Matérias Mais Lidas

Iron Maiden: vaquinha para ajudar Paul Di'Anno a fazer cirurgia ainda não atingiu 25%Iron Maiden
Vaquinha para ajudar Paul Di'Anno a fazer cirurgia ainda não atingiu 25%

Rock in Rio 2021: produção aposta em 50% da população vacinada até festival rolarRock in Rio 2021
Produção aposta em 50% da população vacinada até festival rolar

SOAD: Serj Tankian critica Trump e diz que nunca viu um presidente tão filho da p***SOAD
Serj Tankian critica Trump e diz que nunca viu um presidente tão filho da p***

Dave Grohl: ele ficou chocado ao ver Lemmy com cueca bizarra em um apartamento nojentoDave Grohl
Ele ficou chocado ao ver Lemmy com cueca bizarra em um apartamento nojento

Kiss: análise vocal de Detroit Rock City explica grande alcance de Paul StanleyKiss
Análise vocal de "Detroit Rock City" explica grande alcance de Paul Stanley

Titãs: o clipe censurado de Pelados em Santos, com topless de Bárbara PazTitãs
O clipe censurado de "Pelados em Santos", com topless de Bárbara Paz

Pantera: e se Vulgar Display Of Power fosse gravado pelo Metallica?Pantera
E se "Vulgar Display Of Power" fosse gravado pelo Metallica?

Iced Earth: promotores pedem que Jon Schaffer não seja solto sob fiançaIced Earth
Promotores pedem que Jon Schaffer não seja solto sob fiança

Eddie Van Halen: por que ele foi obrigado a buscar por inovações na guitarraEddie Van Halen
Por que ele foi "obrigado" a buscar por inovações na guitarra

Tamanho é documento?: os Rock Stars mais altos e baixosTamanho é documento?
Os Rock Stars mais altos e baixos

New Radicals: a pedido de Biden, reunidos e tocando seu maior hit na posse; vejaNew Radicals
A pedido de Biden, reunidos e tocando seu maior hit na posse; veja

Nirvana: Krist Novoselic comenta o suicídio de CobainNirvana
Krist Novoselic comenta o suicídio de Cobain

Joe Biden: evento de posse terá Foo Fighters, Jon Bon Jovi, Springsteen e maisJoe Biden
Evento de posse terá Foo Fighters, Jon Bon Jovi, Springsteen e mais

Pearl Jam: banda cover intimada a mudar nome agora se chama Legal JamPearl Jam
Banda cover intimada a mudar nome agora se chama Legal Jam

Clássicos: papagaio acompanha o dono cantarolando Guns, Led e U2Clássicos
Papagaio acompanha o dono cantarolando Guns, Led e U2


Matérias Recomendadas

Guns N' Roses: Mauricio de Sousa, o criador da Turma da Mônica, odeia a banda?Guns N' Roses
Mauricio de Sousa, o criador da Turma da Mônica, odeia a banda?

Guns N' Roses: funkeiro assassina clássico máximo da bandaGuns N' Roses
Funkeiro assassina clássico máximo da banda

As regras do Thrash Metal
As regras do Thrash Metal

Trollagem: quando as bandas decidem zoar com o playbackTrollagem
Quando as bandas decidem zoar com o playback

David Bowie: a última foto pública e a última foto privadaDavid Bowie
A última foto pública e a última foto privada

Stamp
Tunecore

Sepultura: Após três anos, qual é a impressão que fica?

Resenha - Machine Messiah - Sepultura

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Felipe Cipriani Ávila
Enviar Correções  

Por se tratar de um play que tem o conceito da robotização da sociedade como carro-chefe para os conteúdos debatidos e trabalhados no decorrer das faixas (embora não seja estritamente conceitual, como o foi, por exemplo, "Dante XXI" (2006), baseado no livro "A Divina Comédia", de Dante Alighieri), abre-se espaço de sobra para diversos olhares e percepções a respeito das temáticas abordadas nas músicas e, no mesmo sentido, no que se refere ao conteúdo lírico especificamente, sobretudo tendo como espelho o mundo em que vivemos presentemente, tão dominado pela cultura das multitelas e pelos mais variáveis aplicativos e dispositivos eletrônicos, que prometem a resolução de vários dos nossos problemas em poucos cliques. Isto é, a solução, supostamente, está bem nas palmas de nossas mãos. Lançado no dia 13 de janeiro de 2017, via Nuclear Blast/Sony Music (distribuição na América Latina), "Machine Messiah" é o décimo quarto trabalho de estúdio do SEPULTURA.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

No entanto, três anos depois, fica a pergunta: e musicalmente falando, qual é a impressão que "Machine Messiah" proporciona ao ouvinte?

