Lulu: Obra de arte destinada (injustamente) ao esquecimento

Resenha - Lulu - Lou Reed & Metallica

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Tiago Neves, Fonte: The Seventh Wall
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Certos discos já nascem condenados ao esquecimento. Não será diferente com o tão aguardado fruto da parceria entre a banda METALLICA e LOU REED – Lulu (2011). A parceria – surgida após uma apresentação de ambos no Rock and Roll Hall of Fame em 2009 – inspirou o velho REED a compor este trabalho baseado em duas obras do dramaturgo expressionista alemão Frank Wededkind: "O Espírito da Terra" (1895) e "A Caixa de Pandora" (1904), e arranjada musicalmente pelo Metallica. Independente do enredo da história, o que esperar de uma mescla de estilos tão inusitada quanto essa?
421 acessosMetallica: Cartazes edição limitada serão vendidos nessa quinta5000 acessosQueen - Perguntas e Respostas

Para os fãs xiitas e ortodoxos do METALLICA, um conselho: passem longe desse disco! O caráter predominantemente experimental da obra, aliado aos vocais declamados de REED, passam longe de qualquer álbum clássicos como “Master Of Puppets” e “Ride The Lightning”. A banda arrisca mais uma vez em um território musical diferente do habitual e, na minha opinião, acho isso completamente válido, pois é isso que a mantém viva e criativa na cena musical. Porém, a banda peca ao transformar esse disco em uma versão melhor produzida de St. Anger (2003), apenas com o diferencial de "Lulu" ser melhor produzido e com a inclusão de um vocal dez vezes mais desafinado, no caso, a voz já cansada de MR. REED em seus quase 70 anos.

O disco é ruim? Não, longe disso. A mistura de sons estranhamente inseridos entre as composições, somados as recitações de Reed, combinam perfeitamente com o conceito da obra. As melodias cruas em músicas de longa duração (a última faixa – a melancólica “Junior Dad” – tem mais de 19 minutos de duração) podem cansar o ouvinte menos habituado a canções digamos... ahn... progressivas como esta. Obviamente, este não foi um disco composto pensando em vendas extraordinárias ou na adoração dos fãs a ele. Eu mesmo, a princípio, não gostei de “Lulu”, entretanto, o disco não foi concebido para ser ouvido e assimilado de imediato, e aí está a grande proeza da parceria: a criação de uma obra de arte que estimule a audição mais atenciosa da mesma. Sim, pois o disco passa a ter sentido e aceitação a partir do entendimento dele como um todo, não apenas como um disco somente do Metallica ou de Lou Reed, mas sim como uma parceria de igual contribuição dos dois mundos musicais completamente distintos de ambos.

O destaque absoluto fica para a excelente “Mistress Dead”, musicada com o thrash metal que o METALLICA faz como ninguém, e que soaria perfeitamente bem no já citado “St. Anger”, com seu clima frenético (qualquer comparação com “Frantic” não será mera coincidência). “Dragon”, com seus 11 minutos de duração, assim como grande parte do repertório deste disco, não faria feio em qualquer um dos injustamente subestimados e execrados “Load” e “Reload”, de 1996 e 1997, respectivamente.

A comparação com os trabalhos mais recentes do METALLICA será inevitável, e é aí que grande parcela de fãs e crítica musical vão torcer o nariz, porém trata-se de uma obra atípica, a qual não será dada a devida atenção e reconhecimento. O que será uma pena, pois perde-se aí a oportunidade de conhecer um mundo musical completamente distinto do habitual, como a experiência de ouvir “Lulu”.

Como disse no início deste texto, certos discos já nascem condenados ao esquecimento. Não deixe que este se inclua à sua discografia injustiçada e dê a ele ao menos a oportunidade de fazê-lo desbravar uma experiência repleta da tensão, melancolia de “Lulu”.

Faixas:
1. "Brandenburg Gate" – 4:19
2. “The View" – 5:17
3. "Pumping Blood" – 7:24
4. "Mistress Dread" – 6:52
5. "Iced Honey" – 4:36
6. "Cheat on Me" – 11:26
7. "Frustration" – 8:33
8. "Little Dog" – 8:01
9. "Dragon" – 11:08
10. "Junior Dad" – 19:28

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de Lulu - Lou Reed & Metallica

5000 acessosMetallica: Não arrisque tentar encaixar Lulu na discografia3431 acessos"Lulu": Mais chances de agradar aos fãs de Lou Reed4731 acessosLou Reed & Metallica: vai ser impossível haver um consenso5000 acessosLou Reed & Metallica: Parceria saiu melhor que a encomenda5000 acessosLou Reed & Metallica: Boas letras, mas Rock não é poesia5000 acessosMetallica & Lou Reed: "Lulu" não é um disco fácil

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

MetallicaMetallica
James explica como ele cria os títulos das músicas

421 acessosMetallica: Cartazes edição limitada serão vendidos nessa quinta1258 acessosMetallica: Lars queria ver Phil Rudd tocando Enter Sandman0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Metallica"

MetallicaMetallica
Será que Kanye West copiou o logo da banda?

HeróisHeróis
Astros da música transformados em heróis de HQ

MetallicaMetallica
Velhinho viraliza com "For Whom The Bell Tolls"

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Metallica"0 acessosTodas as matérias sobre "Lou Reed"

QueenQueen
Perguntas e respostas e curiosidades diversas

MetallicaMetallica
As 10 melhores músicas segundo a Loudwire

Led ZeppelinLed Zeppelin
A origem do anjo símbolo da banda

5000 acessosDanilo Gentili: O sertanejo tem mais atitude roqueira que o próprio roqueiro5000 acessosPower Metal: 10 álbuns essenciais do estilo5000 acessosAC/DC: isso sim é uma bela estrada para o inferno5000 acessosSinal dos tempos: você perdeu de vez a fé no Rock Progressivo porque...5000 acessosAC/DC: "Infelizmente há um momento em que você tem que parar"2859 acessosELF: ouça Dio cantando "Aqualung" do Jethro Tull

Sobre Tiago Neves

Tiago Neves (também conhecido como Seven) nasceu no ano de 1986 nomunicípio de Três Rios, interior do estado do RJ, e atualmente reside emBelo Horizonte - MG. É editor do site The 7th Wall,administrador por formação e colecionador de música por compulsão. Colaborou com vários sites do segmento musical como Whiplash.Net e CollectorsRoom. Tiago também é músico guitarrista e tecladista com atuação em váriasbandas de seu antigo vilarejo. Desde sempre interessado em música, passou aacompanhar a arte com mais afinco a partir de 2001, quando da edição do Rockin Rio no mesmo ano começou a ouvir e comprar compulsivamente os lançamentosdas bandas que mais gostava, tendo como ponto de partida Legião Urbana, GunsN' Roses, Iron Maiden e Pink Floyd. Até hoje, as duas últimas ainda são suasbandas favoritas, acrescidas por Whitesnake e Black Sabbath.

Mais matérias de Tiago Neves no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online