Mad Sin: confira como foi o show em São Paulo

Resenha - Mad Sin (Inferno Club, São Paulo, 24/03/2013)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por João Paulo de Matos Mota
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

A noite de domingo chuvosa do dia 24 de março, não espantou os fãs que queriam prestigiar a apresentação dos alemães do Mad Sin aqui em São Paulo, na casa de shows Inferno Club, na Rua Augusta. E quem enfrentou o tempo para ver o espetáculo, foi agraciado com uma bela apresentação e mostra de competência que os anos de estrada lhes deram, e o Rock Express sempre antenado em todos os acontecimentos da música pesada estava lá e te conta como foi.

Jack Black: "Nirvana foi a última grande banda do rock"Queen: novas fotos do recluso John Deacon

A entrada da casa de shows Inferno Club estava normal, com poucas pessoas em seu interior para acompanhar a banda de abertura que ficou a cargo do Krents, banda composta por 4 integrantes, que iniciou a sua apresentação por volta das 19:15. Com um set de pouco mais de 40 minutos, fizeram alguns covers e tocaram alguns sons próprios, boa apresentação para aquecer os motores do pessoal, que ao longo do show foi ingressando dentro da casa e fazendo com que a banda que tocava se soltasse mais.

Ao fim da apresentação do Krents, o local do espetáculo já estava bem mais cheio e era hora de aguardar a banda principal. A movimentação no palco da própria banda arrumando o som e realizando os ajustes técnicos, demonstrou a simpatia dos alemães, sempre sorrindo e conversando com o público.

E eis que finalmente por volta das 20:20, o Mad Sin, um dos expoentes do psycobilly internacional, inicia a sua apresentação com uma saudação de Koefte Deville em português, inicia a apresentação matadora com “Revenge”, som muito rápido e com bases de guitarras agressivas.

Início perfeito, com a banda agitando muito e o público correspondendo com muita energia positiva. Destaque para o contrabaixista Valle, que é puro carisma, além de possuir um ótimo vocal, a banda deu um passeio por várias boas canções de sua carreira da quais eu destaco, “Straight to Hell“, “Dead Moon“, “Brainstorm“, entre outras retiradas de uma trajetória de mais de 20 anos de banda.

Os presentes fizeram a sua parte e agitaram como nunca, a banda por toda a apresentação foi muito comunicativa com o público, vale ressaltar aqui a precisão dos dois guitarristas Matt Miller e Stein “Dr. Solido”, com paletadas precisas e solos nostálgicos bem bacanas, além é claro da alternação do som, com momentos de puro peso e ora mais brandos.

Finalizando a apresentação, dois sons que adoro no Bis, “Nine Lives” e a pesada “Cursed“, para fechar essa ótima apresentação e fazer valer a pena sair de casa em uma noite de domingo chuvosa. Os caras do Mad Sin provaram que não estão há 25 anos nos palcos a toa.

Para setlist completo e galeria exclusiva de fotos, acesse:

http://www.rockexpress.net.br/2013/03/29/mad-sin-em-sao-paul...

Quer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Mad Sin"

Jack Black
"Nirvana foi a última grande banda do rock"

Queen
Novas fotos do recluso John Deacon

Fotos de infância
Angela Gossow, do Arch Enemy, muito antes da fama

Silverchair: Daniel Johns surge bêbado e de batom nas ruas de SydneyMacarrão Black Metal: alimento de todo headbanger from hellManowar: A vida real e nada épica dos Reis do Metal?Helloween: "Tudo o que fazemos surge naturalmente"Black Sabbath: 12 bandas influenciadas pelos mestres nos detalhesMoshpits: uma análise séria do ritual headbanger

Sobre João Paulo de Matos Mota

Nascido em São Paulo no ano de 83 e fanático por Heavy Metal desde os 12 anos, atualmente se diverte cantando na banda Masterkey, fazendo parte da equipe do site Rock Express e conduzindo o podcast Rock Express Cast.

Mais matérias de João Paulo de Matos Mota no Whiplash.Net.

Link que não funciona para email (ignore)

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online