RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas

imagemRoger Waters se defende, mas David Gilmour fica do lado da esposa e confirma tudo

imagemMegadeth é processado por artista que criou capa do último disco da banda

imagemEm 1974, Raul Seixas explicava detalhes dos significados por trás da letra de “Gita”

imagemA opinião de Humberto Gessinger sobre movimentos separatistas da região Sul do Brasil

imagemBruce Dickinson explica como cuida de sua voz

imagemQuando Roberto Carlos foi alfinetado por Raul Seixas, mas o Rei gostou do que ouviu

imagemMegadeth vai transmitir show que será realizado no Japão

imagemPróximo álbum do Metallica será lançado em fitinha que custa mais de 80 reais

imagemDavid Gilmour largou vício maléfico após ouvir erro em disco do Pink Floyd

imagemO recado de Felipe Andreoli para fãs que esperam novo "Rebirth" ou "Temple of Shadows"

imagemVocalista do Stryper afirma que Metallica é a banda de metal que ele menos gosta

imagemKiko Loureiro volta no tempo e posta trecho de "Carry On" ao vivo

imagemAndreas Kisser tira uma com o Flamengo após derrota; "Tri mundial só um"

imagemDave Mustaine diz que atual formação do Megadeth é mais bem-sucedida em anos

imagemComo Brian May acabou fazendo participação especial em disco dos Paralamas do Sucesso?


Def Leppard Motley Crue 2

Neurosis: Uma imersão no lodo que habita almas alheias

Resenha - Neurosis (Carioca Club, São Paulo, 08/12/2017)

Por Homero Pivotto Jr.
Postado em 16 de dezembro de 2017

Estar na primeira passagem do Neurosis pelo Brasil - em 8 de dezembro, no Carioca Club, em São Paulo - foi uma neura. Dessas viagens das boas. Uma trip que, para este narrador, começou em Porto Alegre com uma ambientação 'a sun that never sets' (sol nascendo) e seguiu por São Paulo num clima mais 'enemy of the sun’ (várias nuvens e vento) e, em seguida, 'the eye of every storm' (mais vento e chuva pra caralho). Mas foi tudo times of grace (que dia, migues!). Tanto que a sombra do show protagonizado por Scott Kelly (voz e guitarra), Steve Von Till (voz e guitarra), Dave Edwardson (baixo e voz), Noah Landis (teclados) e Jason Roeder (bateria) vai encobrir a memória por um longo período. Talvez até 'the end of the road'.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Seria fácil seguir com trocadilhos, eles eram quase inevitáveis durante a sexta-feira, data da evento. Isso porque a neurose de ver o Neurosis era uma constante em tempos pré-show (ouvir, falar e ler sobre a banda fez parte do cotidiano) e tudo parecia remeter ao tema. Títulos dos discos ou das composições do quinteto serviam para ilustrar vivências.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Complicado é descrever a experiência que foi assistir aos caras. Não se trata apenas de mais uma apresentação de rock. Bagulho é uma imersão no lodo que impregna a alma de cada um. Um tipo de força que te coloca mergulhado numa sonoridade densa e sorumbática, mas que te dá ar suficiente para seguir pela enxurrada de graves, ruídos, distorções, microfonia e sensações.

Narrar isso é um exercício que não pode se resumir em listar as músicas do setlist. É preciso, ao menos, tentar ambientar o que foi essa comunhão de dissonância.

Então, fica o alerta de que este texto é mais um relato pessoal com percepções do que uma resenha. Até porque a partir de determinado ponto, para sentir-se mesmo parte daquela congregação regida pela música torta, era preciso se entregar à ocasião em vez de fazer anotações para um futuro relato.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Além da atração principal, as aberturas da Saturndust e do Deaf Kids também fundamentaram o ritual catártico.

A Saturndust deu início à seara de perturbação. Despejando sons lamacentos e pegajosos, encruados de sujeira sludge/doom encharcada pelo ranço de nomes como Eletric Wizard, o trio fez o clima pesar na medida. Em um trecho da performance, o baixo caiu, e a queda foi desculpa para o instrumento ser espancado a chutes em meio a uma sessão de arrastamento de riffs.

O Deaf kids subiu ao palco gritando distopias configuradas na forma de lamentos ruidosos. Tudo embalado por reverberações e batidas primatas. Hipnótico e psicótico. Enquanto o trio mimetizava uma usina de ecos, barulhos e texturas sonoras pouco ortodoxas, parte do Neurosis assistia atento ao que se passava. O DK é cada vez menos uma banda tradicional, e cada vez mais um bando de desajustados com a proposta de executar colagens minimalistas que grudam na mente e retumbam pelo corpo. Interessante como a voz mergulhada em reverb se agrega às composições, ocupando espaços que um vocal nos moldes normais não preencheria.

