Discos pouco falados no mundo do rock: When the Bough Breaks

Resenha - When The Bough Breaks - Bill Ward

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Zé Elias
Enviar Correções  

Bill Ward é um nome mais do que familiar pra quem é roqueiro. Mas ao menos no sites que sondei, os discos solo do baterista do Black Sabbath estão longe de serem populares. Por exemplo, não há sobre "When the bough breaks" um único comentário de leitores no allmusic.com. Parece ser regra que trabalhos solo de integrantes ou ex-integrantes de bandas famosas despertem bem menos interesse, e que Ozzy e Phil Collins estão entre as exceções. Você concorda com isso?

Quais são os rockstars mais chatos do mundo?Glen Benton e Euronymous: a verdade sobre o encontro

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Falando sobre o disco: é o segundo dos três lançados por Ward. Foi lançado em 1997. Ele é o vocalista em todas as faixas e, pode crer, não toca bateria. Eu diria que não é essencialmente metal, mas um hard rock setentista, com algumas pitadas típicas daquela década de back vocals femininos, arranjos de cordas, gaita e saxofone. Ao longo do trabalho há diversas referências a estilos, entre eles soul, blues, country, ritmos africanos e prog (a faixa "Growth" me remete a... Pink Floyd!) A mais sabbathiana das faixas talvez seja "Shine", ouça-a no vídeo abaixo:

Curiosidade: no primeiro lançamento, a imagem da capa é de duas rosas. Ward afirmou que não era essa a que ele queria e, em 2000, o disco foi relançado com a "definitiva".

Se você curte Sabbath nem tanto por causa de Ozzy, talvez goste mais deste disco do que da carreira solo do Madman. É o meu caso!

Faixas:
"Hate" – 5:00
"Children Killing Children" – 3:51
"Growth" – 5:45
"When I was a Child" – 4:54
"Please Help Mommy (She's a Junkie)" – 6:40
"Shine" – 5:06
"Step Lightly (On the Grass)" – 5:59
"Love & Innocence" – 1:00
"Animals" – 6:32
"Nighthawks Stars & Pines" – 6:45
"Try Life" – 5:35
"When the Bough Breaks" – 9:45

Curtiu a dica? Então comente e compartilhe. Valeu!

Comente: Você conhece este disco do Bill Ward?


Discos Pouco Falados - Clássicos que mereciam mais reconhecimento

Resenha - Rapsódia Rock - Robertinho do Recife

Resenha - Clear Air Turbulence - Ian Gillan

Resenha - No Mean City - Nazareth

Resenha - Serpent Is Rising - Styx

Resenha - Before I Forget - Jon Lord

Resenha - Mind the Acoustic Pieces - Maiden United

Resenha - Iron Age - Mother's Finest

Resenha - Keith Emerson Band with Marc Bonilla - Keith Emerson

Resenha - Elegant Gypsy - Al di Meola

Resenha - Instrumental On The Road - Pepeu Gomes

Resenha - House of Blue Light - Deep Purple

Todas as matérias sobre "Discos Pouco Falados - Clássicos que mereciam mais reconhecimento"




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Quais são os rockstars mais chatos do mundo?Quais são os rockstars mais chatos do mundo?

Glen Benton e Euronymous: a verdade sobre o encontroGlen Benton e Euronymous
A verdade sobre o encontro


Sobre Zé Elias

José Elias da Silva Neto é paulista de Santo André, nasceu em 1965. Mora em Poços de Caldas, MG. É designer gráfico, baixista e palmeirense. O primeiro rock ouviu com 2 anos de idade, "Wooly Booly", de Sam the Sham and the Pharaos. Em 1972, foi apresentado ao "Machine Head" do Deep Purple e ao "Santana 3". Uns anos depois vieram a coletânea "1962-1966" dos Beatles e "No Mean City", do Nazareth. Aí virou mania. Quem tá sempre no player: Jethro Tull, Queen, Led Zeppelin, Genesis, Gentle Giant, Dixie Dregs, Emerson Lake & Palmer, Rush, Focus. E alguma coisa de jazz anos 30-40, música erudita, MPB. O que não lhe faz a cabeça: rock farofa, solos muito longos e metal muito zoeira.

Mais matérias de Zé Elias no Whiplash.Net.

Goo336x280