Resenha - Soybonilla - Soybonilla

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Sílvio Costa
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 9


Brasília foi particularmente relevante para o rock nacional durante a década de 1980 e início dos 90. Depois disso, permaneceu o rótulo de "capital do rock", mas o cenário estava muito diferente, com pouquíssimas bandas com alguma projeção nacional. As que conseguiram, faziam algo que estava um pouco longe daquele som típico da cidade. O Soybonilla segue a tradição dos grupos brasilienses dos anos 80 e tem tudo para reverter o quadro de marasmo que domina a cena do Planalto Central apostando na ousadia e na falta de limites para criar boa música, acima de tudo. Em linhas gerais, trata-se do mesmo som que dominava o underground brasiliense bem no início, mas reciclado com idéias novas e, musicalmente, muito mais denso. Preste atenção a esta banda de nome esquisito.

Guitarra: os melhores solos da história segundo a Guitar WorldMarilyn Manson: 7 coisas que você não sabia sobre ele

Flertando com o rock alternativo, MPB, bossa nova, pop radiofônico, tudo isso com muita personalidade, esse quarteto criou temas que são marcados pela suavidade do vocal de Marconi Fernandes e pelos arranjos de muito bom gosto. Se for para fazer comparações (sempre esdrúxulas, mas necessárias), o Soybonilla parece uma mistura de Los Hermanos com Cardigans, ou de Legião Urbana com os bons tempos do Kid Abelha (sim... eles já foram bons... tem quase vinte anos, mas já aconteceu). As composições misturam português e inglês e os temas giram em torno de frustrações amorosas e o cotidiano da juventude. Parece até manjado demais e talvez até seja, mas não deixa de ser legal por isso. No meio da acefalia que domina o cenário pop/rock no Brasil, é alentador ouvir uma banda que sabe usar bem as palavras e se preocupa em escolher temas minimamente relevantes e não apenas soltar meia dúzia de palavrões para garantir presença nas premiações da TV.

Situar musicalmente o Soybonilla não é tarefa das mais fáceis. "The Heart Song" me fez lembrar a bossa de Light my Fire do Doors. Muita bossa também em "Laurita", que tem a cara da Maria Rita e é a mais MPB do disco. "Ocupada" tem uma batida de bossa no começo, mas acaba se transformando num rock suave, tipo Legião Urbana. As faixas conseguem passear de Radiohead a Elis Regina com uma facilidade incrível.

Tem problemas? Sim. O maior deles é o instrumental vacilante, que, entretanto, não chega a comprometer. A gravação, apesar de apresentar excelente qualidade, podia ser ainda melhor se a banda usasse alguns "truques" para encobrir alguns problemas, especialmente na voz de Marconi Fernandes. Não é que ele seja terrível. Como eu disse antes, a voz dele é suave e se encaixa perfeitamente na temática escolhida pelo grupo. Entretanto, ele não é um grande cantor e o fato de sua voz ter ficado muito mais alta que o restante dos instrumentos prejudicou um pouco o resultado final.

Pode até parecer pedantismo pseudo-intelectual, mas o som do Soybonilla agrada justamente pela simplicidade e pela leveza, mas, principalmente, pela inteligência dos arranjos e das letras.

BANDA:
Rafael Cavalcanti - Bateria
Marcelo Pontes - Baixo
Raphael Cunha - Guitarra, voz
Marconi Fernandes - Voz, guitarra

CONTATOS
Internet: www.soybonilla.com
contato@soybonilla.com
(61) 349-8145 - Rafael
(61) 5689347 - Marconi




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Soy Bonilla"


Guitarra: os melhores solos da história segundo a Guitar WorldGuitarra
Os melhores solos da história segundo a Guitar World

Marilyn Manson: 7 coisas que você não sabia sobre eleMarilyn Manson
7 coisas que você não sabia sobre ele

Porta dos Fundos: Andreas Kisser e a cobrança dos metaleirosPorta dos Fundos
Andreas Kisser e a cobrança dos metaleiros

Pactos?: Os envolvimentos de bandas com ocultismoPactos?
Os envolvimentos de bandas com ocultismo

Rodolfo: 100% arrependido das letras dos RaimundosRodolfo
100% arrependido das letras dos Raimundos

Metallica: desconsolado, youtuber toca riff por duas horas sem pararMetallica
Desconsolado, youtuber toca riff por duas horas sem parar

Bandas extremas: 10 álbuns que causaram surpresaBandas extremas
10 álbuns que causaram surpresa


Sobre Sílvio Costa

Formado em Direito e tentando novos caminhos agora no curso de História, Sílvio Costa é fanzineiro desde 1994. Começou a colaborar com o Whiplash postando reviews como usuário, mas com o tempo foi tomando gosto por escrever e espera um dia aprender como se faz isso. Já colaborou com algumas revistas e sites especializados em rock e heavy metal, mas tem o Whiplash no coração (sem demagogia, mas quem sabe assim o JPA me manda mais promos...). Amante de heavy metal há 15 anos, gosta de ser qualificado como eclético, mesmo que isto signifique ter que ouvir um pouco de Poison para diminuir o zumbido no ouvido depois de altas doses de metal extremo.

Mais matérias de Sílvio Costa no Whiplash.Net.