[an error occurred while processing this directive]

Matérias Mais Lidas


Summer Breeze 2024

Slash: riffs legais e canções bem acima da média

Resenha - Slash - Slash

Por Ricardo Seelig
Postado em 16 de julho de 2010

Nota: 8

Nunca fui fã do Guns N´Roses. É claro que, como toda pessoa que viveu a sua adolescência nos anos 80, conheço a carreira da banda e ouvi muito as suas músicas, mas nunca fui fanático pelo grupo. Tanto é verdade que possuo apenas um disco dos caras em minha coleção – o segundo play, o mezzo acústico mezzo ao vivo "Lies". A trupe de Axl Rose jamais fez a minha cabeça, apesar de reconhecer a importância e, principalmente, o tamanho que a banda chegou a ter no início da década de noventa.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - TAB 1

Por isso, nem dei bola quando "Chinese Democracy" saiu, pouco me importei com os shows do novo grupo de Axl pelo Brasil há alguns meses atrás e também não me interessei em ouvir o disco solo repleto de convidados que o guitarrista Slash colocou no mercado.

Mas, um certo dia, dei de cara com uma resenha muito positiva do CD e resolvi dar uma conferida para ver se era tudo isso mesmo. Que bom que me dei essa chance …

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - TAB 2

"Slash", o disco, é um trabalho extremamente agradável de se ouvir, um discão repleto de riffs legais e canções bem acima da média. O álbum contém 14 faixas, cada uma delas com um vocalista diferente – a exceção é Myles Kennedy, cantor do Alter Bridge, que solta a voz em duas. Fica claro que Slash compôs cada faixa especialmente para o vocalista que iria cantá-la – e isso é um elogio.

O play abre com a boa "Ghost", que tem Ian Astbury, do The Cult, no vocal, e o parceiro das antigas Izzy Stradlin, também ex-Guns, nas guitarras. Um bom começo, que prepara o terreno para uma das melhores faixas do disco, "Crucify the Dead", baladaça onde Slash contracena com Ozzy Osbourne, uma das maiores lendas da história do heavy metal.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - TAB 3

"Beautiful Dangerous" vem a seguir. Com um bom refrão, traz a bela Fergie, do Black Eyes Peas, nos vocais, e o resultado é melhor do que os fãs mais radicais poderiam imaginar. Vale a conferida.

A ótima "Back from Cali", a primeira com os préstimos de Myles Kennedy, é daquelas faixas que ficam na cabeça por um bom tempo. Chris Cornell, ex-Soundgarden e Audioslave, bate ponto em "Promisse", mas, apesar da classe inegável de Cornell, a canção é apenas mediana.

O mesmo não pode ser dito de "By the Sword", sensacional composição onde Slash divide os holofotes com Andrew Stockdale, do Wolfmother. Um dos pontos altos do disco, com uma aura setentista que irá empolgar os bolhas de plantão. Em contrapartida, "Gotten", cantada por Adam Levine, do Maroon 5, é uma baladinha insossa que poderia muito bem ter ficado de fora do CD.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - TAB 4

Lemmy soa como Lemmy em "Doctor Alibi", uma paulada à la Motorhead para ninguém colocar defeito. A espetacular "Watch This Dave" vem a seguir, e seus quase quatro minutos são de deleite puro. Um som instrumental, pesadíssimo, onde Slash é acompanhado por Duff McKagan no baixo e Dave Grohl na bateria. Ouça no volume máximo!

Outra boa surpresa ocorre em "I Hold On", cantada por Kid Rock. Um hard simpático, com um refrão grudento, que poderia ser perfeitamente lançada como single. Falando em surpresas, a excelente "Nothing to Say" é mais uma delas. Cantada pelo vocalista do Avenged Sevenfold, M. Shadows, é um heavy metal arrepiante, empolgante, daqueles de bater cabeça sozinho enquanto se ouve o som a todo volume. Uma faixa estonteante!

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - TAB 5

"Starlight", segunda canção cantada por Myles Kennedy, é uma balada com uma vibe bem Rolling Stones no início e um refrão perfeito para cantar junto. Impossível ouvi-la e não destacar a performance de Kennedy, um ótimo cantor, dono de um timbre cativante.

A acústica "Saint is a Sinner Too" tem um clima meio Led Zeppelin, e cai muito bem em um disco carregado de guitarras por todos os lados. Cantada pelo pouco conhecido Rocco DeLuca, desce redondinha e não faz feio no oceano de medalhões pelo qual está cercada.

