Arkona: retorno animal ao Brasil da força do folk metal russo

Resenha - Arkona (Clash Club, São Paulo, 30/11/2013)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Diego Camara
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Realmente o Folk Metal no Brasil anda no melhor dos níveis. A enxurrada de bandas que estão vindo visitar constantemente o país e o público jovem que está sempre em todos os shows mostra que estamos sem dúvidas numa espécie de “onda folk”, onde o gênero conquistou ótimo espaço entre os novos fãs do metal, o bastante para atrair os olhos das bandas internacionais. E por essas que uma banda como o ARKONA voltou novamente em tão pouco tempo ao Brasil, e foi recepcionada por um lotado Clash Club. Confiram abaixo os principais detalhes do show que arrasou a última noite do mês de novembro.

Fotos: Kennedy Silva

Quem veio cedo ao show pode conferir a abertura da banda SIGFADHIR, de São Paulo. Bastante novos na cena, surgidos em 2008, a banda tocou por pouco tempo, mas levantou os presentes, mostrando que não é privilégio apenas dos europeus terem bandas de qualidade no gênero folk pagão. Vale uma ouvida e conhecer a banda, especialmente pelo som extremamente técnico das guitarras de Victor Maldonado e Fenris Fenrir, que são seu ponto mais alto. Confiram no link www.facebook.com/Sigfadhir.

Para aquecer ainda o público antes do show do Arkona, marcado para as 21:00hrs, os fãs ainda puderam ver a apresentação do grupo de luta Ordo Draconis Belli. Para quem foi ao Thorhammerfest já pode conferir há pouco tempo o trabalho dos caras, mas quem não foi ganhou uma grata surpresa. As apresentações são divertidas e realizadas no meio da pista, causando proximidade. E não bastasse só espadas, também tivemos um momento romântico com um pedido de casamento. Sem dúvidas era muito para uma única noite no Clash Club.

Mas ainda faltava a atração principal, que veio 30 minutos antes do que havia sido avisado pela assessoria. O Arkona subiu ao palco as 20h55m, quando o instrumental de “Az’” começou a ser tocado na casa. Em pouco tempo a banda já tinha subido ao palco e “Arkaim” abriu o espetáculo com um som extremamente pesado e alto, já bastante comum da casa. O público alucinado se apertava na frente do palco estreito da casa, e não pode conter a emoção de ver Masha e companhia de volta.

A banda então tocaria uma bela sequência inicial com “Ot Serdtsa k Nebu”, “Goi, Rode, Goi!” e “Zakliatie”. A primeira ficou marcada pelo perfeito solo de flauta e as melodias que carregaram a música, além obviamente da performance marcante de Masha, que dominou o público e fez seu show a parte, quebrando inclusive o pedestal do microfone.

“Vocês estão prontos para ‘Goi, Rode, Goi’?”, pergunta a vocalista, recebendo um sonoro sim da plateia. E então tivemos uma das melhores músicas da noite, extremamente bem tocada e um arraso no apelo popular. O público se agarrou na frente do palco, bateu cabeça e se emocionou com o solo de gaita de fole.

“Zakliatie”, porém, viu o som ir um nível além. Deixando o abafamento que foi a voz de Masha nas primeiras músicas, nesta o som claro de sua voz pode ser ouvido durante toda a execução. Se podem reclamar de seu estilo, porém não podem reclamar de sua vontade e especialmente do encaixe que ela traz ao ritmo folk e as partes mais pesadas. Recebendo assim a resposta do público, que contente bateu palmas, a vocalista respondeu calmamente com um singelo “Obrigado”, e muitos sorrisos.

O show prosseguiu com uma grande qualidade musical, que empolgava o público. Das músicas mais lentas, como “Slav’sja, Rus’!”, a melodia da voz de Masha se encaixava com o ritmo folk, e nas músicas pesadas, como a ótima “Arkona”, o vocal gutural em plenos pulmões arrancava do público gritos e os famosos chifrinhos.

Outro ponto ótimo do show foi o solo de gaita de fole do Vladimir Reshetnikov. O público aplaudiu o solo e soube tirar agrados de um instrumento que, do som inusitado e incomum para os ouvidos brasileiros, é um símbolo da cultura de diversos povos da Europa.

O final do show não foi nada diferente, e alavancado por três das melhores músicas da carreira do Arkona, indispensáveis em qualquer show da banda. Em “Stenka na Stenku”, porém, o destaque não foi e nem chegou perto de ser a música, mas sim o controle de público de Masha e a extrema vontade dos fãs de bater cabeça. Apropriadamente, abriram a pista inteira, de ponta a ponta, para um emocionante paredão da morte, que teve do bate cabeça até dança.

Mas o melhor vinha no final, e em “Yarilo” o show chegou a níveis estratosféricos. É a música mais esperada e pedida da banda, e a queridinha do público brasileiro. Um prêmio que não poderia ser melhor, já que o show parecia ter sido feito até agora para que terminasse assim, com o público cantando firme o refrão de “Yarilo”.

“Obrigado, vocês foram extremamente especiais hoje!”, disse Masha, ao voltar para o bis, arrancando aplausos dos fãs e fechando a apresentação com “Kupala i Kostroma” do “Ot Serdtsa k Nebu”. A plateia ajudou a banda, puxando os vocais junto com Masha, em extrema sintonia e fechando o show com uma empolgação que atualmente só em shows de folk metal você consegue ver.

“Espero ver vocês novamente em breve!”, gritou a vocalista em sua despedida. E esperamos mesmo, Masha, que o Arkona volte mais e mais vezes para fazer seu “Russian Attack” em terras brasileiras.

Quer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Outras resenhas de Arkona (Clash Club, São Paulo, 30/11/2013)

Arkona: Folk matador hipnotiza público paulistano

Arkona: regravação de seu primeiro álbum chega ao mercadoTodas as matérias e notícias sobre "Arkona"

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Arkona"

Heavy Metal
Os dez melhores álbuns lançados em 1992

Led Zeppelin
As crianças da capa de "Houses Of The Holy"

Collectors Room
A clássica coleção de Bento Araujo, editor do Poeira Zine

Slash conta qual foi o disco que mudou sua vidaPantera: veja o manifesto de Phil Anselmo com a letra do AC/DCGene Simmons: "Não me importa se você é Axl Rose"James Hetfield: meus filhos respeitam, mas não gostam da minha músicaO tempo não para: fotos do antes e depois de alguns rockstarsPizza: como ser True-Metal-From-Hell na hora de pedir uma

Sobre Diego Camara

Nascido em São Paulo em 1987, Diego Camara é jornalista, radialista e blogueiro. Seu amor pelo metal e rock começou há 6 anos. Um amante da nova geração, é um grande fã de Arjen Lucassen, Andre Matos e bandas como Nightwish, Hammerfall, Sonata Arctica, Edguy e Kamelot. Também não deixa de ter amor pelos clássicos, como Helloween, Gamma Ray e Iron Maiden e do Rock de bandas como Oasis, Queen e Kings of Leon. Atualmente seus textos podem ser lidos no blog OCrepusculo.com sobre assuntos diversos, além de planos para criação de um projeto totalmente voltado aos blogs de Rock e Metal.

Mais informações sobre Diego Camara

Mais matérias de Diego Camara no Whiplash.Net.

Link que não funciona para email (ignore)

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online