Matérias Mais Lidas

imagemPaul Di'Anno detona Regis Tadeu após vídeo em que critica seu encontro com Iron Maiden

imagem"A ingenuidade do fã do Iron Maiden é um negócio que beira o patético", diz Regis Tadeu

imagemBruno Valverde diz que preconceito contra ele veio mais da igreja do que dos metaleiros

imagemA dura crítica de Angus Young a Led Zeppelin, Jeff Beck e Rolling Stones em 1977

imagemFãs protestam contra Claustrofobia após banda fazer versão de música do Pantera

imagemStjepan Juras retruca comentário de Regis Tadeu sobre reencontro de Di'Anno e Harris

imagemGeezer Butler, Heavy Metal e a clássica canção do Black Sabbath inspirada por Jesus

imagemA banda de forró que uniu Nenhum de Nós, Legião, Titãs e Paralamas na mesma música

imagemIggor Cavalera manda ver em "Dead Embryonic Cells" ao vivo; confira drumcam

imagemComo era a problemática relação do Angra no "Aurora Consurgens", segundo produtor

imagemComo foram os últimos meses de Renato Russo e a causa da sua morte

imagemNovo álbum do Krisiun será lançado em julho; veja capa e tracklist

imagemJohn Bonham, Keith Moon ou Charlie Watts, quem era o melhor segundo Ginger Baker?

imagemTobias Forge, do Ghost, diz que ABBA deveria receber um Prêmio Nobel

imagemRegis Tadeu explica porque Ximbinha é um dos melhores guitarristas do Brasil


Resenha - Back In Black - AC/DC

Por Alisson dos Santos Cappellari
Em 03/05/03

Adolescente. Irresponsável. Odiado por alguns, consagrado pela maioria. Um dos maiores álbuns da história, Back In Black traz em seu conteúdo a essência original do Rock’n’Roll, com um pouco mais de distorção nas guitarras. Sucesso de público e crítica, a pedra filosofal do rock oitentista, resultado da alquimia de letras que exaltam o que seria o ideal juvenil (sexo, festas, irresponsabilidade) com alguns dos maiores riffs de guitarra da história, foi concebida no início da década, em meio a um cenário turbulento.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Saídos da longínqua Austrália para alcançar o estrelato na Europa e Estados Unidos, o grupo sofreu um grande trauma com a perda do vocalista Bon Scott. Ele era o símbolo da banda que durante os seus seis anos de carreira fez sucesso com obras como Let There Be Rock e Highway to Hell. Scott morreu em fevereiro de 1980, em Londres, em meio à preparação para as gravações do disco. Foi um duro golpe que teve de ser rapidamente absorvido.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Passado um rápido processo de seleção, cerca de um mês após a tragédia e depois de várias audições, Brian Johnson, então vocalista da banda local Geordie, foi anunciado como sucessor de Scott. Em abril eles partiram para as Bahamas, onde, após cerca de 40 dias trancados no Compass Point Studios, finalizaram aquela que seria a obra-prima da história da Banda.

São evidentes as referências a Scott. O nome do disco, a capa toda preta, tendo apenas uma simples inscrição do nome da banda e do álbum, e, principalmente, as duas músicas que abrem cada um dos lados do LP, Hell’s Bells e Back In Black são os exemplos mais explícitos da homenagem, embora muitas outras se encontrem no decorrer da obra. A reação à morte do vocalista, no entanto, foi uma surpreendente resposta aos que achavam que o fato se abateria sobre os demais integrantes do grupo. Back in Black é um álbum que, apesar do nome, demonstra um salto na carreira do AC DC, respondendo, com muito bom humor àqueles que questionavam sua capacidade ou tentavam boicotar o trabalho sob a acusação de satanismo.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Hell’s Bells, a faixa inicial, começa sombria, com os sinos do inferno tocando, como se a receber Scott. Surge aos poucos um dos clássicos riffs de autoria de Angus Young, construindo aos poucos um dos maiores clássicos do rock pesado. Seguem a ela outras de mesmo peso e intensidade. Destaque para What do You do for Money Honey, lançado juntamente ao single de Back In Black nos Estados Unidos.

Já o lado B do álbum tornou-se uma lenda pelo desfile de clássicos presentes. A faixa título traz uma das mais perfeitas atuações dos irmãos Young em sua carreira, aliado a um vocal inspirado de Johnson. Segue-se a ela You Shook Me All Night Long, uma das mais executadas da história do rock. Uma letra adolescente, uma batida que mistura rockabilly com rock pesado conduzido por Phil Rudd, duelo de guitarras dos Young e um dos refrões mais famosos de todos os tempos fizeram da música a sonora de toda uma geração de aficcionados. Sem interrupção, emenda-se Have a Drink on Me, música no melhor estilo da fase de Bon Scott nos vocais, lembrando outro clássico da banda, Problem Child. Shake a Leg, na trilha das grandes obras do hard rock, traz outra excepcional composição, seguindo a linha histórica da banda. O disco acaba com a canção-manifesto Rock and Roll Ain’t a Noise Pollution, música em estrutura bluesística, um verdadeiro hino de todos os que pregam a ideal roqueiro. A canção também foi uma resposta a todos aqueles que consideravam, ou ainda o fazem, o rock’n’roll como uma música inferior.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O resultado desta mistura não poderia ser diferente. A crítica aclamou sua concepção, considerando uma das principais obras do gênero até hoje. O disco bateu também todos os recordes de vendagem da história do hard rock, superando a marca de cinco milhões de cópias somente nos Estados Unidos e 12 milhões em todo o mundo somente no primeiro ano após o lançamento. Estima-se que até hoje mais de 40 milhões de cópias tenham sido vendidas.

Os fãs brasileiros puderam conferir no Rock In Rio, em 1985, todo o poderio da banda em seu apogeu, já na turnê do disco 74 Jailbreak, lançado no ano anterior. No final da década passada foi lançado, para deleite dos mais aficcionados um box edition, de tiragem limitada, com as últimas sessões de estúdio de Bon Scott nos ensaios do disco. Trata-se de um dos grandes clássicos da música mundial, indispensável na discografia de todos que gostam do bom e verdadeiro rock’n’roll.


Outras resenhas de Back In Black - AC/DC

imagemResenha - Back In Black - AC/DC

imagemResenha - Back In Black - AC/DC

Resenha - Back In Black - AC/DC

Resenha - Back In Black - AC/DC

Resenha - Back In Black - AC/DC

Resenha - Back in Black - AC/DC

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Accept encerra um ciclo com "Too Mean to Die"



Death Metal: menina de 6 anos detona no America's Got Talent