O disco chega ao seu final com "We´re All Gonna Die", cantada por Iggy Pop. Um canção legal, bem feita, mas que soa inferior à colaboração anterior de Slash com Pop, que ocorreu no álbum "Brick by Brick", lançado pelo ex-vocalista dos Stooges em 1990.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - TAB 6

De uma maneira geral, "Slash" é um disco muito bom, empolgante de se ouvir, e que, a despeito de uma ou outra faixa mais fraca, deve agradar em cheio não apenas os fãs do guitarrista, mas também quem curte um hard rock direto e sem firulas.

Vale o investimento.

Faixas:
1. Ghost (Feat. Ian Astbury) - 3:35
2. Crucify the Dead (Feat. Ozzy Osbourne) - 4:03
3. Beautiful Dangerous (Feat. Fergie) - 4:38
4. Back From Cali (Feat. Myles Kennedy) - 3:36
5. Promise (Feat. Chris Cornell) - 4:40
6. By the Sword (Feat. Andrew Stockdale) - 4:51
7. Gotten (Feat. Adam Levine) - 5:03
8. Doctor Alibi (Feat. Lemmy) - 3:10
9. Watch This (Feat. Dave Grohl/Duff McKagan) - 3:52
10. I Hold On (Feat. Kid Rock) - 4:18
11. Nothing to Say (Feat. M Shadows) - 5:25
12. Starlight (Feat. Myles Kennedy) - 5:25
13. Saint is a Sinner Too (Feat. Rocco DeLuca) - 3:28
14. We're All Gonna Die (Feat. Iggy Pop) - 4:31

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - WHIP
Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Outras resenhas de Slash - Slash

Slash: blog francês publica primeira resenha de disco solo

Slash: algumas faixas dispensáveis e ótimos solos

Slash: CD que não desaponta, mas também não surpreende

Slash: tão bom e coeso que até a insossa Fergie soa bem

Slash: Les Paul sempre afiada para destilar seu veneno

Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:

Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps


Summer Breeze 2024

Stratosphere Project: O eco estrondoso da Via-Láctea fundindo-se nas dimensões ocultas

Perc3ption: A arte em situações extremas

"Here Comes The Rain", último registro do Magnum com Tony Clarkin, é mais um bom registro

Resenha - Nebro - Vesperaseth

Sepultura: Em plena forma e com mais um disco brilhante

Deep Purple: Who Do We Think We Are é um álbum injustiçado?

Deep Purple: Stormbringer é um álbum injustiçado?

Megadeth: recuperando a fúria que faltava


publicidadeAdriano Lourenço Barbosa | Airton Lopes | Alexandre Faria Abelleira | Alexandre Sampaio | André Frederico | Ary César Coelho Luz Silva | Assuires Vieira da Silva Junior | Bergrock Ferreira | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Alexandre da Silva Neto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cláudia Falci | Danilo Melo | Dymm Productions and Management | Efrem Maranhao Filho | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Fabio Henrique Lopes Collet e Silva | Filipe Matzembacker | Flávio dos Santos Cardoso | Frederico Holanda | Gabriel Fenili | George Morcerf | Henrique Haag Ribacki | Jesse Alves da Silva | João Alexandre Dantas | João Orlando Arantes Santana | Jorge Alexandre Nogueira Santos | José Patrick de Souza | Juvenal G. Junior | Leonardo Felipe Amorim | Luan Lima | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Marcus Vieira | Maurício Gioachini | Mauricio Nuno Santos | Odair de Abreu Lima | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Ricardo Cunha | Richard Malheiros | Sergio Luis Anaga | Silvia Gomes de Lima | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Victor Adriel | Victor Jose Camara | Vinicius Valter de Lemos | Walter Armellei Junior | Williams Ricardo Almeida de Oliveira | Yria Freitas Tandel |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sobre Ricardo Seelig

Ricardo Seelig é editor da Collectors Room - www.collectorsroom.com.br - e colabora com o Whiplash.Net desde 2004.
Mais matérias de Ricardo Seelig.

 
 
 
 

RECEBA NOVIDADES SOBRE
ROCK E HEAVY METAL
NO WHATSAPP
ANUNCIAR NESTE SITE COM
MAIS DE 4 MILHÕES DE
VIEWS POR MÊS