Discos pouco falados no mundo do rock: Keith Emerson Band

Resenha - Keith Emerson Band with Marc Bonilla - Keith Emerson

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Zé Elias
Enviar Correções  

Veja se você combina com uma ou mais alternativas:

A) As melhores baladas da história do rock são "Lucky man", "Still you turn me on", "From the beginning", "Ces't la vie"...
B) "Tiger in a spotlight" era a mais aguardada no programa "Som Pop" da TV Cultura, nos anos 1980.
C) Dá vontade de fazer air keyboard toda vez que toca a introdução de "Tarkus".

Muito bem, então você é um grande fã de Emerson, Lake and Palmer desde o século passado e acho que vai se interessar por esta resenha. Muita gente considera que a história morreu na praia. Ou melhor, em "Love Beach", disco de 1978 que encerrou o primeiro ciclo da banda. Não sou tão radical assim. Além de algumas boas faixas nos discos do retorno na década de 1990 e também nas variações "Emerson, Lake and Powell" e "Emerson, Berry and Palmer", a carreira solo de Keith Emerson tem coisas merecedoras de se ouvir.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"Keith Emerson Band featuring Marc Bonilla" (2008) é o trabalho que mais se aproxima, a meu ver, dos sons que marcaram o trio ELP em todas as suas fases e influências: prog (com direito a suíte temática), improvisos jazzísticos, música clássica, piano puro, música de cabaré, baladas e até a sonoridade mais pop nos anos 1980/90. Pra dar uns exemplos: a introdução do disco tem o jeitão de "The endless enigma"; na sequência, viagens que remetem a "Tarkus"; a faixa "The art of falling down" poderia talvez estar no "Works". Até a voz de Marc Bonilla tem um timbre bastante parecido com o de Greg Lake em muitos momentos. A propósito: é ele quem dá o toque diferenciado em relação ao ELP, usando bastante a guitarra.

Aprendi a deixar a idolatria e as comparações com o passado quando vou ouvir algo novo. E é uma boa porque às vezes aparecem álbuns como este, quase uma hora de música de muito bom nível. Segue uma amostra, a faixa "Finale".

Curtiu a dica? Então comente e compartilhe. Valeu!


Discos Pouco Falados - Clássicos que mereciam mais reconhecimento

Resenha - Rapsódia Rock - Robertinho do Recife

Resenha - Clear Air Turbulence - Ian Gillan

Resenha - When The Bough Breaks - Bill Ward

Resenha - No Mean City - Nazareth

Resenha - Serpent Is Rising - Styx

Resenha - Before I Forget - Jon Lord

Resenha - Mind the Acoustic Pieces - Maiden United

Resenha - Iron Age - Mother's Finest

Resenha - Elegant Gypsy - Al di Meola

Resenha - Instrumental On The Road - Pepeu Gomes

Resenha - House of Blue Light - Deep Purple

Todas as matérias sobre "Discos Pouco Falados - Clássicos que mereciam mais reconhecimento"




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


As regras do New Metal/Nu-metalAs regras do New Metal/Nu-metal

Anos 80: bandas nacionais que o tempo esqueceuAnos 80
Bandas nacionais que o tempo esqueceu


Sobre Zé Elias

José Elias da Silva Neto é paulista de Santo André, nasceu em 1965. Mora em Poços de Caldas, MG. É designer gráfico, baixista e palmeirense. O primeiro rock ouviu com 2 anos de idade, "Wooly Booly", de Sam the Sham and the Pharaos. Em 1972, foi apresentado ao "Machine Head" do Deep Purple e ao "Santana 3". Uns anos depois vieram a coletânea "1962-1966" dos Beatles e "No Mean City", do Nazareth. Aí virou mania. Quem tá sempre no player: Jethro Tull, Queen, Led Zeppelin, Genesis, Gentle Giant, Dixie Dregs, Emerson Lake & Palmer, Rush, Focus. E alguma coisa de jazz anos 30-40, música erudita, MPB. O que não lhe faz a cabeça: rock farofa, solos muito longos e metal muito zoeira.

Mais matérias de Zé Elias no Whiplash.Net.

Cli336x280