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

De pronto, podemos afirmar, enfaticamente, que "Machine Messiah" é um álbum coberto de predicados, não somente por uma razão ou uma conjuntura separada, contudo, decerto, por uma série de ligas, conexões, posturas, ações, decisões, músicos e profissionais (mais do que gabaritados e respeitados mundo afora) que trabalham em uma mesma sintonia, buscando o mesmo fim, sempre: alcançar o melhor e mais satisfatório resultado possível, respeitando, mas não se prendendo ao passado (mais do que) glorioso; desde a produção, encabeçada pelo respeitadíssimo sueco Jens Bogren (ANGRA, KATATONIA, OPETH, ORPHANED LAND, AMON AMARTH, PARADISE LOST etc.), no Fascination Street Studios, em Örebro, na Suécia, até o entrosamento apresentado pelo grupo, que salta aos olhos (e, evidentemente, aos ouvidos), observa-se o quanto a experiência, o amadurecimento e o comprometimento contam e foram recompensados. Como consequência disso, dez faixas foram geradas, e, verdadeiramente, impressionam e sensibilizam por sua musicalidade singular e execuções impecáveis. A fascinante arte de capa também merece menção. Deveras alinhada à concepção lírica, foi criada pela artista filipina Camille Della Rosa.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Para se convencer de todo o poderio, relevância e vitalidade de tão notável nome do Heavy Metal mundial, basta assistir a uma apresentação deste ao vivo. Não é exagero declarar que verdade, "sangue nos olhos" e honestidade são componentes e atributos encontrados facilmente em qualquer show do SEPULTURA. É inegável a química existente entre os integrantes, fator que atesta, com efeito, que eles vestem a mesma camiseta, honrando, indubitavelmente, o legado já estabelecido e buscando, incessantemente, lançamento após lançamento, apresentar aos fãs (e, acima de tudo, a si mesmos), seguidores ou, simplesmente, simpatizantes, algo novo, que fuja do lugar-comum e dos clichês, porém que, nas mesmas proporções, mantenha a essência e as raízes dessa instituição do som pesado.