Do Neurosis, nada menos do que uma atuação impactante era esperado. E a entrega dos californianos foi, deveras, um ataque aos sentidos. Uma avalanche em forma de música que não se atém a rótulos. Denso e intenso. Devastador ao mesmo tempo que revigorante. Um espetáculo de satisfação e perplexidade.

Era comum entre o público a expressão de alegria por estar ali, mas também de incredulidade. Não era tão simples realizar que o Neurosis estava ali, diante de olhares ávidos, mostrando seu estilo forjado a fogo, intensidade e experimentalismo.

Havia gente que parecia perdida, tentando se (re)conectar com o mundo ou consigo mesmo por meio daquela musicalidade estranha. E foi só a intro de 'Lost' vazar pelos PAs para que errantes se encontrassem. O repertório foi de labaredas que compõem um incêndio gigantesco: teve 'The Web', 'Shadow Memory', 'Locust Star', 'Fire Is the End Lesson', 'Water is Not Enough', 'Broken Ground', 'Takeahnase', 'At End of the Road', 'Bending Light' e 'Stones from the Sky'. Mas, neste caso, contar como foi a execução talvez seja mais imprescindível do que elencar quais obras foram executadas. Algumas impressões podem auxiliar na compreensão do que se aconteceu em cerca de 1h45min. A ver.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Toda a banda parecia muito disposta a compartilhar aquele momento. E isso vale ser mencionado. Antes do show, Dave Edwardson confraternizava com fãs e circulava pela plateia. Aliás, que atuação desse tio do cabelo momentaneamente verde. Os backing guturais pelos quais ele é responsável anunciavam trevas e caiam com a força que se espera de uma banda tão pesada. Sua participação em 'Locust Star', faixa que apresentou o Neurosis à uma parcela considerável de admiradores, soterrou o espaço com urros.

Ao lado dele estava Scott Kelly. Discreto e imponente, não economizou palhetadas que soavam cortantes nem gritos desesperados. Ao mandar brasa em algumas das tradicionais bases repetitivas e monolíticas que nos enfeitiçam, fez isso com a autenticidade de quem incorpora o que se propõe fazer. 'Broken Ground' e 'Fire is the End Lesson' foram provas disso. Seu vizinho de palco, Steve Von Till, parecia o mais à vontade. O mais pilhado. Não poucas vezes duelou com os amplificadores empunhando a guitarra plugada neles. Em algumas situações, recorreu aos pedais de efeito para complementar a ofensiva às áreas sensíveis do cérebro. Nos encaminhamentos finais de 'Takeahnase', no trecho em que segura um dedilhado minimalista e grudento, foi um legítimo mestre de cerimônias: uniu a todos por meio do fluxo de energia que emanava com a simplicidade daquelas notas.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

No canto esquerdo estava Noah Landis, cara que praticamente ressignificou o uso de teclados. Em vez de disparar melodias de seus dispositivos, bombardeia os ouvintes com barulhos diversos, dos etéreos aos explosivos. Performático, castigava seus equipamentos descendo-lhes o braço. Em 'Stones from the Sky' - na qual tinha-se a impressão de estar em algum culto ecumênico e, de repente, ser surpreendido por uma chuva de meteoros -, ele mostrou como é imprescindível para aquilo que o Neurosis se tornou e representa. Ao fundo, um pouco distante dos holofotes, Jason Roeder fazia brilhar estampidos de batidas fortes e seguras. Vem dele o impulsionamento percussivo que mantém a máquina operando com mais força do que velocidade. Na abertura, com 'Lost', o bumbo batia firme na sinapse e ecoava pela carcaça. Ao fim da performance, Reeder ficou em pé atrás de seu kit e saudou a turba em sinal de agradecimento.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Enquanto o mundo se afunda em decadência, foi uma honra testemunhar um culto tão envolvente. Ver, ouvir e sentir o Neurosis em ação baliza todo o legado criado por eles em mais de três décadas. Dá a impressão até de que o material em estúdio, por mais marcante que seja, não consiga dimensionar o abalo que a banda causa ao vivo.

Almas lavadas, vidas zeradas. Souls at zero.

Publicado originalmente no portal Zona Punk
http://www.zonapunk.com.br


Outras resenhas de Neurosis (Carioca Club, São Paulo, 08/12/2017)

Resenha - Neurosis (Carioca Club, São Paulo, 08/12/2017)

Resenha - Neurosis (Carioca Club, São Paulo, 08/12/2017)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:

Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps


Stamp


publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sobre Homero Pivotto Jr.

Pai do Benjamin, jornalista e assessor de imprensa. Idealizador e apresentador do videocast O Ben para todo mal (que entrevista pessoas ligadas à música para falar sobre filhos e som). Vocalista da Diokane e da Tijolo Seis Furos (TSF).
Mais matérias de Homero Pivotto Jr..