Astafix: Sonoridade focada no Thrash Metal moderno

Resenha - End Ever - Astafix

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Vitor Franceschini
Enviar correções  |  Ver Acessos

publicidade

Nota: 8

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Que o guitarrista Wally (ex- CPM22) - que aqui também assume o vocal - tomou a decisão mais certa da sua vida, deixando a banda pseudo Hardcore de lado e partindo para o Metal, todo mundo sabe. E melhor ainda é que o cara investiu em um projeto que conta com músicos de alto gabarito, tais como Adriano Daga (bateria, Astra, ex-Almah e co-produtor deste trabalho, que foi substituído por Thiago Caurio), Paulo Schroeber (guitarra solo, ex-Almah e ex-Dies Irae) e Ayka (baixo).

King Diamond: O que significa ser Satanista?Marilyn Manson: "perdi tudo por causa de Columbine"

Além disso, o cara se enveredou pelos lados mais extremos do Metal investindo em uma sonoridade focada no Thrash Metal moderno. Guitarras com afinação baixa e ritmos cheios de groove ditam a maior parte deste trabalho, onde ainda podemos encontrar influências que passam pelo Stoner e Doom Metal.

A música do grupo é privilegiada por uma técnica apurada que abrange todos os instrumentos. Os solos de guitarra já chamam atenção desde Red Streets, que abre o disco, e foi executado por, nada mais nada menos, Andreas Kisser (Sepultura). A cozinha possui uma bateria bem variada e com um ótimo timbre, além de um baixo vibrante, que realmente faz a diferença.

Outra coisa que chama bastante atenção são os vocais de Wally. O cara surpreende e manda muito bem. Seus berros são uma mescla de Max Cavalera Lemmy Kilmister, ou seja, uma junção perfeita. Apesar das composições mostrarem certo equilíbrio entre si, podemos citar outros destaques como False Eyes, Drown Your World, a faixa título (outro grande solo de guitarra) e as 'doomers' Seven e Desert Eyes.

Já Desordem e Retrocesso se destaca por ser cantada em português e fugir um pouco dos padrões do trabalho, soando mais Hardcore e direta. A única ressalva fica por conta do trabalho não contar com composições mais diretas e velozes, o que daria um tempero especial e mais brutal ao som do grupo. Mas o disco agrada e muito.

Além de Andreas Kisser, o trabalho contou com a participação de outros músicos, como Paul X (ex-Monster) e Demian Tiguez (Symbols). A produção ficou a cargo de Brendan Duffey (Almah, Dr. Sin). A arte, muito bela por sinal, foi feita por Gustavo Sazes (Arch Enemy, Krisiun).

http://www.astafix.com/


Outras resenhas de End Ever - Astafix

Astafix: Thrash Metal bastante contemporâneo e pesadoAstafix: A nova banda de Wally em nada lembra o CPM22Astafix: Thrash capaz de surpreender o mais cético fãAstafix: Honesto, sincero e definitivamente acima da médiaAstafix: ex-CPM 22 em linha musical muito mais interessante




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Astafix"


King Diamond: O que significa ser Satanista?King Diamond
O que significa ser Satanista?

Marilyn Manson: perdi tudo por causa de ColumbineMarilyn Manson
"perdi tudo por causa de Columbine"

Metal Sucks: os melhores álbuns de metal do século 21Metal Sucks
Os melhores álbuns de metal do século 21

Alice In Chains: seria essa a última foto de Staley com vida?De AC/DC a ZZ Top: Origens dos nomes de bandas e artistas de rockMetal Hammer: as 100 melhores faixas Metal dos anos 90Guns N' Roses: Myles Kennedy conta como soube da reunião

Sobre Vitor Franceschini

Jornalista graduado tem como principal base escrever sobre Rock e Metal, sua grande paixão. Ex-editor do finado Goredeath Zine, atual comandante do blog Arte Metal, além de colaborador de diversos veículos do underground.

Mais matérias de Vitor Franceschini no Whiplash.Net.