No tocante ao repertório propriamente dito, percebe-se uma boa dose de sofisticação e de variação em várias partes, o que não significa, absolutamente, que a sonoridade tenha sido "suavizada". Por exemplo, o uso de violinos (uma ideia que partiu de Jens Bogren) em certos trechos, um dos diferenciais da obra, que se concretizou com a participação da "Orquestra Myrath", conduzida por Elyes Bouchoucha, tecladista do quinteto tunisiano de Metal Progressivo MYRATH, contribuiu consideravelmente para reforçar a qualidade e o clima de caos e tensão encontrado em distintos períodos do álbum, enriquecendo e encorpando ainda mais a sonoridade do quarteto. As orquestrações se convergem muito bem com os diversos contrastes e peças existentes na musicalidade ímpar e firme do SEPULTURA. "Phantom Self" demonstra bem isso. Com uma introdução evocando o característico ritmo pernambucano maracatu, o tema evidencia o casamento perfeito entre os violinos, a bateria sobre-humana de Eloy Casagrande (em seu segundo full-length de estúdio com a banda, a habilidade e a técnica dele parecem desconhecer limites), o contrabaixo preciso de Paulo Xisto Jr. e a guitarra diferenciada e deslumbrante de Andreas Kisser (por sinal, como é gratificante ouvi-lo tão solto e mostrando o porquê de ser um guitarrista tão respeitado e reverenciado internacionalmente. O "duelo" dele com os violinos dá um tempero a mais à música, comprovando o alto patamar técnico em que os instrumentistas se encontram). O que emitir em relação aos vocais de Derrick Green? Temos, aqui, uma de suas melhores e mais consistentes performances (a recorrência dessa afirmação pode ser alta, no desenvolver desta análise). A propósito, nessa direção, outro ponto a ser destacado é a versatilidade que ele apresenta e imprime em diferentes momentos, cantando com desenvoltura, naturalidade, e não somente de forma mais tradicional e agressiva, mas também utilizando a sua voz limpa de modo bastante elogiável, com maior frequência, o que proporciona novas cores às faixas.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Como já mencionado, a polivalência é um dos aspectos que mais chamam a atenção nesse play. A faixa de abertura, exatamente a que dá nome ao disco, já ratifica isso. Com instrumental mais melódico e andamento mais arrastado e pesado, nos deparamos com linhas vocais carregadas, sombrias e bem-feitas. A guitarra de Andreas Kisser se mostra bem à frente, imponente e com passagens muito bonitas, emotivas e cativantes. No marcante refrão, Derrick volta ao seu vocal mais usual, repleto de potência e visceralidade. Os solos de guitarra respondem muito bem à proposta e à roupagem do tema. Já "I Am The Enemy" escancara o lado mais habitual, cru e Hardcore do grupo, com Eloy Casagrande "maltratando" o seu kit de bateria. Nesse ponto, não há muito tempo para respirar. Em "Alethea", temos um ritmo mais quebrado, tribal, com a bateria dando a tônica, prova cabal de que o posto de baterista não poderia estar melhor ocupado. A instrumental "Iceberg Dances" é inventividade genuína, tendo integrado até trilha sonora de novela global ("A Força do Querer", de Glória Perez). Quer dizer, o todo se mostra exemplar, evidenciando uma faceta mais progressiva e bastante influência de música brasileira, latina, especialmente nordestina. Andreas Kisser se instiga e se inflama, fazendo bonito em vários momentos, principalmente nos trechos de violão clássico. A seguinte, "Sworn Oath", é um dos pontos altos. Com uma atmosfera meio Mastodon (quarteto de Atlanta (Geórgia), Estados Unidos) no seu princípio, temos uma música muitíssimo bem concebida e vigorosa. Quando descamba para o peso, para a agressividade pura, mostra uma das melhores atuações vocais de Derrick. Aliás, como ele se desafia e se supera, ele que já foi alvo de tantas críticas e de tanto ceticismo, principalmente por parte dos fãs ditos mais tradicionais. A "Orquestra Myrath", mais uma vez, complementa muito bem todo o direcionamento sombrio e envolvente do tema. Um dos destaques de uma obra tão bem planejada, composta e construída. "Resistant Parasites" realça as linhas de contrabaixo de Paulo Jr. (que evoluiu muito com o passar dos anos); punch e climas orientais unem-se em uma só harmonia (as orquestrações se encaixam muito bem, novamente), sendo, assim como "Silent Violence" e "Vandals Nest", altamente agressivas e pujantes. O encerramento, com "Cyber God", tem outro desempenho estupendo de Derrick Green. Ora fazendo uso de vocais limpos, ora privilegiando os vocais agressivos e guturais, ele dita os rumos de maneira primorosa. Andreas Kisser não cansa de brilhar. Fechamento espetacular para um trabalho tão caprichado, verdadeiro e criativo. Ou seja, temos uma banda que se recusa a ficar estagnada, seguindo fórmulas musicais prontas e previsíveis. Por isso, é tão bem-sucedida e gigante.


Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Após três anos de lançamento, "Machine Messiah" segue bastante relevante, justamente por mostrar uma unidade que, a despeito de todas as críticas e do saudosismo presente em parcela do público, segue firme e forte, convicta do seu papel e da sua importância no universo da música pesada. Agora, aguardemos. Com proposta conceitual, "Quadra", cuja capa foi elaborada por Christiano Menezes, será lançado em breve, no dia sete de fevereiro, através da já citada Nuclear Blast, enquanto que a distribuição no Brasil e nos demais países da América Latina ficará sob responsabilidade da gravadora BMG. Pelos singles divulgados até o presente momento, os poderosos "Isolation" (de acordo com fala do vocalista Derrick Green, a letra apresenta uma crítica ao sistema carcerário dos Estados Unidos) e "Last Time" (aborda-se a luta pela superação de algum vício), podemos esperar por mais um trabalho abarrotado de qualidade e de integridade artística. A produção continua a cargo de Jens Bogren, outra vez no Fascination Street Studios (Suécia), e foi confirmada a participação de Emmily Barreto, vocalista do grupo potiguar FAR FROM ALASKA, no tema "Fear; Pain; Chaos; Suffering". Frequentemente, a diversidade pode (e deve) ser muito bem-vinda, somando e agregando novas ideias. Pelos indícios, as melhores expectativas estão prestes a se concretizar. Avante, SEPULTURA!

