Jackie Brenston e seu Foguete 88

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Márcio Ribeiro
Enviar correções  |  Comentários  | 

Imagem
Cópia Infiel: Ato 1, Raul Seixas e o Dolo de OuroEsquisitices: algumas exigências bizarras para shows

Existem diversas histórias curiosas sobre como surgiram várias das canções que fazem parte do legado do nosso rock 'n' roll. Músicas influenciadas por outras músicas ou que nasceram de eventos inesperados do cotidiano. Através desta coluna pretendemos contar alguns desses casos, assim como também oferecer uma rápida apresentação e biografia resumida de artistas e bandas pouco divulgados. Comentar sobre aqueles que não chegaram `lá` todavia ofereceram alguma coisa válida como referência. Estes são o que chamo de bandas e artistas "Pé de Página" do rock. Onde podemos geralmente encontrar curiosidades normalmente deixado de lado entre as grandes biografias. Espero que curtam.

Inscreva-se no nosso canalWhiplash.Net no YouTube

Imagem
Como história de abertura, achei melhor ir para a raiz. E para muitos historiadores, a canção "Rocket 88", gravado por Jackie Brenston & His Delta Cats é esta raiz. Dada como a primeira canção de rock 'n' roll na história, este fato sozinho já a destaca de todas. Lançada pela Chess Records em 1951, a canção não soa extremamente rock 'n' roll, ou pelo menos, não como nós concebemos o estilo hoje. De fato a canção era então simplesmente rhythm & blues. A questão de ser ou não ser realmente a primeira canção rock 'n' roll é totalmente ilusória. Não existe uma primeira canção. E certamente houve outras, até dois anos antes, que poderiam ser classificadas como rock 'n' roll antes do gênero ganhar este nome. "Rock The Joint" de Jimmy Preston, e "Rockin' At Midnight" de Roy Brown são apenas duas das primeiras que me vem à mente.

Todavia existem diferenças com relação ao tipo de rhythm & blues que estava sendo gravado até aquele momento. O piano salpicado, o sax ligeiramente atrás da melodia, e principalmente a guitarra rascante, criavam um clima diferente que é coroado com uma voz que celebra as noites de bebedeira, mulheril e carros possantes, todos imbuídos em uma analogia - a do carro.

You women have heard of jalopies
You've heard the noise they make
Well let me introduce my new Rocket 88
Yes it's great, just won't wait
Everybody likes my Rocket 88
Baby we'll ride in style
Moving all along.

V8 motor and this modern design
Black convertible top and the gals don't mind
Sporting with me riding all 'round town for joy
(Blow your horn Raymond, blow)

Step in my Rocket and don't be late
Baby we're pulling out about half past 8
Going 'round the corner and get a fifth
Everybody in my car's gonna take a little nip
Move on out, boozing and cruising along"

O carro trata-se de um Oldsmobile Rocket Hydra-Matic 88, o carro mais rápido nos Estados Unidos na época. Recém lançado no mercado, com o motor chamado "rocket" V8, este Oldsmobile tinha o mesmo motor do Cadillac, sem o mesmo tamanho e peso que aquele carro de luxo. O Oldsmobile Rocket Hydra-Matic 88 torna-se assim o mote que dá origem ao nome da canção. Na letra, como era típico das letras de músicas negras, a referência ao carro esconde referências ao sexo. Brenston confessaria que sua idéia não era nada original e sendo esta uma de suas primeiras composições, trata-se de uma imitação de outra canção do repertório da banda, gravada originalmente por Jimmy Liggins em 1947, chamada "Cadillac Boogie". Brenston nunca escondeu o parentesco entre as duas canções e o fato nunca atrapalhou o seu sucesso.

A história por trás da gravação de "Rocket 88" é curiosa. Para começar, a banda Delta Cats nunca existiu. O nome saiu da cabeça dos irmãos Chess. A banda na verdade se trata de Ike Turner & His King of Rhythm. Isto mesmo, Ike Turner no início da década de cinqüenta era um talentoso pianista líder de uma banda. Quando seu vocalista abandonou esta banda, acertando um contrato com uma gravadora e seguindo solo, Ike passou a cantar. Para preencher a lacuna deixada pelo vocalista no seu quinteto, Ike contratou Jackie Brenston para ser segundo sax e segundo vocalista.

Ike Turner & His King of Rhythm havia acertado com Sam Phillips uma sessão de gravação, na esperança de poder vendê-la para alguma gravadora no futuro. Veja bem, estes eventos se passam antes de Sam Phillips fundar sua hoje famosa gravadora Sun Records. O grupo seguiu de carro para o estúdio com os equipamentos na mala e caixas de alto falantes amarrados no teto do veículo. Pelo caminho uma das caixas caiu, causando além do atraso, o estouro do woofer do guitarrista (um woofer é um alto-falante para as notas graves, os alto-falantes para notas agudas são denominados de tweeter).

São detalhes como este que acabam criando história fonográfica. Phillips encheu a caixa com jornal para ver se poderiam ainda usar o woofer e o resultado final deu à guitarra um som único e incomum para a época. Na sessão, Ike estava cuidando inicialmente da voz principal. Sam Phillips não gostando da voz de Ike, com o tato habitual de um sulista falando com um negro pergunta, "Ike, você não tem ninguém na sua banda que sabe cantar não?" Por causa desta pergunta, o egocêntrico Ike Turner abriu espaço para Jackie Brenston, passando a gravar então a sua composição "Rocket 88". Ao abrir a boca e cantar, Sam Phillips o definiria como um cantor nato.

