Black Sabbath: na Discoteca Básica Bizz por André Barcinski

Resenha - Black Sabbath - Black Sabbath

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Ricardo Seelig, Fonte: Collectors Room
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Texto escrito por André Barcinski e publicado na Bizz #070, de maio de 1991.

Blend Guitar: em vídeo, as dez maiores bandas de Heavy MetalAs regras do New Metal/Nu-metal

O texto abaixo foi publicado na ediçãp #70 da revista Bizz, que chegou às bancas em maio de 1991, e fazia parte da seção Discoteca Básica, onde os colaboradores da revista discorriam sobre álbuns fundamentais para a história do rock. Contextualizando no tempo e espaço, naquela época vivíamos uma onda de reconhecimento crítico em relação ao Black Sabbath, devido à influência da banda na então muito popular cena grunge.

Abaixo está o texto do jornalista André Barcinski na íntegra:

Imagem

No início de 1970, um então desconhecido quarteto da cidade inglesa de Birmingham chocaria a Europa ao gravar um álbum que ultrapassava todas as fronteiras da brutalidade sonora que eram conhecidas até então.

Muitas bandas já tocavam alto na época: The Who, Cream, Deep Purple, Led Zeppelin e o pré-punk de Detroit (The Stooges e MC5). O heavy do Black Sabbath, no entanto, era diferente - mórbido, cruel, demoníaco. Enquanto o psicodelismo dos hippies ainda ecoava por todo o mundo e o rock progressivo passava por seu período mais promissor, o vocalista Ozzy Osbourne declarava: "Nossa música é uma reação a toda essa babaquice de paz, amor e felicidade. Os hippies ficam tentando te convencer de que o mundo é uma maravilha, mas é só olhar ao redor para ver a merda em que nós estamos".

Ozzy tinha todas as razões para reclamar da vida: teve uma infância pobre e passou boa parte de sua adolescência trancado nas cadeias de Aston, o bairro miserável de sua cidade natal. Em 1967 resolveu montar um grupo com o guitarrista Tony Iommi, o baixista Terry "Geezer" Butler e o baterista Bill Ward, começando a tocar no circuito de bares por cachês irrisórios. Como resultado direto de suas frustrações e problemas financeiros, viram seu som se tornar mais sujo e agressivo a cada dia.

Imagem

"Black Sabbath", o álbum de estreia do grupo - lançado numa sexta-feira, 13 de fevereiro -, foi a válvula de escape de toda essa revolta acumulada ao longo de três anos de estrada. A violência condensada em vinil. Da abertura da faixa-título, com o som de chuva e sinos, até a última nota de "Warning", tínhamos um festival de acordes tonitruantes, vocais ensandecidos e ritmo pulsante. Os temas abordados - missas negras, encontros com Lúcifer e predições catastróficas - eram frutos, principalmente, da leitura exaustiva das obras do inglês Dennis Wheatley.

Três músicas deste LP, ao menos, ficariam marcadas para sempre na história do heavy: a já citada "Black Sabbath", "The Wizard" e "N.I.B.". Junto a "Behind the Walls of Sleep" (inspirada num livro de H.P. Lovecraft), "Evil Woman", "Sleeping Village", "Warning" e, em algumas edições, a faixa extra "Wicked World" (lançada no mês anterior como o primeiro compacto da banda), formam um álbum fundamental e precursor do que se viria a fazer em termos de rock pesado.

Com sua sonoridade única, o heavy do Black Sabbath não nasceu de nenhum desdobramento de outro gênero, mas surgiu num rompante de ousadia de quatro músicos moldados pelas dificuldades e pela revolta contra o establishment “bicho grilo". Enquanto o rock progressivo promovia viagens por paisagens idílicas, o Black Sabbath oferecia uma passagem sem volta ao inferno. Nesse contexto, a banda viveria momentos de glória até 1975, com o lançamento de seu sexto LP, "Sabotage". Depois entrou em lento processo de decadência, movido por batalhas egocêntricas.

No entanto, o grupo permanece como um dos mais subestimados de todos os tempos. É bem verdade que o heavy metal tem uma incrível facilidade em gerar mediocridades, dando farta munição para os detratores de gênero. Mas é inadmissível que a importância de Black Sabbath ainda seja posta em dúvida no momento em que algumas das mais conceituadas bandas da atualidade - como o Faith No More e o Soundgarden - se declaram tão influenciadas por seu som.

Comente: Existe algum álbum mais importante na história do Heavy Metal?

Quer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Outras resenhas de Black Sabbath - Black Sabbath

Black Sabbath: 45 anos de um dos clássicos da música pesadaBlack Sabbath: A famosa estreia do quarteto britânicoBlack Sabbath: 40 anos do primeiro álbum de metal?Resenha - Black Sabbath - Black SabbathResenha - Black Sabbath - Black SabbathTradução - Black Sabbath - Black Sabbath

Rock e Metal
Doze ótimos álbuns para iniciantes

Blend Guitar: em vídeo, as dez maiores bandas de Heavy MetalShows: veja quanto Sabbath, A7X, Red Hot e Disturbed faturaramRock e Metal: em vídeo, as piores covers da históriaTodas as matérias e notícias sobre "Black Sabbath"

2015
Os álbuns mais aguardados, segundo a Loudwire

Black Sabbath
Imagens inéditas de 1970 surgem no Youtube

Épico & Histórico
Tony Iommi e Christopher Lee se entrevistam

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 17 de novembro de 2016

Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Black Sabbath"

New Metal
Raiva, calças folgadas, problemas na infância...

Dimebag
Relato e fotos inéditas do último Natal dele

Separados no nascimento
Andre Matos e Steve Perry

Jim Morrison: ele está vivo e criando cavalos nos EUA?Tarja Turunen: cantando "Ben" aos 17 anos de idadeHeavy Metal: as 10 maneiras de se segurar a guitarraPaulo Miklos: a saída do Titãs e seu substituto, Beto LeeQueen: 10 coisas que você não sabe sobre Bohemian RhapsodyMetallica: membros comentam sobre Hall da Fama do Rock

Sobre Ricardo Seelig

Ricardo Seelig é editor da Collectors Room - www.collectorsroom.com.br - e colabora com o Whiplash.Net desde 2004.

Mais matérias de Ricardo Seelig no Whiplash.Net.

Link que não funciona para email (ignore)

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em agosto: 1.237.477 visitantes, 2.825.604 visitas, 7.034.755 pageviews.

Usuários online