RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas

imagemA música de Raul Seixas que salvou a carreira de Chitãozinho e Xororó

imagemPor que Lemmy odiava tocar "Ace of Spades" nos shows do Motörhead

imagemA atitude punk da Legião Urbana que causou irritação e deu trabalho na gravação

imagemOmelete diz que heavy metal pertence agora à nova geração e não ao tiozão headbanger

imagemO conselho realista de John Petrucci para bandas que estão começando agora

imagemQuatro músicas de artistas brasileiros que citam Os Paralamas do Sucesso

imagemO hit dos Beatles que talvez seja sobre drogas e que "Jesus" acompanhou gravação

imagem"Quem não gosta de Beatles bom sujeito não é", diz João Gordo

imagemO brasileiro com a voz parecida com a de Axl Rose que viralizou no TikTok

imagemDeep Purple: David Coverdale revela quem quis como substituto de Ritchie Blackmore

imagem5 motivos para assistir ao novo RockGol 2023 que estreia em fevereiro

imagemProdutor da turnê de Paul Di'Anno explica problemas no primeiro show

imagemAndi Deris tem problemas de saúde e shows do Helloween são adiados

imagemClipe de "From The Ashes" ultrapassa 1 milhão de views e Fernanda Lira celebra

imagemO Raul Seixas não era nada daquilo que ele falava, diz ex-parceiro musical


Stamp

Discos pouco falados no mundo do rock: When the Bough Breaks

Resenha - When The Bough Breaks - Bill Ward

Por Zé Elias
Postado em 01 de fevereiro de 2018

Bill Ward é um nome mais do que familiar pra quem é roqueiro. Mas ao menos no sites que sondei, os discos solo do baterista do Black Sabbath estão longe de serem populares. Por exemplo, não há sobre "When the bough breaks" um único comentário de leitores no allmusic.com. Parece ser regra que trabalhos solo de integrantes ou ex-integrantes de bandas famosas despertem bem menos interesse, e que Ozzy e Phil Collins estão entre as exceções. Você concorda com isso?

Falando sobre o disco: é o segundo dos três lançados por Ward. Foi lançado em 1997. Ele é o vocalista em todas as faixas e, pode crer, não toca bateria. Eu diria que não é essencialmente metal, mas um hard rock setentista, com algumas pitadas típicas daquela década de back vocals femininos, arranjos de cordas, gaita e saxofone. Ao longo do trabalho há diversas referências a estilos, entre eles soul, blues, country, ritmos africanos e prog (a faixa "Growth" me remete a... Pink Floyd!) A mais sabbathiana das faixas talvez seja "Shine", ouça-a no vídeo abaixo:

Curiosidade: no primeiro lançamento, a imagem da capa é de duas rosas. Ward afirmou que não era essa a que ele queria e, em 2000, o disco foi relançado com a "definitiva".

Se você curte Sabbath nem tanto por causa de Ozzy, talvez goste mais deste disco do que da carreira solo do Madman. É o meu caso!

Faixas:
"Hate" – 5:00
"Children Killing Children" – 3:51
"Growth" – 5:45
"When I was a Child" – 4:54
"Please Help Mommy (She's a Junkie)" – 6:40
"Shine" – 5:06
"Step Lightly (On the Grass)" – 5:59
"Love & Innocence" – 1:00
"Animals" – 6:32
"Nighthawks Stars & Pines" – 6:45
"Try Life" – 5:35
"When the Bough Breaks" – 9:45

Curtiu a dica? Então comente e compartilhe. Valeu!

Comente: Você conhece este disco do Bill Ward?


Discos Pouco Falados - Clássicos que mereciam mais reconhecimento

Resenha - Rapsódia Rock - Robertinho do Recife

Resenha - Clear Air Turbulence - Ian Gillan

Resenha - No Mean City - Nazareth

Resenha - Serpent Is Rising - Styx

Resenha - Before I Forget - Jon Lord

Resenha - Mind the Acoustic Pieces - Maiden United

Resenha - Iron Age - Mother's Finest

Resenha - Keith Emerson Band with Marc Bonilla - Keith Emerson

Resenha - Elegant Gypsy - Al di Meola

Resenha - Instrumental On The Road - Pepeu Gomes

Resenha - House of Blue Light - Deep Purple

Todas as matérias sobre "Discos Pouco Falados - Clássicos que mereciam mais reconhecimento"

Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:
Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps



Black Sabbath: Bill Ward ficou "de coração partido" com saída em 2012

Bill Ward: ele quer mais que 80 mil dólares por show em festival

Black Sabbath: saiba porque era horrível dividir o espaço com Bill Ward nos 60's


publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sobre Zé Elias

José Elias da Silva Neto é paulista de Santo André, nasceu em 1965. Mora em Poços de Caldas, MG. É designer gráfico, baixista e palmeirense. O primeiro rock ouviu com 2 anos de idade, "Wooly Booly", de Sam the Sham and the Pharaos. Em 1972, foi apresentado ao "Machine Head" do Deep Purple e ao "Santana 3". Uns anos depois vieram a coletânea "1962-1966" dos Beatles e "No Mean City", do Nazareth. Aí virou mania. Quem tá sempre no player: Jethro Tull, Queen, Led Zeppelin, Genesis, Gentle Giant, Dixie Dregs, Emerson Lake & Palmer, Rush, Focus. E alguma coisa de jazz anos 30-40, música erudita, MPB. O que não lhe faz a cabeça: rock farofa, solos muito longos e metal muito zoeira.
Mais matérias de Zé Elias.