RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas

imagemRoger Waters se defende, mas David Gilmour fica do lado da esposa e confirma tudo

imagemOzzy Osbourne revela qual foi o melhor guitarrista de sua carreira solo

imagemO ponto fraco de Yngwie Malmsteen segundo Ronnie James Dio, em 1985

imagemEm 1974, Raul Seixas explicava detalhes dos significados por trás da letra de "Gita"

imagemRoger Waters atende a Rússia e faz discurso para o Conselho de Segurança da ONU

imagemA reação de King Diamond ao ouvir Metallica tocando músicas do Mercyful Fate

imagemPor que Herbert Vianna gosta muito do riff de "Eu Quero Ver o Oco" do Raimundos?

imagemQuem ganhou e quem devia ter ganhado o Grammy de metal desde 1989, segundo Loudwire

imagemVeja o que esperar da turnê do Mayhem no Brasil

imagemRodinha de mosh gigantesca em show do System of a Down viraliza e impressiona

imagemO triste motivo pelo qual o Pink Floyd não podia fazer contato com Syd Barrett

imagemVeja Dave Grohl cantando e agitando em show do Mercyful Fate

imagemAs 20 melhores músicas do Nightwish, em lista da Metal Hammer

imagemO show do Engenheiros do Hawaii sem Humberto, que eles achavam que havia sido sequestrado

imagemRitchie Blackmore avalia os guitarristas que o substituíram no Deep Purple


Stamp

AC/DC: 34 anos de um dos registros mais emblemáticos do Rock

Resenha - Back In Black - AC/DC

Por David Torres
Postado em 26 de julho de 2014

Diversos lançamentos importantíssimos para o Rock/Metal fizeram aniversário nesse mês de julho e para o AC/DC não foi diferente. Hoje, 25 de julho, é o aniversário de 34 anos do grande clássico "Back in Black", simplesmente um dos registros mais importantes e adorados não apenas da banda em si, mas de todo o Rock. Após o lançamento do igualmente importante e clássico álbum "Highway to Hell’’, lançado um ano antes, em 1979, a banda já trabalhava em composições para o seu próximo disco de estúdio, entretanto, uma fatalidade da qual todos os fãs da banda conhecem aconteceu: Bon Scott, o vocalista da banda, faleceu em decorrência de uma "intoxicação alcoólica aguda", consequência de seu uso abusivo de álcool.

Esse fato poderia ter ocasionado o fim da banda ou ao menos o enfraquecimento dela, porém, os músicos decidiram seguir adiante e alteraram as composições das quais estavam escrevendo e recrutaram um novo vocalista que pudesse suprir a ausência do grande Bom Scott, o igualmente talentoso Brian Johnson. E assim, em 25 de julho de 1980, através do selo da Albert/Atlantic Records, o AC/DC lançou "Back in Black". Apresentando uma capa totalmente preta que representava o luto referente à morte de Bon Scott, além de quatro "singles" poderosíssimos e uma sonoridade que não deve em nada aos trabalhos anteriores realizados pelo grupo australiano, o AC/DC provou que, apesar de tudo, estava mais vivo do que nunca.

O som de sinos abre caminho para os primeiros acordes de um dos maiores hinos da banda, a emblemática "Hells Bells", um dos "singles" gravados para o álbum. Os riffs poderosos e marcantes da dupla de guitarristas e irmãos Angus e Malcolm Young são acompanhados por levadas hipnóticas do baterista Phil Rudd, além de contar com uma eficiente marcação de baixo de Cliff Williams e os vocais estridentes e potentes do até então estreante e excelente vocalista Brian Johnson. Uma abertura realmente impecável! O disco continua com a ótima "Shoot to Thrill", faixa que já se inicia com riffs pegajosos e grudentos que são muito bem acompanhados pela voz de Brian Johnson. É realmente uma música em tanto e mantém o padrão de composição da banda.

"What Do You Do for Money Honey" vem logo em seguida e novamente entrega mais uma grande sucessão de riffs e melodias de guitarra fenomenais. Mais uma vez temos uma "cozinha" de baixo e bateria infalível e que em momento algum decepciona, além dos vocais agudíssimos e inigualáveis de Brian Johnson. As guitarras de Malcolm e Angus Young ecoam pelos autofalantes e iniciam a quarta faixa do disco, "Givin the Dog a Bone". A banda não perde a força e novamente cumpre a sua proposta musical com exímio, brindando a todos com harmonias fantásticas de guitarras, grandes vocais e um grande desempenho de baixo e bateria. A lenta "Let Me Put My Love into You" dá sequência ao álbum e se os ouvintes pensam que por se tratar de uma faixa mais lenta e devagar que as anteriores a qualidade do disco decai, eles estão redondamente enganados. A banda manda o seu recado e executa tudo de forma extremamente competente. Boas linhas de bateria, um ótimo trabalho de guitarras e vocais sempre enérgicos podem ser ouvidos facilmente nesse som.

