Metallica: fechando o primeiro dia do Metal com chave de ouro

Resenha - Metallica (Rock in Rio, Rio de Janeiro, 19/09/2013)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Diego Camara
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Noite de heavy metal, último show do Palco Mundo com sua atração principal: o METALLICA. Já estava claro para a maioria ali – praticamente 80% dos fãs do Rock in Rio usavam camisetas da banda – de quem era o melhor show da noite. Só era preciso, pra James Hetfield e companhia, confirmar realmente isso com uma bela apresentação. Parecida com a do Rock in Rio passado com o METALLICA, a apresentação novamente arrasou e deu cabo do primeiro dia de metal da edição 2013.

474 acessosMetallica: veja filmagem profissional de "Hardwired" em Quebec5000 acessosPantera: o surreal e constrangedor funeral de Dimebag Darrell

A banda entrou no palco com 20 minutos de atraso. Foi espantoso ver, em um festival onde a pontualidade dominou até agora, uma banda atrasar, e logo no dia do heavy metal. O público ficou extremamente bravo com tal atitude e vaiou a banda durante a espera. Porém, todo aquele clima de revolta mudou quando o clipe de “The Ecstasy of Gold”, do filme “The Good, The Bad and The Ugly” tocou nos telões, levando os fãs a loucura.

Foto: Fernando Schlaepfer (IHateFlash)
Foto: Fernando Schlaepfer (IHateFlash)

A banda já entrou no palco com uma sequência de três fantásticos sucessos: “Hit The Lights”, “Master of Puppets” e “Holier Than Thou”, que detonaram com o público e fizeram eles esquecer muito rápido a espera. Não faltou fôlego para os fãs, que cantaram juntos, fizeram roda e bateram cabeça como se não houvesse amanhã. O cansaço atingiu alguns, sim, claro, mas a maioria parecia ainda nova e pronta para um espetáculo.

Quem estava lá viu um James Hetfield novamente comandante da banda. Com a pegada característica de sua guitarra e vocais extremamente bem calibrados, além do poderoso domínio de palco, Hetfield comandou o show. Parecia extremamente feliz em estar novamente no Rock in Rio, especialmente pelo fato de ser a banda principal do dia. Agradeceu aos fãs e a todos que fazem parte da família METALLICA.

Foto: Fernando Schlaepfer (IHateFlash)
Foto: Fernando Schlaepfer (IHateFlash)

O meio do show foi cercado de músicas de apelo um pouco menor do que as iniciais, mas ainda assim de ótima qualidade. O destaque ficou para “The Memory Remains”, que foi cantada em uníssono pelos fãs. Outra que também encantou foi “Sad but True”.

O ponto inferior no meio do show foi o público, que parecia estar estocando energia para o final triunfante, e os solos enfadonhos que foram disparados: o Metallica definitivamente é uma banda de músicas – e que grandes músicas! – e poderia deixar os solos para outras bandas que gostam e precisam de improviso: o Metallica precisa de mais e mais músicas.

Foto: Fernando Schlaepfer (IHateFlash)
Foto: Fernando Schlaepfer (IHateFlash)

A parte final do show começou com “One”. E não pode escapar de todos os que viram o espetáculo aquela maravilhosa queima de fogos unida ao som da banda, além dos efeitos pirotécnicos que saiam das pontas do palco: um destaque das equipes de som, iluminação e dos fogos, que mostraram mais uma vez uma junção incrível. Outro destaque foi “Nothing Else Matters”, onde o público se emocionou e cantou junto com Hetfield.

No bis, as três músicas foram fantásticas, mas quem roubou a cena foi “Seek and Destroy”. A música, que foi pedida diversas vezes pelos fãs durante todo o show, realmente fechou com chave de ouro a apresentação, que não só foi a melhor do metal da noite como concorre seriamente para a melhor do festival.

Foto: Fernando Schlaepfer (IHateFlash)
Foto: Fernando Schlaepfer (IHateFlash)

Setlist:
Intro: The Ecstasy of Gold (música de Ennio Morricone)
1. Hit the Lights
2. Master of Puppets
3. Holier Than Thou
4. Harvester of Sorrow
5. The Day that Never Comes
6. The Memory Remains
7. Wherever I May Roam
8. Welcome Home (Sanitarium)
9. Sad but True
10. ...And Justice for All
11. One
12. For Whom the Bell Tolls
13. Blackened
14. Nothing Else Matters
15. Enter Sandman
Bis:
16. Creeping Death
17. Battery
18. Seek & Destroy

Foto: Estácio
Foto: Estácio

Foto: Estácio
Foto: Estácio

Foto: Estácio
Foto: Estácio

Foto: Estácio
Foto: Estácio

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de Metallica (Rock in Rio, Rio de Janeiro, 19/09/2013)

4708 acessosMetallica: Uma máquina de guerra no Rock in Rio 2013

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Blend GuitarBlend Guitar
Os dez solos de guitarra mais fáceis da história

474 acessosMetallica: veja filmagem profissional de "Hardwired" em Quebec873 acessosMetallica: Cliff Burton VS Jason Newsted VS Robert Trujillo361 acessosMetallica: mais vídeos oficiais ao vivo, jovem fã sobe ao palco0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Metallica"

MetallicaMetallica
Membros comentam sobre Hall da Fama do Rock

MetallicaMetallica
A letra que fez Hammett e Hetfield chorar

MetallicaMetallica
Lars fala muito e deveria apanhar, diz Sharon Osbourne

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "Rock In Rio"0 acessosTodas as matérias sobre "Metallica"

PanteraPantera
O surreal e constrangedor funeral de Dimebag Darrell

Heavy MetalHeavy Metal
"Cristãos podem aprender muito com o gênero"

Top 5Top 5
Os roqueiros mais chatos da história

5000 acessosRock In Rio: Freddie Mercury desdenhou dos artistas brasileiros em 19855000 acessosBayley, Wilson e Cherone: grandes erros na história de grandes bandas5000 acessosClassic Rock: os 50 maiores álbuns de rock progressivo5000 acessosMetal Hammer: As melhores músicas da história do Death Metal5000 acessosWikimetal: os 100 maiores álbuns ao vivo já feitos5000 acessosHeavy Metal: os dez melhores álbuns lançados em 1982

Sobre Diego Camara

Nascido em São Paulo em 1987, Diego Camara é jornalista, radialista e blogueiro. Seu amor pelo metal e rock começou há 6 anos. Um amante da nova geração, é um grande fã de Arjen Lucassen, Andre Matos e bandas como Nightwish, Hammerfall, Sonata Arctica, Edguy e Kamelot. Também não deixa de ter amor pelos clássicos, como Helloween, Gamma Ray e Iron Maiden e do Rock de bandas como Oasis, Queen e Kings of Leon. Atualmente seus textos podem ser lidos no blog OCrepusculo.com sobre assuntos diversos, além de planos para criação de um projeto totalmente voltado aos blogs de Rock e Metal.

Mais informações sobre Diego Camara

Mais matérias de Diego Camara no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online