Neurosis: Uma imersão no lodo que habita almas alheias

Resenha - Neurosis (Carioca Club, São Paulo, 08/12/2017)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Homero Pivotto Jr.
Enviar correções  |  Ver Acessos

Estar na primeira passagem do Neurosis pelo Brasil - em 8 de dezembro, no Carioca Club, em São Paulo - foi uma neura. Dessas viagens das boas. Uma trip que, para este narrador, começou em Porto Alegre com uma ambientação 'a sun that never sets' (sol nascendo) e seguiu por São Paulo num clima mais 'enemy of the sun' (várias nuvens e vento) e, em seguida, 'the eye of every storm' (mais vento e chuva pra caralho). Mas foi tudo times of grace (que dia, migues!). Tanto que a sombra do show protagonizado por Scott Kelly (voz e guitarra), Steve Von Till (voz e guitarra), Dave Edwardson (baixo e voz), Noah Landis (teclados) e Jason Roeder (bateria) vai encobrir a memória por um longo período. Talvez até 'the end of the road'.

Top 5 Metallica: About.com elege os cinco melhores álbunsLemmy Kilmister: "Estou pronto para morrer. Minha vida foi boa"

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Seria fácil seguir com trocadilhos, eles eram quase inevitáveis durante a sexta-feira, data da evento. Isso porque a neurose de ver o Neurosis era uma constante em tempos pré-show (ouvir, falar e ler sobre a banda fez parte do cotidiano) e tudo parecia remeter ao tema. Títulos dos discos ou das composições do quinteto serviam para ilustrar vivências.

Complicado é descrever a experiência que foi assistir aos caras. Não se trata apenas de mais uma apresentação de rock. Bagulho é uma imersão no lodo que impregna a alma de cada um. Um tipo de força que te coloca mergulhado numa sonoridade densa e sorumbática, mas que te dá ar suficiente para seguir pela enxurrada de graves, ruídos, distorções, microfonia e sensações.

Narrar isso é um exercício que não pode se resumir em listar as músicas do setlist. É preciso, ao menos, tentar ambientar o que foi essa comunhão de dissonância.

Então, fica o alerta de que este texto é mais um relato pessoal com percepções do que uma resenha. Até porque a partir de determinado ponto, para sentir-se mesmo parte daquela congregação regida pela música torta, era preciso se entregar à ocasião em vez de fazer anotações para um futuro relato.

Além da atração principal, as aberturas da Saturndust e do Deaf Kids também fundamentaram o ritual catártico.

A Saturndust deu início à seara de perturbação. Despejando sons lamacentos e pegajosos, encruados de sujeira sludge/doom encharcada pelo ranço de nomes como Eletric Wizard, o trio fez o clima pesar na medida. Em um trecho da performance, o baixo caiu, e a queda foi desculpa para o instrumento ser espancado a chutes em meio a uma sessão de arrastamento de riffs.

O Deaf kids subiu ao palco gritando distopias configuradas na forma de lamentos ruidosos. Tudo embalado por reverberações e batidas primatas. Hipnótico e psicótico. Enquanto o trio mimetizava uma usina de ecos, barulhos e texturas sonoras pouco ortodoxas, parte do Neurosis assistia atento ao que se passava. O DK é cada vez menos uma banda tradicional, e cada vez mais um bando de desajustados com a proposta de executar colagens minimalistas que grudam na mente e retumbam pelo corpo. Interessante como a voz mergulhada em reverb se agrega às composições, ocupando espaços que um vocal nos moldes normais não preencheria.

Do Neurosis, nada menos do que uma atuação impactante era esperado. E a entrega dos californianos foi, deveras, um ataque aos sentidos. Uma avalanche em forma de música que não se atém a rótulos. Denso e intenso. Devastador ao mesmo tempo que revigorante. Um espetáculo de satisfação e perplexidade.

Era comum entre o público a expressão de alegria por estar ali, mas também de incredulidade. Não era tão simples realizar que o Neurosis estava ali, diante de olhares ávidos, mostrando seu estilo forjado a fogo, intensidade e experimentalismo.

