Kid Vinil: entrevista realizada em 2010 em Manaus

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Mário Orestes Silva, Fonte: You Tube
Enviar correções  |  Ver Acessos

No vídeo, entrevista completa cedida por Kid Vinil na data de 27 de agosto de 2010 em Manaus, na livraria Saraiva, onde o mesmo lançava seu livro "Almanaque do Rock". Na ocasião o músico/jornalista/radialista fala sobre sua carreira, o livro lançado naquele momento, cenário musical nacional e internacional, além de seus projetos que estavam em andamento.

Punk: 10 músicos que são mais ricos do que você pensaCretin: transexual rompe barreiras no metal extremo

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção MatériasTodas as matérias sobre "Kid Vinil"


Kid Vinil: cantor lutou pela vida e ficou mais de um mês internadoKid Vinil
Cantor lutou pela vida e ficou mais de um mês internado

Kid Vinil: a lenta despedida de uma geração de dinossaurosKid Vinil
A lenta despedida de uma geração de dinossauros


Punk: 10 músicos que são mais ricos do que você pensaPunk
10 músicos que são mais ricos do que você pensa

Cretin: transexual rompe barreiras no metal extremoCretin
Transexual rompe barreiras no metal extremo


Sobre Mário Orestes Silva

Deuses voavam pela Terra numa nave. Tiveram a idéia de aproveitar um coito humano e gerar uma vida experimental. Enquanto olhavam, invisíveis ao coito, divagavam: - Vamos dar-lhe senso crítico apurado pra detratar toda sua espécie. Também daremos dons artísticos. Terá sex appeal e humor sarcástico. Ficará interessante. Não pode ser perfeito. O último assim, tivemos de levar à inquisição. Será maníaco depressivo e solitário. Daremos alguns vícios que perderá com a idade pra não ter de morrer por eles. Perderá seu tempo com trabalho voluntário e consumindo arte. Voltaremos numas décadas pra ver como estará. Assim foi gerado Mário Orestes. Décadas depois, olharam como estava aquela espécie experimental: - O que há de errado? Porque ele ficou assim? Criamos um monstro! É anti social. Acumula material obsoleto que chamam de música analógica. Renega o título de artista pelo egocentrismo em seus semelhantes. Matamos? - Não. Ele já tentou isso sem sucesso. O Deixaremos assim mesmo. Na loucura que criamos pra vermos no que dará, se não matarem ele. Já tentaram isso, também sem sucesso. Então ficará nesse carma mesmo. Em algumas décadas, voltaremos a olhar o resultado. Que se dane.

Mais matérias de Mário Orestes Silva no Whiplash.Net.

Cli336x280