Matérias Mais Lidas

imagemJohn Bonham, Keith Moon ou Charlie Watts, quem era o melhor segundo Ginger Baker?

imagemProdutor de "Temple of Shadows" conta problemas que teve com voz de Edu Falaschi

imagem"A ingenuidade do fã do Iron Maiden é um negócio que beira o patético", diz Regis Tadeu

imagemSteven Tyler dá entrada em clínica de reabilitação após sofrer recaída

imagemRegis Tadeu explica porque Ximbinha é um dos melhores guitarristas do Brasil

imagemVital, o ex-Paralamas que virou nome de música e depois foi pro Heavy Metal

imagemComo foi 1º encontro de Nando Reis e Cássia Eller, ocorrido na casa de Marisa Monte

imagemKiko Loureiro explica efeito colateral da saída de Andre Matos que o fez crescer

imagemLuciana Gimenez tentou aprender com Mick Jagger algo que não funcionou para ela

imagemThe Rolling Stones: 5 músicas para provar que Mick Taylor é um gênio

imagemRitchie Blackmore comenta o instrumental que lançou como homenagem a Jon Lord

imagem"Eu realmente não tenho fé na humanidade", diz Schmier, vocalista do Destruction

imagemZakk Wylde relembra ídolo: "tão relevante quanto Bach, Beethoven e Mozart"

imagemMike Shinoda não está nada feliz com a interferência das redes sociais na música

imagemA definição de rock n roll segundo quem melhor entende do assunto: Mick Jagger


Vuur e Delain: quando o progressivo encontra o sinfônico

Resenha - Vuur e Delain (Tropical Butantã, São Paulo, 17/05/2019)

Por Diego Camara
Em 22/05/19

Vuur e Delain não tem muita coisa em comum, a não ser a presença de duas gerações diferentes de vocalistas holandesas. Charlotte Wessels e Anneke van Giersbergen são as figuras essenciais de ambos os grupos, conhecidas pelo alto carisma e a grande capacidade técnica, elas tem uma legião de fãs que as acompanham e são expoentes de sucesso em suas épocas. As bandas, porém, divergem muito, deixando o show de ambas, unidas, como um chamado para a diversidade: um encontro do metal progressivo, de origem forte europeia, com o sinfônico emocional que vem do Delain. Confira abaixo os principais detalhes do show, com as fotos de Fernando Yokota.

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

DELAIN

A banda entrou no palco com 10 minutos de atraso do horário combinado, mas desde o início a apresentação foi um arraso. A banda já saiu com uma grande explosão com "Go Away", marca registrada de abertura de shows da banda desde o lançamento de "April Rain". O som estava alto e potente, e a voz de Wessels soava incrivelmente bem. É até um pouco surpreendente, dado o fato dos problemas de som baixo já bem conhecidos do Tropical. Talvez o baixo público – dado o fato de que as duas bandas estariam boas para um Carioca Club, mas com um público pequeno para o tamanho do Tropical – tenha auxiliado em dispersar melhor o som pelo ambiente.

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

"Masters of Destiny", em seguida, foi outro estouro. A banda caprichou nos elementos musicais, que remetem muito a música original: usaram a força das guitarras, e também os belos voice overs que ajudam a construir o cenário da música. "Suckerpunch" e "Get the Devil out of Me" foram extremamente bem recepcionadas pelos fãs, que estouraram em festa nessas músicas, cantando junto com Wessels em plenos pulmões durante toda a canção.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Na parte final do show, após o jam, a banda voltou com tudo para completar a apresentação. O som era ótimo, e a presença de palco fazia valer o ingresso dos fãs do Delain. "Mother Machine" viu a banda fazer como se fosse terminar a apresentação, agradecendo o público com bastante emoção, mas ainda assim continuando a apresentação.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

O show, um pouco enrolado ao que parecia, teve um final incrível com as músicas "Don’t Let Go", com muita participação do público. Os destaques vão para o sucesso "We are the Others", que realmente ficou na cabeça do público e é quase que um hino do Delain a diversidade da cena metal, e "The Gathering", que sempre bate carteira em todos os espetáculos do Delain.

Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva

O setlist curto da banda fez com que um grande número de músicas ficasse de fora, e os mais punidos foram claramente as músicas antigas que não retém unanimidade. A banda se foca, cada vez mais, nos seus sucessos recentes, que os auxiliaram a subir no patamar do gênero nos últimos anos. O destaque negativo ficou pela falta da guitarrista Merel Bechtold, que realmente faz muita falta na composição da banda, pois tanto musicalmente quanto na presença de palco ela é responsável por alguns dos melhores momentos do show.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Delain Setlist:

1. Go Away
2. Masters of Destiny
3. The Glory and the Scum
4. Suckerpunch
5. Get the Devil Out of Me
6. Hands of Gold
7. Sing to Me
8. Timo & Joey Jam
9. Pristine
10. Mother Machine
11. Don't Let Go
12. We Are the Others
13. Hunter's Moon
14. The Gathering

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp


VUUR

Pouco após os meados das 22h, o Vuur subiu ao palco para sua apresentação. Quase como um supergrupo do sinfônico progressivo holandês alternativo, a banda criada em 2016 reúne alguns músicos bastante importantes na cena do país. A banda é forte e muito consistente, e isso fica claro deste o início do show: apesar de Anneke ser a estrela do quinteto, e ser o motivo pelo qual a maioria das pessoas ali foram para ver a apresentação da banda, é muito claro que a construção musical e a força da banda depende de um conjunto bem azeitado.

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

A banda começa muito forte com "Rotterdam". O som da banda é um progressivo técnico bastante firme nas guitarras, em um som pesado de invejável. Apesar do volume baixo, já esperado do Tropical – claramente é um tipo de som que precisa do volume lá em cima para funcionar melhor – a apresentação é bastante digna. O Vuur flui muito bem nos elementos pesados, especialmente com o uso das guitarras e do vocal de Anneke, em um misto que parece unir o estilo progressivo de Arjen Lucassen com os projetos insanos do canadense Devin Townsend.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Estes elementos ficam muito claros especialmente quando comparamos a própria apresentação do Vuur com a música "Fallout". Anneke foi tão contagiada por Townsend quanto outros músicos, como o mago das guitarras Steve Vai. Os riffs fortes do Vuur, as introduções cheias, o uso do muro de som: influências fortes do estilo mais pesado de Townsend. Nas partes mais calmas, o som arrastado e o uso dos teclados também responde bem ao estilo do canadense.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

O The Gathering, outra raridade, também apareceu no show: primeiro com "On Most Surfaces", com muito uso do som de piano e os vocais duplicados de Anneke em uma bela rendição musical. E depois no fim, com o sucesso "Strange Machines". Anneke também paga tributo ao Gentle Storm, com a apresentação de "The Storm", épica e muito bem recebida pelo público.

Anneke pode ser realmente a líder e a marca da banda, já que o Vuur parece quase que uma coletânea de ideias e estilos que confluem na própria totalidade da carreira da vocalista holandesa, mas o conjunto artístico supera muito a individualidade, tirando da banda aquela ideia de cover de luxo, ou de artista de aluguel. Uma grata surpresa.

Vuur Setlist:

1. Time - Rotterdam
2. On Most Surfaces (Inuït) (música do Gathering)
3. My Champion - Berlin
4. The Storm (música do Gentle Storm)
5. Days Go By - London
6. The Martyr and the Saint - Beirut
7. Freedom - Rio
8. Fallout (música de Devin Townsend Project)
9. Your Glorious Light Will Shine - Helsinki
10. Reunite! - Paris
11. Strange Machines (música do Gathering)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Epica: "Já sou praticamente um brasileiro", diz Mark Jansen


Garimpeiro das Galáxias: Beldades globais e sua paixão pelo rock


Sobre Diego Camara

Nascido em São Paulo em 1987, Diego Camara é jornalista, radialista e blogueiro. Seu amor pelo metal e rock começou há 6 anos. Um amante da nova geração, é um grande fã de Arjen Lucassen, Andre Matos e bandas como Nightwish, Hammerfall, Sonata Arctica, Edguy e Kamelot. Também não deixa de ter amor pelos clássicos, como Helloween, Gamma Ray e Iron Maiden e do Rock de bandas como Oasis, Queen e Kings of Leon. Atualmente seus textos podem ser lidos no blog OCrepusculo.com sobre assuntos diversos, além de planos para criação de um projeto totalmente voltado aos blogs de Rock e Metal.

Mais informações sobre

Mais matérias de Diego Camara.