavam aqui os nativos que viviam sua liberdade sem temer a nenhum alienígena, a quem convencionaram-se chamar de índios. Sua cultura riquíssima e seus idiomas nativos foram perdendo elementos e documentos ao longo do tempo desde que os europeus aqui chegaram. Mas ainda há quem labute para resgatar o máximo possível do legado indígena nativo.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - TAB 1

E o melhor: documentá-lo tendo como trilha sonora o Heavy Metal!

Certo, o Heavy Metal não nasceu no Brasil em tempos imemoriais. Mas hoje o Metal é um gênero mundial que tem a característica de se moldar conforme as vontades e as intenções do músico que com o estilo trabalha. No caso particular neste texto abordado, temos a dupla brasiliense Marcos Loiola e Rogério Delevedove, que juntos atendem pelo nome de TUPI NAMBHA. Formada em 2016, o duo se propõe a tocar Folk/Groove Metal (Perdão, mas acho tudo que o Metal não precisa mais é de novos rótulos, como Tribal Metal), com elementos de música nativa brasileira, a exemplo de percussões. Batidas marciais servem de bases para um dos diferenciais do grupo: letras em tupi antigo, compostas em parceria com o tupinólogo Eduardo de Almeida Navarro.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - TAB 2

Produzido por Caio Cortonesi e com todo o procedimento de praxe realizado no estúdio Broadband, o trabalho de estreia do TUPI NAMBHA, "Invasão Alienígena", traz sete composições criativas, além de bem trabalhadas e acabadas. Outro detalhe que chama a atenção é o fato de as músicas soarem épicas, mesmo sem precisarem lançar mão de orquestrações grandiosas ou super-produção. Tudo aqui soa orgânico e faz brotar no ouvinte a sensação que se espera: resgate da cultura e da bravura de nossos antepassados pre-cabral.

Começando com a faixa-título do disco, já se pode notar que o TUPI NAMBHA sim sofre influências do Sepultura dos anos 90 e de Nação Zumbi, constatação que se reforça ao se ouvir as linhas vocais de Marcos Loiola, similares as de Chico Science. O ritmo cadenciado reforça o peso das guitarras de Delevedove, coisa que se repete na música "Tupi Nambha" e "Ayahuasca", esta sendo a mais agressiva de todo o trabalho e que também a encerra. Em contraponto a agressividade, a música "Galdino Pataxó" é a mais diferente do disco, pois é toda conduzida por violões, percussões e cajon, quase num clima de sarau em uma clareira.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - TAB 3

Teclados aparecem timidamente, mas providencialmente, nas músicas "Antropofagia" (que carrega uma atmosfera densa) e "Feiticeiro" (com elementos de Epic Doom). Estas duas músicas provam que teclados não precisam aparecer altos e imponentes, mais fortes que as guitarras. Basta que seja escolhido o timbre certo, e os teclados farão bem o seu papel climático, sem sobrepor as guitarras, que precisam ter seu destaque. Outra música onde os teclados surgem bem encaixados é "Tribo Em Guerra", que atua próxima do Thrash Metal e nos remete à banda estoniana Metsatöll, dadas as conduções nos tons da bateria e os coros fortes de chamamento à batalha tribal. Grande destaque do álbum.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - TAB 4

Só não entendi qual seria o problema em citar o nome do baixista, tecladista e do baterista que gravaram "Invasão Alienígena". O trabalho de bateria está excelente graças ao excelente groove imprimido e os timbres pesados e altos, o mesmo se aplicando às bases de contrabaixo. Não importa se foi um dos dois membros da banda ou outrem. Cada contribuição deve ser devidamente creditada. Também seria interessante imprimir a tradução das letras em português, para que possamos entender os que as letras querem passar. As artes do encarte mostram bem o clima de invasão europeu nas terras nativas, obra de João Rafael.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - TAB 5

Temos então aqui documentado um pouco da história da nossa terra. Esta atitude é uma reverberação da ação de outras bandas brasileiras que buscam resgatar a cultura e as tradições dos nossos antepassados. Hoje em dia, falar de Folk Metal não nos remete mais somente aos nomes europeus do estilo. Agora temos o nosso próprio Folk Metal, brasileiro! Se o Sepultura começou a semear elementos de nossa cultura nos anos 90 no Heavy Metal, hoje os frutos começam a ser colhidos. E o TUPI NAMBHA é fruto da melhor safra. Que Tupã abençoe!

Invasão Alienígena - Tupi Nambha (independente, 2017)

Tracklist:
01. Invasão Alienígena
02. Antropofagia
03. Tribo Em Guerra
04. Tupi Nambha
05. Galdino Pataxó
06. Feiticeiro
07. Ayahuasca

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - TAB 6

Line-up:
Marcos Loiola - vocais
Rogério Delevedove - guitarras

Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:

Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps




publicidadeAdriano Lourenço Barbosa | Airton Lopes | Alexandre Faria Abelleira | Alexandre Sampaio | Alex Juarez Muller | André Frederico | Ary César Coelho Luz Silva | Assuires Vieira da Silva Junior | Bergrock Ferreira | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Alexandre da Silva Neto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cláudia Falci | Danilo Melo | Dymm Productions and Management | Efrem Maranhao Filho | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Fabio Henrique Lopes Collet e Silva | Filipe Matzembacker | Flávio dos Santos Cardoso | Frederico Holanda | Gabriel Fenili | George Morcerf | Geraldo Fonseca | Henrique Haag Ribacki | Jesse Alves da Silva | João Alexandre Dantas | João Orlando Arantes Santana | Jorge Alexandre Nogueira Santos | José Patrick de Souza | Juvenal G. Junior | Leonardo Felipe Amorim | Luan Lima | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Marcus Vieira | Maurício Gioachini | Mauricio Nuno Santos | Odair de Abreu Lima | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Ricardo Cunha | Richard Malheiros | Sergio Luis Anaga | Silvia Gomes de Lima | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Victor Adriel | Victor Jose Camara | Vinicius Valter de Lemos | Walter Armellei Junior | Williams Ricardo Almeida de Oliveira | Yria Freitas Tandel |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sobre Bruno Rocha

Cearense de Caucaia, professor e estudante de Matemática, torcedor do Ferroviário e cafélotra. Entrou pelas veredas do Heavy Metal na adolescência e hoje é um aficionado e pesquisador de todos os gêneros mais tradicionais desta arte e de suas épocas. Tem como forte o Doom Metal, não obstante o sol de sua terra-natal.
Mais matérias de Bruno Rocha.

 
 
 
 

RECEBA NOVIDADES SOBRE
ROCK E HEAVY METAL
NO WHATSAPP
ANUNCIAR NESTE SITE COM
MAIS DE 4 MILHÕES DE
VIEWS POR MÊS