Metallica: "Master..." ajudou a canonizar o Thrash Metal

Resenha - Master of Puppets - Metallica

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Marcos Garcia
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 9

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


O ano de 1986 viu nascer a canonização do Thrash Metal, já que os multivariados rótulos estavam ficando cansativos de decorar, logo, as bandas que faziam um Metal um pouco mais veloz, mas sem perder as características melódicas fortes do Metal Tradicional, estavam postas sob este rótulo, e lembro que antes que o caro leitor queira contestar, o ‘Reign in Blood’ do SLAYER sairia apenas próximo ao final do ano. Bem, falar deste disco em especial não é lá uma tarefa muito fácil, já que é tido como o clássico definitivo da banda por muitos, e um dos discos que estabelece as bases do Thrash Metal para sempre. E não, este que vos escreve não irá de forma alguma desdizer estas afirmativas.
486 acessosMetallica: Cartazes edição limitada serão vendidos nessa quinta5000 acessosPensadores e autores que inspiraram o Heavy Metal: Friedrich Nietzsche

Após o crescimento que o álbum anterior lhes proporcionou, era a hora da banda lançar um disco que deveria catapultar o quarteto ao topo de uma vez por todas, e após um tempo maior de estúdio (de 01 de setembro a 27 de dezembro de 1985), novamente tendo a tutela de Flemming Rasmussen na produção (a banda esteve junta mais uma vez nesse aspecto) e na engenharia de som, mais a mixagem de Michael Wagener e Mark Wilzcak, além de George Marino na remasterização, nasce ‘Master of Puppets’.

A arte gráfica prioriza o conceito que o disco carrega em quase todas as faixas: manipulação por qualquer tipo de instituição ou grupo, e ainda segue o padrão não tão exagerado dos discos anteriores, em que pese o fato de existir uma versão dupla em vinil deste disco, e a Elektra, gravadora da banda, aproveitando ser este o primeiro LP da banda pelo selo (o anterior foi lançando primeiramente pela Megaforce).

Musicalmente, LP causa espanto logo na primeira audição, porque a gravação está muito seca, priorizando mais o aspecto agressivo da banda, mas mantendo os elementos do ‘Ride the Lightning’ intactos, embora a banda esteja ainda mais técnica e as composições mais longas. Basta dizer que até mesmo as faixas mais cadenciadas e melodiosas esbanjam uma agressividade ímpar. Mas após a segunda audição, a clara impressão que qualquer fã de Metal que se preze é que está diante de um dos discos mais importantes da história do estilo.

O disco abre com ‘Battery’, uma faixa bem rápida e execução mais simples que as outras, quase como se revisitando alguns aspectos do ‘Kill ‘Em All’ e impondo novos elementos. A seguinte é a longa e clássica ‘Master of Puppets’, onde pela primeira vez, James contribui com um solo, e a faixa é dona de uma variação de climas e andamentos perfeita. ‘The Thing That Should Not Be’ é uma faixa bem cadenciada e pesada, no estilo que a banda agora trilha, e é seguida por uma semi-balada, ‘Welcome Home (Sanitarium)’, que segue uma linha semelhante à ‘Fade to Black’, do LP anterior. ‘Disposable Heroes’ é outra canção longa e que prioriza as mudanças de andamentos, um dos grandes destaques do disco, assim como a faixa seguinte, que é um pouco mais curta e mais focada na cadência, ‘Leper Messiah’. ‘Orion’ é uma instrumental gigantesca, bem variada e novamente tem um solo de James, mas esta faixa é um pouco enfadonha, já que nem todos são fãs de músicas instrumentais. Fechando, temos ‘Damage Inc.’, veloz, técnica e bem variada.

O sucesso esperado veio, mas cobrou preços altos da banda: James quebrou o braço andando de skate, tendo seu roadie, John Marshall, fazendo suas partes de guitarra na tour como suporte de OZZY OSBOURNE nos EUA, e em 27 de Setembro de 1986, em um acidente com o tour bus da banda em Dörarp, na Suécia, tirou a vida de Cliff Burton e ainda colocou o futuro da banda em questão, mas após decidirem ir em frente (pois acreditavam que esta seria a vontade de Cliff, inclusive com a família dele lhes dando apoio na decisão), e depois alguns testes, Jason Newsteed, ex- FLOTSAM & JETSAM, entra para a banda, excursionando e cumprindo os compromissos, fechando a tour em 1987, para então soltarem o EP de covers ‘Garage Days Re-revisited’, e prepararem material para o quarto disco da banda, enquanto James se recuperava de novo acidente com skate...

Tracklist:
01. Battery
02. Master of Puppets
03. The Thing That Should Not Be
04. Welcome Home (Sanitarium)
05. Disposable Heroes
06. Leper Messiah
07. Orion
08. Damage Inc.

Formação:
James Hetfield – Vocais, guitarra base (solo 1 na faixa 2, e solo 2 na faixa 7)
Kirk Hammet – Guitarra solo
Cliff Burton – Baixo
Lars Ülrich – Bateria

Contatos:
http://www.metallica.com

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de Master of Puppets - Metallica

5000 acessosMetallica: Álbum mostra agressividade, técnica e melodia5000 acessosResenha - Master Of Puppets - Metallica2598 acessosMetallica: Pull the Strings, os 30 anos de "Master of Puppets"5000 acessosTradução - Master Of Puppets - Metallica

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

MetallicaMetallica
James explica como ele cria os títulos das músicas

486 acessosMetallica: Cartazes edição limitada serão vendidos nessa quinta1261 acessosMetallica: Lars queria ver Phil Rudd tocando Enter Sandman0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Metallica"

MetallicaMetallica
Lars mandou aumentar bateria e diminuir baixo no Justice

MetallicaMetallica
Lars diz que vai embora do país se Donald Trump ganhar

MetallicaMetallica
Os maiores riffs da banda pelo Ultimate-Guitar

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Metallica"

Heavy MetalHeavy Metal
Autores que inspiraram o estilo: Friedrich Nietzsche

Em 19/02/1980Em 19/02/1980
Bon Scott, vocalista do AC/DC, morre aos 33 anos de idade

SpikeSpike
Os sete piores solos de guitarra

5000 acessosBruce Dickinson: sua coleção de clássicos do Metallica5000 acessosPink Floyd: o maior concerto de rock já produzido5000 acessosOs fãs mais chatos do mundo da música5000 acessosJess Greenberg: mais vídeos de covers em voz e violão5000 acessosPhil Anselmo: vocalista fala de sua relação com as drogas5000 acessosRolling Stone: revista elege sete hinos para sete décadas de rock

Sobre Marcos Garcia

Marcos Garcia é Mestrando em Geofísica na área de Clima Espacial, Bacharel e Licenciado em Física, professor, escritor e apreciador de todas as subdivisões de Metal, tendo sempre carinho pelas bandas mais jovens e desconhecidas do público, e acredita no Underground como forma de cultura e educação alternativas. Ainda possui seu próprio blog, o Metal Samsara, e encara a vida pela máxima de Buda "esqueça o passado, não pense no futuro, concentre-se apenas no presente".

Mais matérias de Marcos Garcia no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online