Matérias Mais Lidas

imagemCinco discos de heavy metal para ouvir sem pular nenhuma faixa

imagemO dia que Cazuza pagou justo esporro para Sandra de Sá ao ver atitude da cantora em festa

imagemFãs não perdoam e reclamam da bateria de Lars Ulrich em novo single do Metallica

imagemMotörhead lança a música inédita "Bullet In Your Brain"; ouça aqui

imagemO clássico do Rock Brasileiro com erro gramatical que foi parar em curso pré-vestibular

imagemMetallica: e se "Lux Aeterna" estivesse no "... And Justice For All"?

imagemCinco músicos que nunca voltarão para as bandas que os consagraram

imagemTim Ripper Owens diz que nunca voltaria ao Iced Earth

imagemTitãs e o integrante que era visto como um líder mas saiu por estar em outra

imagemCharlie Benante não sabia de tour do Metallica com o Pantera

imagemO álbum clássico do Rush que Rafael Bittencourt não gostava nada

imagemA importância da ex-esposa de James Hetfield em sua luta contra o alcoolismo

imagemBandas de rock que lançaram poucos discos, mas continuam fazendo muito sucesso

imagemO motivo pelo qual Steven Tyler disse que "daria na cara" de Elvis Presley

imagemKirk Hammett sobre o Metallica: "Masculinidade tóxica alimentou essa banda"


Samael Hypocrisy
Stamp

Discos pouco falados no mundo do rock: Clear Air Turbulence

Resenha - Clear Air Turbulence - Ian Gillan

Por Zé Elias
Postado em 29 de janeiro de 2018

Depois de sua saída do Deep Purple, o vocalista Ian Gillan juntou um time de ótimos músicos e começou carreira solo. Com eles, foram gravados três discos sob o nome de Ian Gillan Band. "Clear Air Turbulence" é o segundo, lançado em 1977. E para o meu gosto, nada que ele fez depois disso (incluindo sua passagem pelo Sabbath e volta ao Purple) superou esse trabalho.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Não é um álbum para roqueiros convencionais, e pouco ou nada se vê de semelhança com Deep Purple além de reconhecer a voz de Gillan, que estava tinindo na época dessa gravação. É um trabalho de jazz-rock com pitadas de progressivo. Quem conhece Gentle Giant, Dixie Dregs, Frank Zappa, Genesis e Jean-Luc Ponty vai entender o que estou falando. Embora a base da banda seja convencional (guitarra, baixo, bateria, teclado), instrumentos de sopro e percussões diversas aparecem ao longo das faixas, que alternam momentos intensos com suaves. Muita técnica e ousadia presentes.

Uma curiosidade: Gillan fez uma primeira mixagem do disco em 1976, na Rockfield Studios, no país de Gales. Mas insatisfeito com o resultado, chegou até a cancelar a turnê para remixá-lo na Kingsway de Londres, no ano seguinte. Em 1997, a primeira mixagem foi lançada em CD com o título "The Rockfield Mixes". Penso que remixar foi um luxo desnecessário do vocalista, pois a versão de Rockfield é a meu ver mais do que satisfatória. E tem mais: em 2004, saiu "The Rockfield Mixes Plus", com faixas bônus.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Faixas do LP original:
Clear Air Turbulence – 7:47
Five Moons – 7:34
Money Lender – 5:40
Over the Hill – 7:20
Angel Manchenio – 7:21
Goodhand Liza – 5:20

Curtiu a dica? Então comente e compartilhe. Valeu!


Discos Pouco Falados - Clássicos que mereciam mais reconhecimento

Resenha - Rapsódia Rock - Robertinho do Recife

Resenha - When The Bough Breaks - Bill Ward

Resenha - No Mean City - Nazareth

Resenha - Serpent Is Rising - Styx

Resenha - Before I Forget - Jon Lord

Resenha - Mind the Acoustic Pieces - Maiden United

Resenha - Iron Age - Mother's Finest

Resenha - Keith Emerson Band with Marc Bonilla - Keith Emerson

Resenha - Elegant Gypsy - Al di Meola

Resenha - Instrumental On The Road - Pepeu Gomes

Resenha - House of Blue Light - Deep Purple

Todas as matérias sobre "Discos Pouco Falados - Clássicos que mereciam mais reconhecimento"

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Siga Whiplash.Net: Facebook | Instagram | Twitter | YouTube

Receba as novidades do Whiplash.Net por WhatsApp


Summer Breeze


publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Ian Gillan diz que ficou desapontado com "Born Again" e jogou álbum pela janela do carro

Ian Gillan diz que Blackmore é um pé no saco e manda reunião para o espaço

Deep Purple: Ian Gillan compara Ritchie Blackmore a "ex-esposa que não queremos de volta"

Deep Purple: Ian Gillan comenta sua relação atual com Ritchie Blackmore

O álbum do Deep Purple que Ian Gillan considera subestimado

Deep Purple: Ian Gillan diz que o xadrez é ótimo para sua mente

Deep Purple: a surpreendente razão pela qual Ian Gillan não participa de meet and greet

Ian Gillan: será que o vocalista do Deep Purple ouve alguma banda nova?

Legião Urbana: a versão de Renato Rocha sobre a sua saída

Megadeth: Mustaine fala sobre satanistas, gays e gatos


Sobre Zé Elias

José Elias da Silva Neto é paulista de Santo André, nasceu em 1965. Mora em Poços de Caldas, MG. É designer gráfico, baixista e palmeirense. O primeiro rock ouviu com 2 anos de idade, "Wooly Booly", de Sam the Sham and the Pharaos. Em 1972, foi apresentado ao "Machine Head" do Deep Purple e ao "Santana 3". Uns anos depois vieram a coletânea "1962-1966" dos Beatles e "No Mean City", do Nazareth. Aí virou mania. Quem tá sempre no player: Jethro Tull, Queen, Led Zeppelin, Genesis, Gentle Giant, Dixie Dregs, Emerson Lake & Palmer, Rush, Focus. E alguma coisa de jazz anos 30-40, música erudita, MPB. O que não lhe faz a cabeça: rock farofa, solos muito longos e metal muito zoeira.

Mais matérias de Zé Elias.