Resenha - Feedback - Rush

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Raphael Crespo
Enviar correções  |  Ver Acessos


O Rush é a banda mais paradoxal da história do rock. Ao mesmo tempo em que é simples, por dispor de apenas três membros, faz um som complexo, intrincado, magistral. E a comemoração dos 30 anos de carreira da banda canadense não poderia deixar de ser cercada de paradoxos.

Rush: e se Lars Ulrich fosse o baterista em "Tom Sawyer"?Maridos traídos: Portnoy, Hagar, Osbourne, Waters e Di'Anno

Numa data tão importante, para uma banda cujos últimos álbuns ao vivo são triplos, nenhum grande grande lançamento comemorativo. O Rush decidiu lembrar suas três décadas na estrada com o simples EP de covers Feedback, com apenas oito faixas.

Mas tudo que é simples o Rush pode complicar. E não há nada de pejorativo nessa afirmação. Para as covers, o trio escolheu músicas que fizeram parte de sua formação, com temas de rock n' roll básico, que, nas mãos dos canadenses, acabam ganhando em sofisticação e complexidade, graças ao virtuosismo de Alex Lifeson (guitarra), Neil Peart (bateria) e Geddy Lee (baixo/vocal).

Feedback abre e fecha com covers de covers. Exatamente isso. Versões de músicas que já foram ''coverizadas''. Na primeira faixa do álbum, o Rush faz um novo arranjo para a regravação do Blue Cheer de Summertime Blues, de Eddie Cochran, com destaque para o incidental riff inicial, que lembra muito Foxy Lady, de Jimi Hendrix. O mesmo acontece na última, com a versão da versão do Cream para Crossroads, do mito Robert Johnson.

Heart full of soul e Shapes of things, duas do Yardbirds, ganham uma roupagem fantástica, com destaque para o vocal de Lee na primeira e a monstruosa bateria de Peart na segunda.

Originalmente gravada pelo The Who, The Seeker aparece numa versão bem pesada, em meio a duas mais calmas: For what is worth e Mr. Soul, ambas do Buffalo Springfield. Seven and seven is, do Love, completa a lista de Feedback, com mais um show do melhor baterista do mundo.


Outras resenhas de Feedback - Rush

Resenha - Feedback - RushResenha - Feedback - Rush




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Rush"


Rush: e se Lars Ulrich fosse o baterista em Tom Sawyer?Rush
E se Lars Ulrich fosse o baterista em "Tom Sawyer"?

Rush: Geddy Lee não está pronto para escrever biografiaRush
Geddy Lee não está pronto para escrever biografia

Rush e AC/DC: poucos sabem as verdadeiras formações originaisRush e AC/DC
Poucos sabem as verdadeiras formações originais

Instrumental: dicas de hoje, tributo ao Rush e fusion 80s

Rush: A busca por um timbre é o objetivo de todo guitarristaRush
"A busca por um timbre é o objetivo de todo guitarrista"

Rush: Alex Lifeson fala sobre o peso da idadeRush
Alex Lifeson fala sobre o peso da idade

Trios de rock: os 10 mais em lista do site Gibson.comTrios de rock
Os 10 mais em lista do site Gibson.com


Maridos traídos: Portnoy, Hagar, Osbourne, Waters e Di'AnnoMaridos traídos
Portnoy, Hagar, Osbourne, Waters e Di'Anno

Hair Metal: Os maiores cabelos da história do rock pesadoHair Metal
Os maiores cabelos da história do rock pesado


Sobre Raphael Crespo

Raphael Crespo é jornalista, carioca, tem 25 anos, e sempre trabalhou na área esportiva, com passagens pelo jornal LANCE! e pelo LANCENET!. Atualmente, é editor de esportes do JB Online, mas seu gosto por heavy metal o levou a colaborar com a seção de musicalidade do site do Jornal do Brasil, com críticas de CDs e algumas matérias especiais, que também estão reunidas em seu blog (http://www.reviews.blogger.com.br). Sua preferência é pelo thrash metal oitentista, mas qualquer coisa em termos de som pesado é só levantar na área que ele mata no peito e chuta. Gosta também de outros tipos de som, como MPB, jazz e blues, mas só se atreve a escrever sobre o que conhece melhor: o metal.

Mais matérias de Raphael Crespo no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336