Grana pra torrar: Os componentes de som mais caros do mundo

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Nacho Belgrande, Fonte: Forbes
Enviar correções  |  Comentários  | 

Na era do iPod, alguém precisa de um equipamento de áudio de luxo? A resposta, se você levar música a sério, é um sonoro “sim.” Hoje em dia, a música é portátil e modular, servida à la carte em um milhão de maneiras, um milhão de vezes ao dia, para milhões de ouvintes ao redor do globo. Seja por tocadores de MP3, rádio via satélite ou ripada de um CD para um PC, para muitas pessoas a noção de ter que sentar em casa e desfrutar de sua música predileta é tão arcaica quanto usar um mimeógrafo para fazer cópias.

5000 acessosUSA Today: as 20 maiores bandas de todos os tempos nos EUA5000 acessosHeavy Metal: os 10 melhores solos de guitarra de todos os tempos

Matéria original de Dan Lyons

E se for pra alguém ouvir música em casa, por que gastar muito dinheiro? Afinal, agora há periféricos suficientes para um tocador de MP3, tal como o Sound Dock da Bose – que custa em torno de 300 dólares –, que permite que o ouvinte plugue seu iPod e proporciona qualidade acústica em qualquer lugar de sua casa. Não apenas isso, mas por menos de 200 dólares é possível sair de um Wal-Mart, ou de uma loja da Best Buy, carregando uma miniunidade de áudio fabricada por uma empresa de nome, como a Sony ou JVC, capaz de mandar 400 watts ou mais de som.

Mas, para conhecedores de música, comparar esses equipamentos com um equipamento de áudio state-of-the-art é como dizer que é tão divertido pilotar um Pontiac Grand Am, de 22 mil dólares, quanto dirigir uma Ferrari F430, de 200 mil dólares. Os dois carros desempenham basicamente a mesma função, mas a Ferrari o faz em um nível de performance e meticulosidade tão infinitamente superiores, que tornam todas as comparações absurdas.


Tome como exemplo o amplificador Ongaku, da Audio Note Japan. Esse amplificador de 27 watts usa um circuito tríodo de ramificação simples e é fabricado a mão, em uma oficina de Tóquio, por Hiroyasu Kondo, um engenheiro de renome mundial que usa 9 quilos de prata no amplificador, incluindo o cabo de prata nas bobinas dos transformadores feitos manualmente. Esse trabalho de áudio propicia uma qualidade de som não equiparada por qualquer outro amplificador no mercado – e por 80 mil dólares, é melhor que não mesmo.


Você acha que é uma peça cara de equipamento de som? Pense em 135 mil dólares por um par de falantes Alexandra X-2 da Provo, subsidiária da Wilson Audio Specialties, baseada no estado americano de Utah.


Ou 145 mil dólares pelo Evolution Music System da Krell Industries em Orange, Connecticut, que gera o tipo de grave assombroso que não só arrebenta janelas, mas também derruba paredes.


Claro, muitas pessoas podem não precisar do toca-discos de vinil System III Sirius de 240 quilos e 73.750 dólares da Rockport Technologies para curtirem sua velha coleção de LPs. Há outros toca-discos mais adequados – sem mencionar amplificadores, pré-amplificadores que custam muitas milhas menos e, ainda assim, proporcionam um excelente som.

Mas ninguém “precisa” de uma Ferrari F430, nem “precisa” ir de zero a 100 em 3.9 segundos. Ainda assim, se você tem dinheiro pra isso, por que diabo não deveria? Você não só ganha direito de contar papo, mas também se diverte pra cacete.

Por que destacamos matérias antigas no Whiplash.Net?

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, nos links abaixo:

Post de 10 de janeiro de 2011
Post de 13 de agosto de 2016

0 acessosTodas as matérias da seção Curiosidades

USA TodayUSA Today
As 20 maiores de todos os tempos nos Estados Unidos

Heavy MetalHeavy Metal
Os 10 melhores solos de guitarra de todos os tempos

Em canaEm cana
Os rockstars em suas fotos mais constrangedoras

5000 acessosHard Rock - Aqueles que ficaram para trás - Parte 15000 acessosSlipknot: Veja membros atuais sem máscara5000 acessosLegião Urbana: Bonfá toca bateria com telefone e passa vergonha na TV5000 acessosSlayer: 20 fatos sobre a banda que talvez você não saiba5000 acessosMegadeth: os álbuns da banda, do pior para o melhor4292 acessosKing Diamond: Seus fãs, Metallica, satanismo e Brasil em entrevista exclusiva

Sobre Nacho Belgrande

Nacho Belgrande foi desde 2004 um dos colaboradores mais lidos do Whiplash.Net. Faleceu no dia 2 de novembro de 2016, vítima de um infarte fulminante. Era extremamente reservado e poucos o conheciam pessoalmente. Estes poucos invariavelmente comentam o quanto era uma pessoa encantadora, ao contrário da persona irascível que encarnou na Internet para irritar tantos mas divertir tantos mais. Por este motivo muitos nunca acreditarão em sua morte. Ele ficaria feliz em saber que até sua morte foi motivo de discórdia e teorias conspiratórias. Mandou bem até o final, Nacho! Valeu! :-)

Mais matérias de Nacho Belgrande no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online