Resenha - Feedback - Rush

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Álcio Villalobos (Planeta Stoner)
Enviar correções  |  Ver Acessos


Quais são as maiores características do Rush conhecidas? O vocal anasalado de Geddy Lee, a técnica musical apurada e o fato de sempre dividir opiniões. O velho clichê se aplica (e talvez tenha sido inventado para o Rush): ou você os ama, ou os odeia. Porém, sempre existem exceções às regras, eu posso dizer que sou uma. Sempre achei o Rush uma banda legal, tecnicamente irrepreensível e inconstante, pois não são todas as fases e músicas que aprecio do trio canadense. Nos últimos anos, a rapaziada tem apostado nas sonoridades mais pesadas, com ênfase na guitarra, ao invés dos sintetizadores, teclados e outras parafernálias dos anos 80.

Indústria: atrizes pornô começam a seguir mesmo rumo das bandasHomossexualidade: Alguns dos gays mais conhecidos no rock

E agora? Lá vem eles com um EPzão de oito covers de bandas do final dos anos 60: Summertime Blues, de Eddie Cochran, ganhou uma versão com base naquela feita pelo Blue Cheer (conforme o próprio Geddy Lee declarou em entrevista, antes do Blue Cheer tocá-la, ele sequer conhecia a original) que a tornou bem interessante e pesada; Heart Full Of Soul e Shapes Of Things dos Yardbirds, ganharam arranjos de muita personalidade e garra; For What It's Worth e Mr. Soul, do Buffalo Springfield, a primeira um verdadeiro hino hippie, ganharam versões fiéis às originais, mas com alguns toques modernos e guitarras distorcidas (aliás, Alex Lifeson está que é um "guri", criando boas soluções harmônicas e arranjos para a guitarra); The Seeker (The Who) e Seven And Seven Is (Love), apesar de soarem bem, ficaram meio sem sal no final das contas, ao menos perto das demais, não trazendo nada de muito novo e interessante; e o petisco final, Crossroads (Robert Johnson, mas aqui lembrando a versão que o Cream fez) fecha o disquinho com muita classe e surpreendendo quem não conhece Rush direito, com feeling bluesy e guitarras saturadas.

Resumo da ópera toda: Nada como uma banda que viveu a época para tocar essas músicas e não soar forçado. Apesar de faltar um pouco mais de malvadeza e sujeira nas versões, este disco pode deixar muitos "não fãs" de Rush na condição de dar mais uma chance ao trio. E eu, onde me coloco desta vez? Eu fico com o trio e abraço o disco. Vale a pena!

Gravadora: Atlantic
Ano: 2004


Outras resenhas de Feedback - Rush

Resenha - Feedback - RushResenha - Feedback - Rush




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Rush"


Capas de álbuns: as mais obscuras e marcantes da históriaCapas de álbuns
As mais obscuras e marcantes da história

Gene Hoglan: Ser fã do Rush influenciou sua carreiraGene Hoglan
Ser fã do Rush influenciou sua carreira


Indústria: atrizes pornô começam a seguir mesmo rumo das bandasIndústria
Atrizes pornô começam a seguir mesmo rumo das bandas

Homossexualidade: Alguns dos gays mais conhecidos no rockHomossexualidade
Alguns dos gays mais conhecidos no rock


Sobre Álcio Villalobos (Planeta Stoner)

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

adClioIL