Havia gente que parecia perdida, tentando se (re)conectar com o mundo ou consigo mesmo por meio daquela musicalidade estranha. E foi só a intro de 'Lost' vazar pelos PAs para que errantes se encontrassem. O repertório foi de labaredas que compõem um incêndio gigantesco: teve 'The Web', 'Shadow Memory', 'Locust Star', 'Fire Is the End Lesson', 'Water is Not Enough', 'Broken Ground', 'Takeahnase', 'At End of the Road', 'Bending Light' e 'Stones from the Sky'. Mas, neste caso, contar como foi a execução talvez seja mais imprescindível do que elencar quais obras foram executadas. Algumas impressões podem auxiliar na compreensão do que se aconteceu em cerca de 1h45min. A ver.

Toda a banda parecia muito disposta a compartilhar aquele momento. E isso vale ser mencionado. Antes do show, Dave Edwardson confraternizava com fãs e circulava pela plateia. Aliás, que atuação desse tio do cabelo momentaneamente verde. Os backing guturais pelos quais ele é responsável anunciavam trevas e caiam com a força que se espera de uma banda tão pesada. Sua participação em 'Locust Star', faixa que apresentou o Neurosis à uma parcela considerável de admiradores, soterrou o espaço com urros.

Ao lado dele estava Scott Kelly. Discreto e imponente, não economizou palhetadas que soavam cortantes nem gritos desesperados. Ao mandar brasa em algumas das tradicionais bases repetitivas e monolíticas que nos enfeitiçam, fez isso com a autenticidade de quem incorpora o que se propõe fazer. 'Broken Ground' e 'Fire is the End Lesson' foram provas disso. Seu vizinho de palco, Steve Von Till, parecia o mais à vontade. O mais pilhado. Não poucas vezes duelou com os amplificadores empunhando a guitarra plugada neles. Em algumas situações, recorreu aos pedais de efeito para complementar a ofensiva às áreas sensíveis do cérebro. Nos encaminhamentos finais de 'Takeahnase', no trecho em que segura um dedilhado minimalista e grudento, foi um legítimo mestre de cerimônias: uniu a todos por meio do fluxo de energia que emanava com a simplicidade daquelas notas.

No canto esquerdo estava Noah Landis, cara que praticamente ressignificou o uso de teclados. Em vez de disparar melodias de seus dispositivos, bombardeia os ouvintes com barulhos diversos, dos etéreos aos explosivos. Performático, castigava seus equipamentos descendo-lhes o braço. Em 'Stones from the Sky' - na qual tinha-se a impressão de estar em algum culto ecumênico e, de repente, ser surpreendido por uma chuva de meteoros -, ele mostrou como é imprescindível para aquilo que o Neurosis se tornou e representa. Ao fundo, um pouco distante dos holofotes, Jason Roeder fazia brilhar estampidos de batidas fortes e seguras. Vem dele o impulsionamento percussivo que mantém a máquina operando com mais força do que velocidade. Na abertura, com 'Lost', o bumbo batia firme na sinapse e ecoava pela carcaça. Ao fim da performance, Reeder ficou em pé atrás de seu kit e saudou a turba em sinal de agradecimento.

Enquanto o mundo se afunda em decadência, foi uma honra testemunhar um culto tão envolvente. Ver, ouvir e sentir o Neurosis em ação baliza todo o legado criado por eles em mais de três décadas. Dá a impressão até de que o material em estúdio, por mais marcante que seja, não consiga dimensionar o abalo que a banda causa ao vivo.

Almas lavadas, vidas zeradas. Souls at zero.

Publicado originalmente no portal Zona Punk
http://www.zonapunk.com.br


Outras resenhas de Neurosis (Carioca Club, São Paulo, 08/12/2017)

Neurosis: Um show impecável no Carioca ClubNeurosis: orgasmo sonoro em dose tripla em São Paulo




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Neurosis"


Stoner Doom: 10 Bandas para conhecer o estiloStoner Doom
10 Bandas para conhecer o estilo


Top 5 Metallica: About.com elege os cinco melhores álbunsTop 5 Metallica
About.com elege os cinco melhores álbuns

Lemmy Kilmister: Estou pronto para morrer. Minha vida foi boaLemmy Kilmister
"Estou pronto para morrer. Minha vida foi boa"


Sobre Homero Pivotto Jr.

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

adClio336|adClio336