Discos pouco falados no mundo do rock: Before I Forget

Resenha - Before I Forget - Jon Lord

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Zé Elias
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Diferentemente dos tempos de Deep Purple, em que fez uma aclamada dobradinha com Ritchie Blackmore (então top-5 dos guitarristas de rock), Jon Lord era figura de segundo plano na banda Whitesnake em 1982, quando lançou seu quinto álbum solo, "Before I forget".

Rafael Serrante: Ele invadiu o palco do Maiden no Rock In RioSign of the horns: o sinal do Demônio

E nesse trabalho, ele (como seria de se esperar) é o personagem central e exibe suas diversas preferências: pop e hard rock, blues, música erudita, vocais masculinos e femininos, várias faixas levadas no piano, e até umas, digamos, mais "cafonas" (mas igualmente bem executadas). Está acompanhado de muitas figuras carimbadas: Ian Paice, Cozy Powell, Neil Murray, Simon Phillips, Tony Ashton, Vicki e Sam Brown, Elmer Gantry. Ah, acreditem: foi lançado no Brasil no mesmo ano do lançamento lá fora, uma época em que nem os principais discos das principais bandas estavam em catálogo. Deve ter sido uma tiragem de 500 unidades ahahaha

O LP original traz quatro músicas cantadas e outras quatro instrumentais, com lado A mais hard/órgão e B mais suave/piano. "Bach onto this" (ouça abaixo) é uma versão rock da "Toccata e Fuga" de Bach. Furei o LP de tanto ouvi-la. "Tender babes" talvez seja aquela que Blackmore gostaria de ter tocado, caso tivesse participado. "Hollywood rock'n'roll", com Ashton nos vocais, caberia perfeitamente no disco "Malice in Wonderland" (do trio Paice, Ashton e Lord - acho que um dia falarei sobre ele). E a faixa-título, eu a imagino na trilha de um filme que tenha uma cena de reencontro de familiares após muito tempo sem se verem (pura viagem minha). As quatro faixas bônus do CD são, pro meu gosto, menos relevantes.

Capa e faixas do LP original:

"Chance on a Feeling" - 4:06
"Tender Babes" - 4:04
"Hollywood Rock And Roll" - 4:06
"Bach Onto This" - 7:59
"Before I Forget" - 5:04
"Say Its Alright" - 4:47
"Burntwood" - 4:00
"Where Are You?" - 5:00

Capa e faixas extras do CD, lançado em 1999:

"Going Home"
"Pavane"
"Lady"
"For A Friend"

Curtiu a dica? Então comente e compartilhe. Valeu!


Discos Pouco Falados - Clássicos que mereciam mais reconhecimento

Resenha - Rapsódia Rock - Robertinho do RecifeResenha - Clear Air Turbulence - Ian GillanResenha - When The Bough Breaks - Bill WardResenha - No Mean City - NazarethResenha - Serpent Is Rising - StyxResenha - Mind the Acoustic Pieces - Maiden UnitedResenha - Iron Age - Mother's FinestResenha - Keith Emerson Band with Marc Bonilla - Keith EmersonResenha - Elegant Gypsy - Al di MeolaResenha - Instrumental On The Road - Pepeu GomesResenha - House of Blue Light - Deep PurpleTodas as matérias sobre "Discos Pouco Falados - Clássicos que mereciam mais reconhecimento"




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Discos Pouco Falados - Clássicos que mereciam mais reconhecimento"Todas as matérias sobre "Jon Lord"Todas as matérias sobre "Deep Purple"


Rafael Serrante: Ele invadiu o palco do Maiden no Rock In RioRafael Serrante
Ele invadiu o palco do Maiden no Rock In Rio

Sign of the horns: o sinal do DemônioSign of the horns
O sinal do Demônio

Guitarristas: os maiores do Hard & Heavy segundo a revista BurnnGuitarristas
Os maiores do Hard & Heavy segundo a revista Burnn

Fotos de Infância: Cradle Of FilthTeoria da Conspiração: Slipknot troca membros em shows ao vivo?Hard e Metal: as dez fotos mais bizarras de bandas do gêneroLayne Staley: ele mudou nome do meio graças a Tommy Lee

Sobre Zé Elias

José Elias da Silva Neto é paulista de Santo André, nasceu em 1965. Mora em Poços de Caldas, MG. É designer gráfico, baixista e palmeirense. O primeiro rock ouviu com 2 anos de idade, "Wooly Booly", de Sam the Sham and the Pharaos. Em 1972, foi apresentado ao "Machine Head" do Deep Purple e ao "Santana 3". Uns anos depois vieram a coletânea "1962-1966" dos Beatles e "No Mean City", do Nazareth. Aí virou mania. Quem tá sempre no player: Jethro Tull, Queen, Led Zeppelin, Genesis, Gentle Giant, Dixie Dregs, Emerson Lake & Palmer, Rush, Focus. E alguma coisa de jazz anos 30-40, música erudita, MPB. O que não lhe faz a cabeça: rock farofa, solos muito longos e metal muito zoeira.

Mais matérias de Zé Elias no Whiplash.Net.

adGoo336|adClio336