Foram gravadas quatro faixas neste dia de março, 1951: duas com Ike e duas com Jackie. O quinteto era composto de Ike Turner ao piano, Willie Kizart na guitarra, Jackie Brenston e Raymond Hill nos saxes, e Willie Slim na bateria. Sam Phillips vendeu as gravações para a Chess Records que lançou dois compactos. Um com as duas músicas de Ike sob o nome da banda Ike Turner & His Rhythm Kings. O outro compacto seria creditado a Jackie Brenston & His Delta Cats. Isto não agradou Ike Turner e quando "Rocket 88" chegou em maio a No.1 e seu disco ficou em lugar nenhum nas paradas de sucesso, Turner, enciumado, expulsou Jackie Brenston da banda.

Brenston teria outros lançamentos, nenhum vendendo muito, e acabaria voltando a tocar com Ike Turner a partir de 1955, apenas como saxofonista e proibido de cantar "Rocket 88". A esta altura, Ike já havia deixado o piano, assumindo a guitarra. Desta forma, estando bem à vista na frente do palco, ninguém poderia ter duvidas de que ele era o líder da banda. Sua futura esposa Tina já cantava com eles e com sua ajuda, em 1961, Ike Turner conseguira seu primeiro No.1. Tempos depois, Ike diria que "Rocket 88" fora originalmente escrita por ele e não Brenston, e que teria sido Sam Phillips quem remetera à Chess Records o crédito da canção como sendo de Jackie Brenston & His Delta Cats.

Jackie Brenston deixaria Ike Turner em 1962. Sua frustração profissional e artística o levou à bebedeira, uma fase que começou a se mostrar preocupante por volta de 1958 e que persistiria até quase o fim da vida. Gravaria pela última vez em 1963 antes de voltar para sua cidade natal, Clarksdale. Lá viveu tocando nas ruas e bebendo para esquecer a ruína de seus sonhos. Mais para inchado do que gordo, Jackie Brenston morreu no dia 15 de dezembro de 1979 na cidade de Memphis, Tennessee.

O sucesso de "Rocket 88", é considerado por muitos o ponto de partida do rock e em parte, eu concordo. Para começar, foi o fato culminante para Sam Phillips pensar no dinheiro que ele deixou de fazer, tendo vendido a canção para a Chess por não ter sua própria gravadora. No ano seguinte ele estava abrindo a Sun Records. Coincidentemente ou não, quatro meses depois do lançamento de "Rocket 88", Alan Freed estreava seu programa na rádio WJW de Cleveland chamado, "The Moondog Rock And Roll Party". Mas isto, como dizem, é outra história...

Até a próxima...

Por que destacamos matérias antigas no Whiplash.Net?

Quer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Pé de Página

Muito antes do Led Zeppelin: A origem da guitarra gêmeaQuem Foi Johnny Ace?Beatles: como surgiu o clássico "Get Back"?Led Zeppelin e o Mud SharkThe Rising SonsFreedom of Expression: o tema do Globo RepórterTomorrowThe Mothers of Invention: Três Marinheiros e as MãesNeil Christian & the CrusadersGeléia da PesadaThe Police: uma idéia criada e visionada por Stewart CopelandVida de rockstar: sexo, drogas e mau comportamentoLed Zeppelin: A controvérsia sobre as origens do nome da bandaThe Prime MoversBobby 'Woodman' ClarkeEu Sou O Maior!200 Motels ou a vida na estradaExtrapolando - Número 2A origem do termo "Rock'N'Roll"Richard Berry: se uma música pudesse definir o rock de garagem, seria "Louie, Louie"The Kinks: Em 1964, o lançamento de "You Really Got Me"Wynonie Harris - O Pai de Elvis PresleyBob Dylan & The Band em WoodstockO Havaí e o Steel GuitarTodas as matérias sobre "Pé de Página"

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, nos links abaixo:

Post de 06 de março de 2015
Post de 05 de março de 2016

Todas as matérias da seção MatériasTodas as matérias sobre "Pé de Página"Todas as matérias sobre "Jackie Brenston"

Raul Seixas
Os plágios da carreira do artista

Esquisitices
Algumas exigências bizarras de astros para shows

Burzum
Varg é condenado por xenofobia e racismo na França

As regras do New Metal/Nu-metalDimebag: relato e fotos inéditas do - bizarro - último Natal deleSeparados no nascimento: Andre Matos e Steve PerryHard & Metal: dez músicas que soam melhor ao vivoUltimate Classic Rock: as 25 músicas mais tristes da históriaThrash Metal: 10 novas promessas - incluindo uma brasileira

Sobre Márcio Ribeiro

Nascido no ano do rato. Era o inicio dos anos sessenta e quem tirou jovens como ele do eixo samba e bossa nova foi Roberto Carlos. O nosso Elvis levou o rock nacional à televisão abrindo as portas para um estilo musical estrangeiro em um país ufanista, prepotente e que acabaria tomado por um golpe militar. Com oito anos, já era maluco por Monkees, Beatles, Archies e temas de desenhos animados em geral. Hoje evita açúcar no seu rock embora clássicos sempre sejam clássicos.

Mais matérias de Márcio Ribeiro no Whiplash.Net.

Link que não funciona para email (ignore)

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em agosto: 1.237.477 visitantes, 2.825.604 visitas, 7.034.755 pageviews.

Usuários online