Alguns dos riffs mais marcantes da história do Rock pode ser ouvido logo em seguida, abrindo de forma estonteante o grande clássico e "single" "Back in Black", a faixa título do álbum e mais um dos grandes sucessos que a banda coleciona em sua vasta carreira. O que dizer sobre essa composição?! Riffs e solos absolutamente marcantes e grudentos, cortesia da dupla Malcolm e Angus Young, "cozinha" simplesmente irrepreensível de baixo de Cliff Williams e bateria de Phil Rudd e vocais brilhantemente agudos e estridentes executados com perfeição por Brian Johnson. Definir essa música é algo extremamente complexo, porém, talvez a palavra que melhor a defina seja simplesmente CLÁSSICO, com letras graúdas mesmo! Sem perder fôlego e tempo, a banda manda outro grande sucesso não apenas desse álbum, mas de toda a sua longa discografia, "You Shook Me All Night Long", que mais uma vez é uma canção simplesmente grudenta, cativante e viciante e que sem sombra de dúvidas representa novamente o que o AC/DC é, ou seja, um legítimo turbilhão do Rock’N’Roll! Também é um dos "singles" do álbum.

A oitava faixa é "Have a Drink on Me" e novamente recebemos uma ótima composição com mais uma boa dose do "arroz com feijão" sonoro praticado pelo quinteto. Riffs e solos repletos de "feeling", "cozinha" impecável e vocais maravilhosos ecoam do autofalante a todo instante e jamais dão descanso para os ouvintes. Em seguida, temos a ótima "Shake a Leg", trazendo também melodias poderosas, hipnotizantes e marcantes, cortesia do trabalho de uma banda que sabe muito bem o que faz e o faz de corpo e alma a todo o momento. E para encerrar essa obra prima do Rock, nada melhor do que mais um grande clássico e também "single" do álbum, "Rock and Roll Ain't Noise Pollution". Iniciando de forma lenta e progressiva, a faixa tem um andamento mais arrastado e cadenciado que as demais composições do álbum, entretanto, se o ouvinte acha que isso poderia comprometer o resultado final, devo informar que estão novamente enganados, pois o que temos aqui é mais uma boa dose do mais legítimo Rock’N’Roll: riffs fortes e marcantes e passagens vocais incrivelmente memoráveis são os grandes destaques dessa grande faixa que encerra esse excelente e importantíssimo registro de uma maneira coesa.

[an error occurred while processing this directive]

Definir o que o AC/DC representa não apenas para o Hard Rock, mas para o Rock’N’Roll como um todo é algo realmente inexplicável e sem palavras e definir um grande lançamento como "Back in Black" é ainda mais, uma vez que estamos falando de um dos discos mais importantes não apenas da banda, mas de todo o Rock. Uma legítima obra prima que influenciou e ainda influencia milhares de músicos ao redor do planeta. Como se pode ver, a banda poderia estar em clima de luto após a morte precoce de Bon Scott, porém, por mais terrível que a perda de seu incrível e inesquecível "frontmen" tenha sido, esse fato não impediu a banda de gravar um trabalho realmente histórico como "Back in Black". Felizmente para os fãs e admiradores da banda, os músicos jamais deixaram qualquer problema ou obstáculo impedir o crescimento da banda.

[an error occurred while processing this directive]

Faixas:
01. Hells Bells
02. Shoot to Thrill
03. What Do You Do for Money Honey
04. Givin the Dog a Bone
05. Let Me Put My Love into You
06. Back in Black
07. You Shook Me All Night Long
08. Have a Drink on Me
09. Shake a Leg
10. Rock and Roll Ain't Noise Pollution

Formação:
Brian Johnson (Vocal)
Angus Young (Guitarra solo / Guitarra rítmica)
Malcolm Young (Guitarra Rítmica / Vocal de apoio)
Cliff Williams (Baixo / Vocal de apoio)
Phil Rudd (Bateria / Percussão)

[an error occurred while processing this directive]


Outras resenhas de Back In Black - AC/DC

Resenha - Back In Black - AC/DC

Resenha - Back In Black - AC/DC

Resenha - Back In Black - AC/DC

Resenha - Back in Black - AC/DC

Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:

Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps


Def Leppard Motley Crue 2


publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sobre David Torres

Formado em Propaganda & Marketing, se autodenomina "Fanfarrão" graças ao seu senso de humor e modo de enxergar o mundo à sua volta. Apaixonado por filmes de terror, quadrinhos e bandas como D.R.I., Faith No More e Napalm Death, escreve também para o blog Blasting Noise Fanzine. Possui muitos sonhos, dentre eles dar início a um projeto de grindcore.
Mais matérias de David Torres.