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Lista de músicas de "Machine Messiah":

01. Machine Messiah
02. I Am The Enemy
03. Phantom Self
04. Alethea
05. Iceberg Dances
06. Sworn Oath
07. Resistant Parasites
08. Silent Violence
09. Vandals Nest
10. Cyber God

Lista de músicas de "Quadra":

01. Isolation
02. Means To An End
03. Last Time
04. Capital Enslavement
05. Ali
06. Raging Void
07. Guardians Of Earth
08. The Pentagram
09. Autem
10. Quadra
11. Agony Of Defeat
12. Fear; Pain; Chaos; Suffering (Participação de Emmily Barreto (FAR FROM ALASKA))


Outras resenhas de Machine Messiah - Sepultura

Sepultura: Um trampo de vanguarda na história da banda

Sepultura: completamente diferente, sem medo de arriscar!

Sepultura: "Machine Messiah" é uma bela obra do gênero

Sepultura: Que impacto Machine Messiah terá no metal?

Sepultura: Reunião? Machine Messiah diz não!Sepultura
Reunião? "Machine Messiah" diz "não!"

Sepultura: sofisticado, Machine... é um dos melhores da bandaSepultura
Sofisticado, "Machine..." é um dos melhores da banda

Sepultura: Em plena forma e com mais um disco brilhanteSepultura
Em plena forma e com mais um disco brilhante

Sepultura: Apenas mais um na discografia da bandaSepultura
Apenas mais um na discografia da banda


Malvada
Receba novidades de Rock e Heavy Metal por Whats App
Anunciar no Whiplash.Net


Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Max Cavalera: de Jorge Ben Jor até Sabbath, 10 músicas que mudaram a vida do íconeMax Cavalera
De Jorge Ben Jor até Sabbath, 10 músicas que mudaram a vida do ícone

Sepultura: Iggor Cavalera grava drumcam da clássica TerritorySepultura
Iggor Cavalera grava drumcam da clássica "Territory"

Babylons P: Ouça "Everlasting Blood", single com participação de Derrick Green

Troops of Doom: confira a regravação de "Morbid Visions"

The Troops of Doom: apresentando versão para Morbid VisionsThe Troops of Doom
Apresentando versão para "Morbid Visions"

Sepultura: Banda lançará o álbum SepulQuarta com as colaborações da QuarentenaSepultura
Banda lançará o álbum "SepulQuarta" com as colaborações da Quarentena

Sepultura: colaborações das SepulQuarta vão virar novo álbumSepultura
Colaborações das "SepulQuarta" vão virar novo álbum

Rock in Rio: Por que o festival repete tanto as atrações? A resposta de MedinaRock in Rio
Por que o festival repete tanto as atrações? A resposta de Medina

Sepultura: Igor relembra show insano no México, com luta-livre e problemas no somSepultura
Igor relembra show insano no México, com luta-livre e problemas no som

Rock in Rio: bandas do line-up de 2021 serão exclusivas do evento, diz MedinaRock in Rio
Bandas do line-up de 2021 serão exclusivas do evento, diz Medina


Max Cavalera: ele diz não ser hipócrita para comentar a política no BrasilMax Cavalera
Ele diz não ser hipócrita para comentar a política no Brasil

Max Cavalera: triste ver uma banda tão importante virar uma merdaMax Cavalera
Triste ver uma banda tão importante virar uma merda


Ozzy Osbourne: Fim do Guns foi a maior tragédia do rockOzzy Osbourne
Fim do Guns foi a maior tragédia do rock

Sonho de Consumo: os 10 palcos de shows mais desejadosSonho de Consumo
Os 10 palcos de shows mais desejados


Sobre Felipe Cipriani Ávila

Headbanger convicto e fanático, jornalista (graduado pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais - PUC Minas), colecionador compulsivo de discos, não vive, de modo algum, sem música. Procura, sempre, se aprofundar no melhor gênero de música do mundo, o Heavy Metal, assim como no Rock'n'Roll, de um modo geral, passando pelo clássico, pelo progressivo, pelo Hard setentista e oitentista, e não se esquecendo do Blues. Play It Loud!

Mais matérias de Felipe Cipriani Ávila no Whiplash.Net.